Cachoeiras de Macacu, onde o povo sempre toma na última sílaba...

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Cachoeiras de Macaco Cquote2.png
Google sobre Cachoeiras de Macacu
Cquote1.png Hasta la Vista, Baby Cquote2.png
Ex-morador dando banana enquanto foge
Cquote1.png Why don't you get a job? Cquote2.png
Offspring sobre morador de Cachoeiras
Cquote1.png Não entendi, repita por favor. Cquote2.png
Magotrano Opradine sobre Cachoeirense falando

Cachoeiras de Macacu é a cidade-mictório da serra entre Nova Friburgo e Itaboraí, onde nada de interessante acontece; então a emoção da vida dos moradores é fofocar sobre a vida dos jegues que passam puxando as carroças carregadas de bananas. Nessa cidade todo mundo é parente do primo do irmão do amigo do primo de fulano, se não são juntados pelo sangue, são pelo casamento. A diversão dessa pequena cidade "encantadora" é rodar a igreja na praça de cima até as pernas doerem e depois sentar e comer um hamburger gordurento de um dos asquerosos quiosques existentes na praça que vendem a mesma coisa.

História[editar]

Cachoeirenses trabalhando.

Como qualquer cidadezinha do interior do Brasil entupida de jumentos e caipiras amarelos, o pequeno povoado às margens do rio Macacu nasceu da miscigenação entre prostitutas portuguesas e índios Papacu, vivendo assim da agricultura de subsistência e cultivo de papoula. Como neste tempo não havia MMORPGs para distrair as pessoas (?), o número de habitantes disparou e foi fundada a vila de Cachoeiras.

Dizem as histórias que uma das prostitutas teve um coito com um primata nativo das florestas dos arredores, e assim contraiu uma tal febre de Macacu, contagiosa pra caralho. Tal qual peste bubônica em plena Europa medieval, esta epidemia ceifou a vida de muitas pessoas, destruindo assim o mercado fornecedor de papoula para os traficantes mexicanos, o que gerou uma crise sem precedentes.

Quase sem mulheres entre a população, a incidência de travestis explodiu em curto espaço de tempo, o que diminuiu um pouco a taxa de natalidade. A cidade passou a depender exclusivamente do comércio sexual provindo das prostitutas, conhecidas até hoje no Brasil inteiro por virem com um bônus extra.

Geografia[editar]

Clima[editar]

Quem passa por Cachoeiras de Macacu, à noite e no inverno, morre congelado na rodoviária esperando o busão da Rio Ita. A pessoa treme, mas não sabe se é por ser o único ser vivo no centro da cidade, ou de frio. A população não tem dinheiro pra comprar casaco, e vaga com a neblina socando a cara, de chinelo e bermuda num frio do demônio, além das meninas usarem vestido ou shortinho digno de Anitta na Party de Japuíba, onde os termômetros congelam.

População[editar]

A população era composta majoritariamente por idosos que decidiram montar uma vida tranquila na roça após se aposentar dos prostíbulos. Mas, agora os netos deles se conheceram e a gravidez precoce aumentou a taxa de natalidade da cidade. Mas como tecnologia avançada como computadores, televisões, VHS e rádio não chegaram a cidade ainda, não tinha outro maneira de se manterem ocupados nos dias tediosos (ou sim).

Cultura[editar]

Apesar do tédio constante, dessa pequena cidade possui um carnaval considerado aceitável por muitos. Pessoas viajam de Nova Friburgo e principalmente Itaboraí, as vezes tendo alguns mal informados de Angra dos Reis, Rio de Janeiro, Niterói, MG e outros lugares, acreditando encontrar um carnaval encantador. No carnaval da cidade existem varias atrações, como os blocos carnavalescos presidiários e pró-álcool que custam o olho da cara, onde você paga 600 reais só para beber cerveja até às 5 da tarde, ou a Fimose, que se paga 50 reais para seguir o trio elétrico ate o centro da cidade.