Caninha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Caninha2.JPG Cquote1.png Ê-iê-iê-iê... Cquote2.png

Este artigo tem cheiro de porre! O autor está caído na calçada, gorfando álcool puro. Melhore este artigo e ganhará uma dose de pitú, mas se vandalizar, será obrigado a tomar uma garrafa de pinherense!

Caninha preso pela primeira vez

Cquote1.png Veja bem, apesar, eu sou bonito? Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Veja bem, apesar. Cquote2.png
Caninha sobre qualquer coisa
Cquote1.png Eu já tenho processo. Processo tipo assim... Processo... Matá Cquote2.png
Caninha sobre sua ficha policial
Cquote1.png Recebo ordens de um Juiz de Direito, que é uma grande ôtoridade. Cquote2.png
Caninha sobre sua condicional
Cquote1.png Eu sou filho do Guega, ele morou com a minha mãe, morou 30 anos com ela, eu sou filho dele por parte de pai... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Conheceu Tinho Lópe? Aquele que foi fuzilado pelos bandido? Aquele era meu cunhado... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Não é bala, é uma frigélis de melão, minha preferida... Cquote2.png
Caninha sobre Seu tira-gosto preferido
Cquote1.png Em toda a minha infância eu sempre fui um popxxtar, mudelo, capa de revíxta Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Sí um dia eu fosse assaltar eu pegava uma metralhadora ou um fuzil... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha

Caninha preso pela segunda vez

Cquote1.png É um problema difícil mas não é, porque, o cara diz que ela que tá lá dentro de quer assaltou de que é cabo... Eu num sabia que ele era doido... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Veja bem Givanildo, as vezes term coisa na vida quê... Tudo na vida é uma passage. Aí sí você chega pra mim e nem te conheço, a primeira viagem você diz "eu sou um cabo da polícia, aquele cara roubou, vamos bater nele?" eu to confiando em você, e eu sei lá quem e que você é, se você é doido, se você é louco... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png "Aquele cara roubou. Vamu bate nele? Se não quem vai bater é tu..." Eu ia faze o quê? Cquote2.png
Caninha sobre o doido que disse que falo que era Cabo
Cquote1.png Adeilson Silveira, eu sou que nem Fernando Beira Mar, eu digo, na maior frieza, na maior cara de pau: se eu fosse amatar ele eu não mataria de facão não, eu mataria de fuzil e metralhadora. Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Eu nunca posso dizer que daquela água eu não beberei, porque um dia eu beberei né, mas isso é um algo e um motivo, mas num é por eu... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Se eu fosse pra um presídio hoje eu seria muito feliz... Mas se eu fosse pro "sumitério" seria muito pior Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png Ivanildo Silveira, se eu disser a você eu faço que nem Fernandinho Beira-Mar, eu poderia dizer rindo a um juiz, a um coronel, poderia até me matar, mas tudo o que eu faço é com amor, é intenção a meu pai, mas nada do que eu fiz até hoje foi arrependido não, foi tudo por amor. Cquote2.png
Caninha sobre Caninha
Cquote1.png U CÃO FOI QUEM BUTO PA NOIS CUMÊ FRIGELIS DE MELÃO Cquote2.png
Jeremias sobre Caninha
Cquote1.png Foi, esse, étukscomeeanzéceará enseréa po pa la po delegadu tuma as providensia. Que ele tarra pertubano la, di que era o terrô la do.. sitiu Muricí Cquote2.png
Cabo Jailso sobre Caninha


Biografia[editar]

Caninha preso pela terceira vez
Caninha É O Semelhante de Beavis da vida real.

Veja bem, apesar de ser filho do Guega por parte de pai (viveu com sua mãe por 30 anos), e cunhado de Tim Lópi, Ivanildo Holanda dos Santos: o "Caninha", é conhecido como o "Terror do Sítio Muricy". É notória sua preferência por balas Freegells (ou "Frigelis") sabor melão, utilizadas como tira-gosto.

Apesar de hoje morar em Caruaru, Caninha é natural de Maceió. Logo, apesar de ser alagoano, vive atualmente em Pernambuco.

Aos 2 anos de idade, no inferno, conhece Jeremias José do Nascimento. Os dois são servidos pelo Cão. Nasce ai seu gosto pela bebida.

Sua infância foi marcada pela carreira de modelo fotográfico. Com frequência era requisitado para ilustrar capas de revistas como "O Cruzeiro" e "Manchete" tornando-se o pop-star mirim mais bem pago até então.

