Copa João Havelange

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
E tudo por causa desse fdp!

Cquote1.png Você quis dizer: Copa João Avalanche Cquote2.png
Google sobre Copa João Havelange
Cquote1.png Você quis dizer: João Have Lanche? Cquote2.png
Google sobre Copa João Havelange

Cquote1.png Você quis dizer: Copa União Cquote2.png
Google sobre Copa João Havelange
Cquote1.png Malícia diabólica! Cquote2.png
Gama sobre Copa JH
Cquote1.png Que vergonha de pôr meu nome nisso... Cquote2.png
João Havelange sobre sua copa
Cquote1.png Não fosse o Eurico Miranda, hoje nos igualaríamos ao Ixpóti Hellcife em ser da segunda divisão e ganhar o campeonato principal... Cquote2.png
São Caetano sobre sua impressionante e cagada campanha em 2000

Campeonato Brasileiro de Futebol de Botão de Areia de 2000 foi um campeonato com o nome de Copa João Havelange. Acabou que muitos até hoje chamam esse campeonato de Campeonato Marmelada Florminense da Silva, graças a alguns cheats usados pelo time das Laranjeiras pra pular uma divisão rapidinho.

História[editar]

Tudo começou no maldito Campeonato de 99. Perto do fim do campeonato, o Tocantinópolis e o Rio Branco de Americana, dois times chulecas que dificilmente até quem mora pelas bandas de onde eles são já ouviram falar, apareceram na jogada, mas não pra reclamar que deviam jogar a primeira divisão (ainda bem, menos dois nessa confusão imbecil), mas sim para fazerem uma enorme revelação: Sandro Hiroshi, ex-jogador dos dois times e atualmente atuando pelo São Bambi, era gay - ok, todos que passaram pelo Bambi tem um pouco de viadão falsificara sua identidade, certidão de nascimento e até seu teste de sexualidade e de virgindade, causando um reboliço absurdo e com isso Sampa perdeu dois pontos pro Internacional de Mazembe e três pontos pro Botaágua. Com isso, os dois times, que iam escorregar bonito pra segundona, simplesmente saíram de fininho e empurraram no lugar deles o Gama. Esse último, putinho, correu pra mamãe e com a ajudinha de um velho padrinho político, o deputado Aldo Rabelo, conseguiram até mesmo IMPEDIR a CBF de Ricardo Besteira de realizar o campeonato em 2000. O jeito foi apelar pro sogrão e ex-presidente da CBF e então dono do Clube dos 13 pra fazer a porra acontecer.

Assim, João Havelange decidiu ser mão-de-vaca e criar um campeonato Big Brother Brasil, onde os times se enfrentavam em módulos: o módulo azul, o módulo amarelo e os módulos verde-branco. Cada um representava uma das séries do campeonato brasileiro, e aí a confusão se instaurou: Internacional, Botafogo e Gama acabaram ficando os três no módulo azul, decidiram não rebaixar nenhum e deixaram os 3 se digladiando à toa. Já os outros três rebaixados rolou uma confusão ainda mais dos diabos: Juventude, que também tinha se fodido, continuou TAMBÉM no módulo azul, já o Paraná e o América Mineiro tiveram que se contentar no módulo amarelo (sendo que o último depois foi poupado). O pior é que o Juventude e o América-MG terminaram ATRÁS do Paraná, ou seja, um tremendo nada-a-ver dos diabos que só dá pra se explicar com o nome suborno, mas prefiro não dizer com toda precisão pra não tomar processo. ALÉM DISSO, magicamente o recém-subido pra segundona Fluminense MISTERIOSAMENTE nem no módulo amarelo jogou, sendo catapultado diretamente no módulo azul, ficando esse com 25 times (o Bahia também conseguiu um vale-tapetão pra primeirona do nada), o outro com uns 36 (por aí), já que Figueirense e Náutico-PE também se deram bem na jogada, e os últimos módulos com uns 50 e poucos times, totalizando 116 times. É time pra burro!

Classificações[editar]

Módulo Azulado[editar]

