Campeonato Europeu de Futebol de 2004

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar


O logotipo do evento, representando uma bola de merda a sair de um cu, além da cagada com os recursos públicos que foi feita por causa deste torneio

O Euro 2004 foi o maior torneio de futebol e evento de qualquer tipo que aconteceu em Portugal durante a década de 2000.

Processo de escolha da sede[editar]

O processo da escolha da sede foi relativamente rápido, pois, em 1999, apenas Portugal, Espanha e uma candidatura conjunta entre Áustria e Hungria ficaram até o final. A Espanha foi rejeitada por causa dos flashbacks da roubalheira que aconteceu da última vez que sediaram, enquanto Áustria e Hungria foram rejeitadas por causa dos flashbacks da Primeira Guerra, além de que ninguém ia querer jogar num estádio chamado Arnold Schwarzenegger. Esta seria a a última escolha de sede onde não haveria a tradição de uma candidatura da Turquia perder na última rodada de escolha. Mesmo sendo a última candidatura a ser apresentada, Portugal acabou ganhando o direito de sediar o torneio.

Sedes[editar]

Estádios[editar]

Os estádios foram, em sua maioria, construídos no lugar de estádios anteriores. O Porto derrubou o estádio das Antas para construir o Estádio do Dragão, enquanto a Luz, o Alvalade, o Afonso Henriques e o Magalhães Pinto foram derrubados e reconstruídos do zero. Braga foi uma das únicas cidades a receber um estádio completamente novo, pois derrubar o estádio resultaria em derrubar metade da cidade, o que fez com que a câmara municipal tivesse que construir um estádio numa antiga pedreira.

Eliminatórias[editar]

Cinquenta seleções foram sorteadas em dez grupos com cinco times cada, jogando em turno e returno.

No grupo 1, a França passeou contra Eslovênia, Chipre, Israel e Malta, ou seja, ninguém. Os eslovenos ficaram com a vaga na repescagem. No grupo 2, uma disputa extremamente acirrada aconteceu, com a Dinamarca vencendo o grupo por apenas um ponto, enquanto a Noruega chegaria à repescagem apenas por causa do confronto direto com a Romênia, que, apesar de ter o melhor ataque do grupo, fez a maioria dos gols contra Luxemburgo. A Bósnia ficou dois pontos atrás dos dinamarqueses, enquanto os luxemburgueses foram o saco de pancadas da geral.

No grupo 3, a República Tcheca surpreendeu, jogando a Holanda para a repescagem. Áustria, Bielorrússia e Moldávia serviram apenas como diversão para os dois. No grupo 4, a Suécia ganhou a vaga direta, apenas um ponto à frente da surpreendente Letônia, que havia deixado pra trás Polônia e Hungria. San Marino não conta.

No grupo 5, a Alemanha passou invicta, apesar de certo sofrimento, ganhando a vaga direta. A Escócia foi para a repescagem, apenas um ponto à frente da Islândia. Outra surpresa foram os dez pontos da Lituânia, enquanto as Ilhas Faroe garantiam um ponto. No grupo 6, a Grécia garantiu a vaga direta após uma vitória contra a Espanha fora de casa e ver esta tropeçando contra a Ucrânia. A Armênia terminou em quarto, enquanto a nota negativa ficava para a Irlanda do Norte, que se despediu das eliminatórias sem marcar nem um gol.

O grupo 7 foi um duelo entre Inglaterra e Turquia, com os ingleses superando os turcos por apenas um ponto para levar a vaga direta. Eslováquia, Macedônia e Liechtenstein (que empataram um jogo entre si, para vergonha dos macedônios) foram os coadjuvantes. Outra surpresa aconteceu no grupo 8, onde a Bulgária terminou à frente de Croácia e Bélgica, onde o confronto direto favoreceu os croatas devido a um sonoro 4-0 compensando uma derrota por 2-1. Note que este confronto poderia não ter acontecido se os croatas não tivessem sido ruins o suficiente para empatar contra a Estônia. Os pontos grátis do grupo ficaram por conta de Andorra.