Formou-se em jornalismo e logo foi contratado para trabalhar no programa Linha Direta, da Rede Globo, junto com o seu cunhado Tim Lópi, que mais tarde seria fuzilado pelos bandido.

Sucesso garantido em Maceio, Caninha resolve mudar-se para Pernambuco onde assume a administração da Fazenda Potolandia - antiga propriedade de Guega, pai de Caninha por parte de filho. A partir de então, lá entra e trabalha somente quem ele deixar. Caninha torna-se conhecido na região como o "Terror do Sítio do Murici".

Seu comportamento começa a ser alterado e ele passa a agir como Fernandinho Beira-Mar, fumando drogas e ficando doidao (Victor Hugo Tammaro - Brasília), fazendo tudo na maior frieza e cara de pau.

Porém, isso não altera seu trabalho junto à comunidade: Já foi visto auxiliando policiais a bater em mendigos; já evitou que seu padastro tirasse sangue de uma menina de 15 e que cortasse outra com uma culé de pedero. Também é visto auxiliando caminhoneiros a encontrarem seu caminho pelas estradas de caruaru, oferecendo escolta armada.

Com 04 passagens registradas pela delegacia do bairro do Salgado, Caninha se tornou um dos melhores amigos dos policiais de plantão, e hoje paga pena alternativa prestando serviços a comunidade caruaruense.

Com "crimes" como perturbação da ordem pública, tentativa de roubo, agressão e ameaça de morte, Caninha é considerado um bom elemento e pode conviver tranquilamente em liberdade, mesmo sendo um cachaceiro

Bebedeiras[editar]

Caninha preso pela quarta vez (Note que ele mudou de nome, agora escreve Olanda sem o "H")

Cquote1.png Porquê não deixa essa cachaça?... Cquote2.png
Givanildo Silveira sobre Caninha

Cquote1.png Eu comecei a beber aos 2 anos... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha

Cquote1.png Mai num é cana limpa não cumpadi... Cquote2.png
Caninha sobre Caninha

Cquote1.png Hoje eu bebi dois litros de uísque, um litro de Dreher, uma grade de cerveja e 6 litros de cana Cquote2.png
Caninha sobre sua bebedeira

Cquote1.png Dois litros de cana e cinco cervejas. Só! Duas bistecas de "poico", uma "frigelis" de melão e uma da preta. Cquote2.png
Caninha sobre sua bebedeira e seu tira-gosto

Cquote1.png Apesar que eu não pudia... eu num pudiria nem cherá a álcool... Cquote2.png
Caninha sobre seu "problema"

Cquote1.png Eu nunca possu dizê qui dessa água num beberei, puque um dia eu beberei né... Cquote2.png
Caninha sobre ética

Cquote1.png A gente somo de Maceió e a rente tomo indo pa lá... Cquote2.png
Caninha sobre "Divolta à minha terra"

Relatório completo[editar]

Parte 1[editar]

