Calanches de Piana

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Francia d.JPG ALLONS EN₣ANTS DE LA PUTARIE!!

Este artigo è ₣rancês! Ele não toma banho, come camembert e faz biquinho. O autor já mendigou na Avenue Champs-Elysèes e è xenofòbico.

Lembre-se de quem perdeu todas as guerras para a Inglaterra.


As Calanches de Piana são um negócio que ninguém sabe direito o que é. Aparentemente é um monte de pedras amontoadas numa praia, e como não existe explicação melhor sobre essa coisa, fica melhor definido assim. Junto com outros pedregulhos e praias, é um patrimônio mundial, apesar de não mostrar nenhum motivo para ser considerada como tal.

Uma estrada local depois do último desabamento nas calanches, que matou 42 pessoas e deixou 300 feridos.

As partes que não estão ocupadas por rochas ou por matagais são enseadas visitadas por farofeiros e desocupados, que passam o dia inteiro sentados na areia, tomando banho ou poluindo o oceano com camisinhas usadas, material orgânico, embalagens e qualquer coisa que você possa imaginar na sua imaginação fértil.

História[editar]

No início dos tempos, Piano Piana era uma praia muito visitada pelos franceses que gostavam de tomar banho (minoria entre a população geral). Mas o turismo em massa deu muitos problemas para a região. Como qualquer praia visitada por muitas pessoas, o local virou um inferno devido à sujeira, o barulho e outras coisas.

Para impedir a vinda de turistas, uma ação coordenada pelo Greenpeace e moradores locais despejou milhares de pedras no litoral, acabando com as faixas de areia e com toda a praia. Essas pilhas de rochas posteriormente se tornariam as calanches (que em francês quer dizer "amontoado de pedregulhos largados no meio de alguma praia").

A intensa chuva ácida que ocorre na Córsega fez com que a calanche ficasse com milhares de buracos, que nem um queijo suíço, ou as estradas brasileiras, se preferir. Esses buracos, por serem quentes, úmidos e seguros; servem como moradia de ratos e baratas que infestam as cidades visinhas e transmitem doenças perigosas para as pessoas, causando o pânico na população local.

Virando um patrimônio[editar]

Recentemente, a UNESCO tinha um pequeno problema. Segundo um acordo feito com o governo francês, ela tinha que tombar alguma coisa na ilha de Córsega para ser patrimônio mundial. Como não havia nada de velho por lá, os jurados decidiram transformar as calanches e outros negócios em um patrimônio, assim solucionando o problema.

Veja Artigo Principal[editar]