Círculo de Fogo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Círculo de Fogo
Círculo de Fogo.jpg
Titulo em Português: Círculo com Fogo
Titulo Original: Fire in the Hole
Local de Produção: Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Ano de Produção: 2018
Duração (PAL-DVD): 666 Minutos
Idioma: Engrish e Português
Diretor: Guillermo del Toro
Roteirista: Latino
Produtor: Ultraman
Orçamento: 24 caixas de cerveja
Elenco

Um monte de ator inútil que ninguém conhece

Cquote1.png Porque os helicopteros que transportam os robôs, não ficam sobrevoando em volta dos monstros, pro robô ficar disparando o canhão de plasma, ao invés de sair na porrada?! Cquote2.png
Guria Retardada sobre O filme
Cquote1.png Porque não fizeram naves com canhão de plasma ao invés de robôs?! Cquote2.png
Guria Retardada sobre O filme
Cquote1.png Porque você não vai tomar no centro do seu cu ao invés de encher meu saco?! Cquote2.png
Diretor do filme sobre Comentários acima

Círculo com Fogo (não, não estamos falando do teu cu) é um filme de 2013, que não passa de uma bizarra mistura de Evangelion, Transformers, Shadow of the Colossus, King Kong e Ultraman.

Sinopse[editar]

Gtk-paste.svg.png Aviso: Este artigo ou seção contém revelações sobre o enredo, como o fato de que o negão morre

O filme retrata o drama dos japoneses que, após sofrerem anos com os ataques de Godzilla, Gamera, King Kong e os monstros de Rampage, começaram a ser atacados por bizarras criaturas vindas do cu do mundo (literalmente e não-literalmente), denominadas Kaiju, que nada mais são do que cópias dos colossi de Shadow of the Colossus.

Batalha acirrada entre um Jaeger e um Kaiju.

Não contentes em devastar apenas a pequena ilhota japonesa, que já não contava com a proteção de seus herois Ultraman e National Kid, os colossi resolveram expandir os horizontes, atravessando os mares utilizando Ninjesus e atacando todos os outros países que encontravam pela frente, de uma maneira tão devastadora, que nem o valente policial fracassado que tenta desesperadamente matar os monstros gigantes em Rampage mas acaba sendo esmagado ou comido conseguiu detê-los.

Percebendo que agora a porra ficou séria, todos os países se uniram para construir robôs gigantes equipados com raios laser, canhão de plasma e facas ginsu, que de acordo com os mangás, seriam a única coisa capaz de deter os Kaiju. Terminada a construção dessas máquinas mortíferas, que nada mais são do que plágios dos EVAs de Evangelion, a única coisa que faltava eram os pilotos. O único problema é que apenas um piloto não era o suficiente para controlar os robôs gigantes (denominados Mick Jagger), então, foi criado um sistema que permite que dois pilotos façam um troca-troca de memórias, para assim entrarem em harmonia mental e moverem-se com sincronia.

Agora que ficou tudo acertado, os robôs começaram a combater os monstros, em rinhas que faziam ferver as casas de apostas ilegais. Por possuírem armas poderosas, além de defesas robustas, compostas pelo mesmo material das meias vivarina que não rasgam de jeito nenhum, os robôs conseguiram destruir vários monstros, o que fez a população acreditar que estava a salvo. O único problema é que os monstros continuaram evoluindo, até chegarem ao ponto de conseguirem destruir os robôs gigantes com um simples peteleco nas zoeira zoreia. E é aqui que começa a história do filme em si.

Dois irmãos, um deles o protagonista dessa bagaça, vão para o campo de batalha para matar um dos colossi, que estava tumultuando lá no meio do mar, procurando pelo Wander. Chegando lá, após uma troca de carinhos entre os dois gigantes, no melhor estilo Ultraman, o EVA dos irmãos acaba levando a pior, e um deles vira purê. O outro, mesmo quase morto (só não morreu porque é o protagonista, e conta com a proteção do diretor), consegue levar o robô (ou o que sobrou dele) de volta para a terra firme.

5 anos depois, os robôs gigantes se tornaram inúteis, pois os colossi desvendaram os pontos fracos deles. Por conta disso, os caras que financiam essa merda resolvem parar de mandar dinheiro, encerrando o projeto. Como isso acarretaria o fim do desvio de verbas, e o fim dos luxos em prostíbulos tailandeses, o negão responsável por comandar as operações tenta convencer os caras a continuarem os financiamentos, mas não obtém sucesso. Então, ele resolve usar os robôs que sobraram (4 de 20) para agir por conta própria.

Depois disso, acontecem aqueles clichês de sempre, que não podem faltar em nenhum filme de ação: O protagonista volta a ativa, cria um vínculo com uma garota (no caso uma chinesa cover da Lucy Liu), e depois os dois saem metendo porrada em meio mundo até conseguirem atingir o objetivo final, que é a paz mundial. Fim.

Personagens[editar]

Os humanos precisaram de 20 robôs gigantes pra matar meia dúzia desses bichos. Wander, moleque magrelo, sozinho, matou 16. E sobreviveu.
  • O protagonista desse filme, e consequentemente o que mais se fode, é Raleigh (Charlie Hunnam). No começo do filme, ele é apresentado como um sujeito criado a leite com pera, que apesar de não possuir força, inteligência ou qualquer outra qualidade, é recurtado para ser um dos pilotos dos robôs gigantes, apenas porque possui um vínculo forte com seu irmão, o que é necessário para se controlar de maneira harmônica a máquina. Na metade do filme, não satisfeito com a já existência de milhares de clichês e plágios no filme, cria um vínculo com a mocinha, e juntos, os dois conseguem destruir todo o mal do mundo.
  • A mocinha com problemas emocionais que só consegue exorcizar os fantasmas do passado com a ajuda do protagonista é Mako (Rinko Kikuchi). Chinesa, e consequentemente boa de porrada, ela é mais macho do que os "homens" da organização que protege o planeta com os robôs gigantes. No fim do filme, ela acaba com o protagonista, como não poderia deixar de ser.
  • Não estamos em um filme de terror, mas o negão criado apenas para morrer de maneira cruel nas mãos dos vilões é Stacker (Idris Elba). Comandante das operações dos robôs gigantes, ele carrega dentro de si um câncer, devido a exposição excessiva às piadas sobre Friboi. No fim do filme, sabendo que iria morrer, já que é negão, e os negões jamais sobrevivem em filmes de terror/ação, Stacker resolve se matar, limpando assim o caminho dos protagonistas rumo ao estrelato.
  • O nerd inútil criado apenas para dar um apelo cômico ao filme é o Dr. Newton Geiszler (Charlie Day). Apesar de mais atrapalhar do que ajudar, no fim do filme ele consegue se conectar na mente de um dos monstros, entendendo assim o esquema dos bichos, o que lhe permite dar dicas aos protagonistas de como entrar na dimensão do Acre, onde está escondido o chefão dos monstros.

Os outros personagens são tão inúteis, que ou passaram batido por mim, ou possuem uma participação tão pífia que nem vale a pena mencioná-los.

Recepção[editar]

O filme foi muito bem recebido, até porque os críticos não tiveram coragem de dizer que não entenderam nada das cenas de luta entre os robôs e os monstros. Pra quem gosta de porrada, ação e mortes, o filme é considerado um prato cheio, cheio mesmo, já que sacrifica a história para focar nessas ditas características.