  • Givanildo: Ivanildo Holanda dos Santos tem 24 anos, é famoso Caninha, mora no Sítio Murici, zona rural aqui de Caruaru. O detalhe é que ele tava perturbando, né? Tomou muita cachaça, o apelido já tá dizendo tudo, Caninha. Olha a cara dele! Fica rindo, olha!
  • Caninha: LOL! Já tá dizendo que eu bebo né?
  • Givanildo: É
  • Caninha: Sim, diga.
  • Givanildo:Mas já tomasse uma hoje, né?
  • Caninha: Veja bem, apesar...ééé, eu comecei a beber com 2 anos.
  • Givanildo: Com 2 anos, hoje tu tem 24, então tu bebe a 22 anos é?
  • Caninha: 22 anos que eu bebo
  • Givanildo: Mas rapaz, tu tem uma cara cínica danada, né?
  • Caninha: Não. Eu sou bonito?
  • Givanildo: Não, aí fica pras suas mulheres certo?
  • Caninha: Obrigado, pronto, vá vá dizendo.
  • Givanildo: Mas o que foi que aconteceu? Você tomou uma, começou a perturbar lá. Dizendo que você é o terror de Murici.
  • Caninha: Ap-apesar de de eu eu morá no Murici, eu num sô daqui, nem vim pa ficá. A gente somo de Maceió e a rente tomo indo pa lá. Só que o povo quer tirá onda ca minha cara. Aí tá pensano que eu sou o que? A fazenda é minha, a fazenda Potolândia, lá só entra quem eu quero, e trabalha lá quem eu quero, eu sou fi do Guega (um milionário de Caruaru) ele teve eu com a minha mãe, morou 30 ano com ela, eu sou fi dele por parte de pai. Tá entendenu?
  • Givanildo: Mas rapaz, porque tu num deixa essa cachaça?
  • Caninha: Ói, veja bem, apesar que eu eu estive com o delegado de Caruaru que é trabalha aqui em Blérra Maideusi. Apesar, veja bem, apesar que meu nome é Caninha e eu não podia, e-eu num poderia nem cheirar álcu. (pausa) E-eu tenho processo...
  • Givanildo: Processo di que?
  • Caninha: Tenho processo assim di, vamo dizer assim. Processo: matá!
  • Givanildo: Já matasse foi?
  • Caninha: Ein?
  • Givanildo: Tu já matou alguém?
  • Caninha: Eu rá teim 2 crime.
  • Givanildo: Aondi?
  • Caninha: Ein?
  • Givanildo: Aqui em Caruaru?
  • Caninha: Não, no Posto Agamenon.
  • Givanildo: Matasse quem?
  • Caninha: Eu...eu não poderia dizê o nome. Tô certcho?
  • Givanildo: Tá certcho.
  • Caninha: É, porque aí eu vô divulgá si eu quero.
  • Givanildo: Agora, você fez questão de falar aqui no programa Sem Meias Palavras, num foi?
  • Caninha: Não, apesar deu deu... deu ser... eu já fui também um jornalista do Linha Direta.
  • Givanildo: Já né? Heheheheh!
  • Caninha: Huh? Ein? Não, sério mermo. Conheceu Tim Lópi? U que foi fuzilado pelos bandido? Aquele era meu cunhado.
  • Givanildo: Teu cunhado, né?
  • Caninha: Era, agora...
  • Givanildo: Tu é casado com a irmã dele?
  • Caninha: Éra, não, eu sou casado com a irmã dele. Aquele programa num é do Ri de Janeiro?
  • Givanildo: É
  • Caninha: Pronto, aí eu sou de lá.
  • Givanildo: Tu bebesse o que hoje? O que foi que tu bebesse?
  • Caninha: Óia, eu bebi dois li di uísqui, um li di Drea, uma grá di cerveja e 6 li de cana.
  • Givanildo: Vixe maria!
  • Caninha: Agora cana, sô, num é cana limpa não, cumpadi.
  • Givanildo: I é u que?
  • Caninha: É ca, é cana com limão, aí fai caipinha, com açúcar
  • Givanildo: Comesse alguma coisa? Um tira-gosto?
  • Caninha: O que? O tira, o tira-gosto que eu tô comenu é esse
  • Givanildo: Ah, isso é uma bala, né?
  • Caninha: Não, isso é uma Frigelis di melão, a minha preferida. (pausa) Aí, tu é casado? Tú é casado?
  • Givanildo: Sou casado.
  • Caninha: Vixe como tu é bonito.
  • Givanildo: Ma rapaiz, faça isso não. Você se acha bonito, não?
  • Caninha: Eu?
  • Givanildo: Sim.
  • Caninha: Ééé...em toda minha infânça eu sempre fui um popstar, modelo, capa de revista
  • Givanildo: Ééé, o cara tá aí...

(pausa)

  • Caninha: Vou cantar aquela ééé, "Mano, só pai nói dois"
  • Givanildo: Agora lascou. Agora arrumei visse!
  • Caninha: Seeeeeee alguém li preguntá porque volteeeeeei, aí eu quero te dizer... (pausa), se um diiiiiia puder eu quero estaaaaaar, mas eu hoje não posso te beijaaaaaar, mas num é tu não, é a música.

Parte 2[editar]