Módulo Azul, primeira fase
Pos Times Pts J V E D GP SG
1 Cuzcuzeiro 45 24 12 9 3 46 27
2 Ixpoti Hellcife (cagada histórica) 42 24 12 6 6 46 27
3 Florminense Favorecido Club 42 24 12 6 6 45 31
4 Goiá-iá-iás 41 24 11 8 5 41 29
5 Vice da Gama 39 24 11 6 7 36 37
6 Bambi Pau-lá 39 24 10 9 5 46 35
7 Macaca Racista 38 24 11 5 8 49 37
8 Atlético Versão do Paraná 38 24 11 5 8 32 28
9 Mazembe Clube do Brasil 38 24 10 8 6 34 25
10 Tricolor Gayucho 37 24 10 7 7 37 31
11 Porcos de Angry Birds 37 24 10 7 7 29 30
12 Macumbeiros Tricolores da Marmelada 36 24 10 6 8 32 31
13 Índio Esquecido 35 24 9 8 7 29 29
14 Time Branco do Pelé Preto 33 24 9 6 9 38 31
15 Urubuzada Rubro-Negra 33 24 9 6 9 42 37
16 Estrela Solitária do Engenhão 32 24 9 5 10 31 35
17 Lusa Sofredora 32 24 9 5 10 34 43
18 Imitação do Ixpórti Hellcife Baiana 31 24 9 4 11 44 40
19 Canja de Coelho 27 24 7 6 11 26 35
20 Gayloucura Mineira 27 24 7 6 11 31 42
21 Novinhos 26 24 7 5 12 27 36
22 Reclama 22 24 6 4 14 22 39
23 Coxa da Angélica 21 24 5 6 13 26 35
24 Primeiro Comando de Curíntia 16 24 4 4 16 26 46
25 Cobrinha 16 24 3 7 14 18 51
Classificados à fase final

Módulo Amarelo[editar]

Foi a principio dividido em dois grupelhos, um formado por São Caetano, Figueirense, Paraná, Botafogo de Ribeirão Preto, Criciúma, Caxias, Bangu I e Avaí, além de outros dez perdedores, e outro formado por Fortaleza Bolachas, São Raimundo, Sampaio Corrêa, Náutico, Papão Azul, Anapolina, Remo Fudido e Sigla Alagoana Estranha, e mais 10 fracassados. Todos os citados por nome disputaram um mata-mata e no final sobreviveram Paraná Cuspe (1º) e a Associação Cagona de São Caetano (2º).

Módulos Verde e Branco[editar]

Foram divididos em um monte de grupos confusos de times estranhos, que só são dignos de nota o estranho Tuna Luso, o Moto Club de São Luís (jogavam usando motos em campo), o Centrão, o Curíntia Falsiê de Alagoas, o Genus (HÃ?) e o Atlético Gayaniense. Tinha um tal de Interporto que desistiu antes do início, só citei porque não tinha o que escrever, isso no módulo verde, só com times do Norte-Nordeste-Centro-Oeste, já o módulo branco do sul-sudeste só vale lembrar do Etti Jundiaí (único time que o patrocinador é o primeiro nome do time), o Malutrom e só. No final, os melhores dos dois módulos faziam um pega-pra-capar entre si até que só um saísse vivo.

Fase Final da Copa João Havelange[editar]

Na fase final começaria a doideira. Os melhores times do módulo azul (Cruzeiro, Sport, Inter, Vasco, Goiás, Bahia, Atlético-PR, Ponte Preta, Grêmio, Bambineira, Palmeiras e Florminense) iriam se digladiar e também em alguns jogos testar a sorte contra os dois melhores do amarelão (Paraná e São Cairtamos) e os dois do módulo mistureba (Remo Rimoso e Malutrão), desses, o Paraná deu uma surpresinha, mas só nas oitavas-de-final, dando um pau no Goiás, depois apanhando pro Vice da Gama. Já o São Caitano virou uma máquina devastadora, derrotando seguidamente Florminense (mereceram), Palmeiras e Grêmio, sem tomar o mínimo conhecimento.

Na final original, no dia 27 de Dezembro, no finado Palestra Itália, empate em 1X1. A volta estava marcada pro dia 30 de dezembro, e no meio do jogo no São Januário, acabou dando em merda porque o São Jegueário acabou caindo pela metade, fazendo 150 pessoas quase morrerem. Graças a uma malicinha do time carioca (que nem devia ter jogado nesse dia nem jogado sequer no mata-mata por ter escalado um "Sandro Hiroshi" próprio, nesse caso o Jorginho Paulista, em alguns jogos), eles conseguiram apenas adiar o jogo ao invés de perder a final por burrice ou dar uma de Flamerda e se sagrar campeão na surdina. Com isso, no dia 18 de janeiro de 2001 já o Vice da Gama consegue ser vice-tetracampeão do Brasileiro entre os times cariocas (o Flamerda já era isso, ou não, já que até hoje eles dizem que já eram penta e panz), nem Adhemar, o artilheiro, conseguiu salvar o São Caetano.

Consequências[editar]

Como ninguém, nem o lixo extremo do Santa Cruz com sua campanha imbecil, foi rebaixado, os dois melhores do módulo amarelo (São Caetano e Paraná), além do Botafogo de Ribeirão Preto (esse último nem me pergunte porque, já que nem foi terceiro no grupo A do módulo, muito menos terceiro no mata-mata do Amarelo) foram efetivados na série A pra 2001, quando enfim a CBF já pôde dirigir essa putaria.