No grupo 9, a Itália garantiu a sua vaga direta, enquanto o País de Gales ficou com a vaga na repescagem, um ponto à frente da Sérvia e Montenegro, que começou as eliminatórias como Iugoslávia e as terminou como sempre: amarelando por causa de um empate em casa com o Azerbaijão e um 3-0 sofrido para a Finlândia. No grupo 10, a Suíça ganhou a vaga direta, enquanto a Rússia foi recompensada com a vaga na repescagem por feitos como perder pra Albânia e Geórgia (em um jogo remarcado por causa de um apagão no estádio). Irlanda, Albânia e Geórgia foram eliminadas, mas sem antes arrancar alguns pontos preciosos de si mesmas, além dos dois classificados.

Repescagem[editar]

Os segundos colocados de cada grupo foram sorteados para um confronto direto definindo os últimos três classificados, já que era consenso geral que, a menos que caíssem em um confronto, Holanda e Espanha se classificariam sem nenhum problema. E foi isso que aconteceu: a Holanda chegou a dar esperanças para a Escócia, perdendo o primeiro confronto por 1-0, apenas para passar o carro na volta com um 6-0.
Vendo isto, a Espanha decidiu brincar de ser cuzona também e venceu a Noruega em casa por 2-1, colocando-se em posição extremamente perigosa para a volta, apenas para vencer por 3-0.
A Rússia empatou o primeiro jogo da repescagem, mas venceu Gales em Cardiff para se classificar, mesmo com um estádio lotado contra eles.
A Croácia também entrou em posição perigosa por causa de um empate em casa contra a Eslovênia, mas garantiu a passagem para Portugal com uma vitória fora de casa.
A Turquia havia perdido a ida na Letônia por 1-0, significando que bastava fazer dois gols em casa para se classificar, o que era uma tarefa relativamente fácil para uma semifinalista de Copa do Mundo contra uma seleção de uma ex-república soviética que não é a Rússia ou não tem um Shevchenko. E assim o fizeram, no entanto, o segundo apagão das eliminatórias aconteceu, mas dessa vez foi o time turco que apagou, e a Letônia, que precisava só marcar um gol para se classificar, acabou empatando o jogo.

Partidas[editar]

Primeira fase[editar]

Grupo A[editar]

Grupo B[editar]

O grupo B abriu os trabalhos no dia 13, em Lisboa, já que Croácia e Suíça decidiram não jogar em Leiria e terminaram empatando o jogo sem gols. No jogo na Luz, a Inglaterra parecia vencer a França, até que Zidane acordou e virou o jogo nos acréscimos, condenando os ingleses a começarem o certame na lanterna do grupo.

Adeptos da Croácia em Leiria. Muitas destas cadeiras nunca mais seriam ocupadas

No dia 17, em Coimbra, a Suíça continuou seus problemas de falta de gols, enquanto os ingleses fizeram três para vencer e voltar a ter chances de classificação no grupo, tendo que esperar o resultado do jogo de Leiria, onde o suprimento de gols dos croatas finalmente chegou, após o camionista confundir a saída da E1 e parar a carga em Santarém, e os croatas fizeram três gols no jogo. Como um deles foi contra, não foi possível fazer nada além de um empate com os franceses. Com isto, o grupo B chegaria à última rodada completamente aberto, com todos os times com chance de passar de fase.

No dia 21, o grupo foi definido, com a Inglaterra voltando ao Estádio da Luz para vencer a Croácia por 4-2 e aumentar a ilusão de seus torcedores que dessa vez a seleção iria pelo menos chegar na final de uma campeonato europeu, após a decepção em casa de 96 e o falhanço inexplicável de quatro anos atrás, enquanto a Suíça levava como recordação de Coimbra mais uma derrota, desta vez para a França.

Grupo C[editar]

No dia 14, abriram-se as disputas do grupo C. Dinamarca e Itália não conseguiram achar o caminho de Guimarães, sendo forçadas a jogar de última hora no campo dos Caçadores das Taipas. A partida terminou sem gols, pois as traves foram utilizadas na reforma do Afonso Henriques, que era onde o jogo de abertura do grupo deveria ter acontecido.