  • Givanildo: Você lembra de Ivanildo Holanda? Lá do Sítio Murici? O Caninha, como é conhecido? Ó ele aqui. Tá rindo...
  • Caninha: Com certeza.
  • Givanildo: Apesar.
  • Caninha: Apesar de...
  • Givanildo: Ele era o hómi du apesar, tudo que a gente perguntava pra ele ele dizia apesar. Caiu novamente na delegacia, você lembra naquele dia que ele tava perturbando lá no Murici, é o terror do Murici, o Caninha. Olha com o que ele caiu, ói... Um revolver! Que gota é isso? De plástico, aqui ó! Num vale nada! Num vale nada! Ia assaltar com isso aqui?
  • Caninha: Não, veja bem...
  • Givanilo: Apesar de.
  • Caninha: Apesar que eu tava no Posto Agamenon, aí um caminhoneiro pérgunta nonde é o Posto São Marco, aí eu digo não eu tô indo pa lá cê pode me dá uma carona aí a gente vai. Aí cheguei lá, na calça tava essa arma, arma de brinquedo.
  • Givanildo: De quem é essa arma?
  • Caninha: É do meu irmão, que tem 6 ano, ele botô e eu num sabia, eu vesti a calça, eu num era adivinhão. E ele botou um canivete de eu tirá baiba também. Tá entenu?
  • Givanildo: Ele tava com um canivete! De tirar "baiba"! E isso aqui, ó? E tu não sentisse não foi?
  • Caninha: Senti nada. Na hora que eu peguei a ceveja e fui pegar o dinheiro, ai aaaaa Rocam já, eu cunversanu mai um amigo meu, que eu conheço ele de muito tempo éééé Silvo, ai ele chegou conversou comigo aí a Rocam disse ele tá armado, ai pegou e disse mão pra cima. Ai eu botei mão pra cima. Sim, e falar tombém esse negócio aí desses caitão aí...
  • Givanildo: Sim rapaz, é verdade, você tava com o cartão aí de de... São 3 cartões né?
  • Caninha: Veja bem, eu achei....
  • Givanildo: Aí disse que você assaltou.
  • Caninha: Ai isso é tudo menti..., que eu tenho prova. Eu achei os caitão na feira da sulanca, déi é 11 hora da noite quando eu ia passando mai meu cunhado que trabalha lá, aí eu achei, peguei e levei pra casa. Fui purqui... Se eu fosse pa, quideusulive, pa assalta...
  • Givanildo: Como é que faz um assalto? Como é que faz um assalto?
  • Caninha: Não, veja bem...
  • Givanildo: Como é que faz um assalto?
  • Caninha: Puque se um dia eu fosse assaltá eu pegaria uma metralhadora ou um fuzil.
  • Givanildo: Fez de conta que tu vai me assaltar. Fez de conta que tu vai me assaltar. Como é o assalto? Como é que a pessoa faz? Mais ou menos. Ele vai simular um assalto, eu vou passando tal...como é?

fast motion

  • Givanildo: Opa! Como é que faz, diga?
  • Caninha: Ou dá a grana ou morre.
  • Givanildo: Como é?
  • Caninha: Ou dá a grana ou morre.
  • Givanildo: Vou passar. Como é ai?
  • Caninha: Não, ai... não sou eu, mai os bandido hoje tão robano inda tão matano.
  • Givanildo: É, mais tu num fizesse isso naum, num foi? Apoi me dê o revólver, pra vc num ficar com ele, nunca roubou uma galinha...

Parte 3[editar]

