Campos Altos

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Pão-de-queijo... hum... bão dimais...
Minas
Uai sô, ocê num intendeu?
Esse artigo é de humor mineiro uai! E foi feito por arguém que tava comeno um queijim... Pra entender, só comeno um pãozim de queijim com um copo de leitche! Ooooô trem baum de mais da conta, sô!


Campos Altos, cidade (pelo menos deveria ser uma) que faz parte do Triângulo Mineiro, região esta que é considerada a roça de Minas Gerais.

Assim como toda cidade interiorana, Campos Altos é composta majoritariamente por matutos que só pensam em pescaria e por católicos, que vão dormir na missa todos os domingos. Os católicos de Campos Altos são tão fanáticos que acreditam que a cidade seja o segundo maior santuário de Nossa Senhora Aparecida, perdendo apenas para o próprio Vaticano, pais este que eles só conhecem porque assistem aqueles especiais toscos que a Rede Globosta passa nos finais de ano.

História[editar]

Uma pequena amostra da incrível quantidade de romeiros de Campos Altos, durante uma procissão.

Durante a Idade da Pedra Lascada, Campos Altos era uma aldeia isolada do resto da civilização, povoada apenas pelos índios que não queriam aceitar as tradições dos caraíbas, pois gostavam de viver no meio do mato, no melhor estilo Tarzan. Como estes índios comiam apenas mandioca no café-da-manhã, e nunca tinham sequer provado os lanches cancerígenos do Mc Donalds, eles eram muito fortes, e sempre conseguiam botar pra correr qualquer um que invadisse os seus territórios.

Porém, mesmo esses índios tendo uma grande força, eles não eram capazes de lutar contra os poderosos armamentos dos homens brancos. Durante o Século XVII, os primeiros bandeirantes chegaram na região, e estavam com muito fogo no rabo, pois tinham ouvido boatos de que haviam pedras preciosas na região. Armados com as suas carábinas que são maiores do que as epístolas, os bandeirantes brincaram de Counter Strike com os índios, e botaram estes na conta do papa (ou melhor dizendo, na conta de ).

Após fazerem a limpeza das pedras preciosas que os índios escondiam dentro do cu (técnica esta que lhes foi ensinada pelo Bátima), os bandeirantes simplesmente foram embora, deixando intacta apenas a aldeia em que os índios viviam.

Durante o Século XVIII, esta aldeia indígena foi usada como esconderijo pelos escravos que fugiam das fazendas, por estarem cansados de apanhar de seus patrãozinhos. Como esta aldeia ficava bem no meio do mato, ninguém conseguia achar os escravos, nem mesmo os cães sabujos, o que fazia da aldeia um dos melhores esconderijos do mundo, perdendo apenas para o esconderijo do Osama bin Laden.

Muitos anos depois, mais precisamente em 1750, os escravos acabaram morrendo de diarréia, após terem bebido a "límpida e pura" água que jorrava do rio local, que atravessava a aldeia. Porém, apareceram novos moradores, que estavam dispostos a construir uma cidade naquele local. A primeira pessoa que passou a viver na aldeia, e que também ajudou na construção da cidade foi um tal de Leandro Henrique de Provença (não conhece? Joga no Google!! Se bem que eu tenho minha dúvidas se o Google vai ter alguma coisa sobre esse cara).

Após ter dado lá em casa o pontapé inicial na construção de Campos Altos, Leandro Henrique de Provença acabou morrendo, pois tomou uma picadura de um escorpião que habitava naqueles matagais. Porém, os seus cumpanheros continuaram incansavelmente com a construção. Obviamente, como a coisa era demorada, eles não viveram o suficiente para ver a cidade de pé. Porém, os seus filhos, querendo seguir os desejos e sonhos de seus pais, continuaram trabalhando, esperando, algum dia, conseguir construir uma cidade realmente completa, com uma bela igrejinha no centro.

Os trabalhos continuaram, até que, em 1913, a construção de Campos Altos finalmente foi encerrada. Porém, o desejo dos construtores não foi realizado, pois, aquilo que eles queriam que fosse uma cidade, acabou sendo apenas um conjunto habitacional, em que os pobres, mendigos e congêneres iam para passar a noite. Ou seja, Campos Altos acabou se transformando em uma verdadeira favela, condição esta em que Campos Altos permanece até os dias de hoje.

Economia[editar]

Como uma boa cidade mineira, Campos Altos tem a economia baseada na exportação de queijos. Como mercadoria alternativa, eles também exportam café, tentando superar a insuperável Cafelândia, que é a maior exportadora brasileira do produto (de acordo com dados do DATAFODA-SE).