Mais tarde, no mesmo dia, a Suécia passava o carro em cima da Bulgária, com um 5 a 0 onde o mundo foi introduzido a Zlatan Ibrahimovic, que fez o quarto gol da partida de pênalti.

Indignada com a vergonhosa demonstração da Dinamarca na abertura do grupo, a UEFA decidiu que a próxima partida deles seria em Braga, ali do lado, onde seria praticamente impossível para eles se perderem no caminho. O que foi inicialmente recebido como uma punição acabou sendo uma dádiva aos dinamarqueses, já que eles tiveram que enfrentar a Bulgária, que só havia ido a Portugal para passar férias, saindo da pedreira com uma vitória por 2-0, para particular desgosto dos locais, que não queriam ver nada associado à cidade vizinha durante as parcas duas partidas que Braga receberia durante o torneio.

Enquanto isto, no Porto, Itália e Suécia disputaram um jogo renhido que terminou com um empate e a introdução definitiva de Ibrahimovic no léxico desportivo italiano, já que o gol sueco foi marcado por ele.

O final do grupo foi extremamente tenso: Itália e Bulgária tinham um jogo marcado para Guimarães, mas a presença italiana era uma incógnita, dado que a equipa já tinha faltado a um compromisso no mesmo estádio. E, de fato, o jogo começou sem a presença da equipa italiana. No entanto, os búlgaros foram tão maus que precisaram de um pênalti para abrir o placar em um estádio meio cheio, onde onze das 16 mil almas presentes entraram em campo no lugar da seleção italiana no primeiro tempo. No segundo tempo, a Itália de verdade entrou em campo, empatando aos três minutos do segundo tempo e torturando todos os presentes até arranjar um gol suadíssimo aos 49, que não serviu de absolutamente nada, pois, ao mesmo tempo, no Porto, Dinamarca e Suécia deixavam a rivalidade de lado para fazer um jogo extremamente aguerrido, que terminou com um empate de compadres que classificou as duas seleções para a próxima fase, deixando a Itália se perguntando onde fica o caminho pra casa.

Bulgária e Itália jogando em Guimarães. Pode se ouvir o sofrimento da torcida italiana. Acredite: só piora daqui pra frente

Grupo D[editar]

O grupo D começou com uma surpresa quando a Letónia chegou ao intervalo vencendo a República Tcheca em Aveiro, no entanto, os tchecos virariam o jogo no segundo tempo, pois de seleção completamente irrelevante vencendo um dos possíveis candidatos a azarão do torneio, já bastava a Grécia. No Porto, o clássico entre Alemanha e Holanda terminava em um 1-1 extremamente tenso, que mostraria uma certa tendência alemã mais tarde.

No dia 19, a Letónia evitou a sua eliminação precoce empatando sem gols com a Alemanha, que continuava no Porto, mas desta vez jogando no Bessa porque a outra metade da claque estava de ressaca e não pôde comparecer ao Dragão. Os tchecos continuaram em Aveiro, onde receberam os holandeses para um clássico de libertinagem, onde a equipa laranja começou por cima, metendo duas bolas na baliza tcheca em vinte minutos, mostrando grande potência e virilidade, mas broxando após o primeiro gol tcheco minutos depois. No segundo tempo, a equipa holandesa não conseguiu fazer seu jogo subir e acabou vendo a virada tcheca, com penetrações frequentes de seus atacantes por trás da defesa laranja.

A terceira rodada serviria apenas para ver quem seria o segundo classificado, com Holanda e Letónia jogando entre si em Braga, em um jogo no qual quem vencesse se classificava, e em caso de empate, ambos os times teriam que rezar para que os tchecos goleassem a Alemanha em Lisboa. No entanto, a goleada aconteceu mesmo em Braga, onde os holandeses não mostraram piedade dos debutantes, resolvendo o jogo com um 3-0, resultado este que obrigava os alemães a vencerem por três gols para se classificar, já que em caso de empate em saldo de gols, passava quem fez mais (vide grupo A). Os alemães só se esqueceram de combinar com os tchecos, já que até saíram na frente com Michael Ballack aos 21 minutos, mas os outros dois gols que eles precisavam foram marcados pelos tchecos, e assim a Alemanha dava adeus à sua segunda Eurocopa seguida na primeira fase, com ainda menos desculpas do que em 2000.

Quartas de finais[editar]

Portugal-Inglaterra[editar]

Durante os pênaltis, o goleiro português defendeu a terceira cobrança dos ingleses sem as luvas. Ricardo precisou ir ao banheiro enquanto o terceiro pênalti português era cobrado, e o quarto pênalti dos ingleses foi cobrado sem goleiro. Mesmo assim, o cobrador inglês errou, levando Portugal às semifinais.

Semifinais[editar]

Final[editar]

Cquote1.svg Vejam só o que aconteceu, os gregos receberam tudo Cquote2.svg
Irmãos Almeida sobre o resultado final do Euro 2004

Na mídia[editar]

No Brasil, o torneio foi transmitido pela Rede Record, onde os narradores assassinaram tanto os nomes dos jogadores que geraram uma crise diplomática com metade da União Europeia. O jogo oficial do certame foi produzido pela EA Sports, que reciclou o conteúdo do FIFA 2004 e só colocou os estádios novos no jogo, vendendo tudo como um jogo completamente novo. Existiu um anime produzido pela Toei, mas todas as cópias desta produção foram destruídas pouco após seu lançamento sob acusação de revisionismo histórico.

Legado[editar]

O legado do torneio foi considerado como positivo para quem viu de fora, mas deixou sequelas no povo português além do resultado da final.

Esportivo[editar]

Os quatro semifinalistas passaram os próximos anos tirando tudo o que podiam da geração de 2004. Os alemães, como não tinham nada a perder depois de uma prestação vergonhosa, passaram o trator em cima da seleção, em busca de não passar vergonha na Copa que hospedariam dois anos depois.

A FPF, que tinha a intenção de diminuir a centralização do poder futebolístico português em Lisboa e no Porto, acabou aumentando esta disparidade, pois os times das cidades envolvidas passaram o tempo todo lutando para pagar as dívidas: Beira-Mar e União de Leiria estão nos campeonatos regionais. A Académica caiu de divisão e está a sofrer na Segunda Liga. O Boavista foi envolvido em um caso de corrupção e caiu, e os únicos clubes que jogam no Estádio Algarve são os de Gibraltar. Mesmo os casos de relativo sucesso no Minho mostram suas falhas: o Vitória caiu em 2006-7, enquanto o Braga tem que reconstruir o elenco com grande frequência, pois muito do orçamento anual do clube é repassado à CM para pagar as dívidas infinitas geradas pela construção e subutilização do estádio, fazendo com que o clube nunca consiga segurar uma liderança na tabela, pois esta também tem que ser vendida.

Econômico[editar]

O aumento de turistas não foi o suficiente para impulsionar a economia portuguesa fora de Lisboa e Porto: os estádios fora dos grandes centros viraram grandes elefantes brancos, e mesmo os casos de sucesso acabaram sendo mais conhecidos pela utilização em outros esportes ou por serem detestados pelos clubes de suas cidades. Os estádios de Leiria e Aveiro foram inscritos no concurso das Sete Desgraças de Portugal pelas próprias câmaras municipais, na categoria desperdícios de recursos do Estado.

Marcos[editar]

  • A seleção grega ganhou o apelido de Navio Pirata de um narrador grego pois, por causa de uma disputa contratual com a Adidas, os gregos foram forçados a jogar a abertura do torneio com um jogo de uniformes pirateados que eles compraram dois dias antes do torneio com os ciganos da Amadora.
  • Giorgos Karagounis (Grécia) se tornou o primeiro jogador a levar um cartão amarelo em um jogo que não participou, quando o árbitro lhe deu um cartão na final só pra que ele ficasse com um cartão amarelo em todos os jogos do torneio.
  • Primeira vez em que uma equipe venceu uma disputa de pênaltis sem goleiro (Portugal, contra a Inglaterra)