  • Givanildo: Pela terceira vez consecutiva cai aqui na delegacia regional Ivanildo Holanda, ele tem 24 anos , inclusive é o Caninha como é conhecido. Rapaiz dinovo ?
  • Caninha: Mais uma veiz ...
  • Givanildo: E agora ?
  • Caninha: É, agora veja bem Ivanildo é, é um pobrema difícil mai num é, por que o cara dí qui ele que ta la dentro dí que assaltô dí que é cabo.
  • Givanildo: É veja só, tem um rapaz que foi detido com você, inclusive ele é doente né , mais você...
  • Caninha: É mais eu não conhecia o cara eu não sabia que ele era doido. Ele disse "Eu so da polícia se você não dá nele quem vai espancá é tú", ai eu ia fazê o que ?
  • Givanildo: Mas espancasse esse coitado aqui rapaiz, sem mais nem menos !
  • Caninha: Eu? mais quem deu nele foi ele, eu não dei nele não, nem nele nem no garoto não, pode o garoto ta ai de prova se eu dei nele.
  • Givanildo: Mas nesse aqui você deu !
  • Caninha: Não eu só fui pegá as latinha dele e botá no oto canto, ai o otro chegó chutano ele assim e jogando no ônibus.
  • Givanildo: Por que você fez isso ?
  • Caninha: Hein ?
  • Givanildo: Por que você fez isso ?
  • Caninha: Por que como assim ?
  • Givanildo: Por que você fez isso ?
  • Caninha: Veja bem Ivanildo, é, as veze tem coisa na vida qui... tudo na vida pod.. é uma passagem, ai se você chega pra mim e eu nem te conheço a primeira veiz e você di eu sô um cabo da polícia aquele cara robô vamo bate nele ? Eu tô confiano em você eu sei lá quem você é se é doido se é loco ? Ai depoi dí que o caba tem treiz atestado.
  • Givanildo: Pois é aqui a vítima, tá aqui, como é teu nome ?
  • Jairo Barros Ramos: Jairo Barros Ramos ...
  • Givanildo: Metero o cacete em tu foi ? Tava no centro ?
  • Jairo Barros Ramos: Tava no centro da cidade perto da banca , vizinho ao hotel sanitario , tava la bem a vontade durmindo descansando porque eu tinha acabado de alisar a gatinha logo cedo , ai ela ta....ai eu ta , tava circulando pela rua ai eu digo vou ficar por aqui msm , deitado aqui mesmo. Ai ja me acordei com estas duas criaturas , dizendo que era cabo da policia que era proibido dormir ali, ai começaram a me espancar sem precisão
  • Givanildo: Ta todo roxo né ? Todo espancado, ta aqui as pernas né a barriga?
  • Jairo Barros Ramos: O braço tu tu tuduiiido. O corpo todinho , as bases da costela do peito , que dói mais ainda que é perto da gracitude....que eu tenho problema de saude.
  • Givanildo: Muito bem, neste exato momento o SAMU está chegando pra conduzir o rapaz até o hospital, delegado como é que fica a situação dessas duas criaturas ?
  • Delegado: Bem a situação do elemento Caninha né como é apelidado, reamente vai ser o TCO inferente ao estrago que foi feito né, e a situação da vítima será encaminhado ao hospital e será depois feito o exame de corpo de delito e tudo na formalidade legal e encaminhado ao poder judiciário.
  • Givanildo: Tem a informação que o outro é doente mental ?
  • Delegado: Existe essa informação e nós ja estamos aguardando a chegada da família com os respectivos laudos, e ai agente vai proceder da mesma forma conforme a determinação legal.
  • Givanildo: Muito bem, Caninha e agora? Mais um processo né ?
  • Caninha: Mais um... mais nóis ja temo dois né ?
  • Givanildo: Nóis não, tu né?
  • Caninha: Nóis assim eu digo como nóis né... eu !
  • Givanildo: Primeiro perturbando né ? o terror de Muricí. Segundo com uma arma, querendo assalta um caminhoneiro do posto H Menor e agora dando uma de polícia, espancou um rapaiz ... é brincadeira ! É com você Adeilson.

Parte 4[editar]

  • Givanildo: Pela 4ª vez Ivanildo Holanda dos Santos, 25 anos, o Caninha... Olha a cara do Caninha. Rindo! Mais uma vez...Preso na delegacia, pela polícia militar... José Manuel da Silva é o padrasto do Caninha, tem 47 anos, foi ele quem acionou a polícia, ele estava no Parque 18 de Maio, o Caninha tava querendo matar o padrasto, disse que ia dar uma "facãozada" nele. Já pensou? Mas Caninha rapaz, porque você queria matar o seu padrasto?
  • Caninha: Éééééé...Adeílson Silveira, eu sou quem Fernandinho Beira-Mar, eu digo tem um juiz rindo na maior frieza, na maior cara de pau... Éééééé, SE eu fosse matá ele eu num mataria de facão não, eu mataria de fuzil e metralhadora.
  • Givanildo: Mas por que você queria matar ele? Diga!
  • Caninha: Você sabe que arma é aquela? Eu tenho dela em casa.
  • Givanildo: Não eu tô perguntando por que você queria matar seu padrasto.
  • Caninha: É puque ele tira sangue do menino de 13 ano, dum de 14 e na moça que é de 20 ano ele já cortou ela com uma culé de pedero. Isso é certo?
  • Givanildo: Que moça?
  • Caninha: Ah, que tava plesente com ele.
  • Givanildo: Diz uma coisa, depois passa pra outra...
  • Caninha: Aí você vai peguntá o que eu vô explicá.
  • Givanildo: Agora me diga uma coisa, bebesse o que dessa vez? Cortasse o cabelo...
  • Caninha: Ééééé 2 litro de cana e 5 cerveja só...
  • Givanildo: Só!?
  • Caninha: 2 bisteca de "poico", uma frigelis de melão e uma da ve... da preta. Veja bem, eu nunca posso dizê que daquela água eu num beberei, puque um dia eu beberei, né. Mas isso é um algo e é um motivo, num é pu eu...
  • Givanildo: Vai terminando, complicando, pegar um flagrante aí... Tu só vai se aquietar no dia que tu pro presídio, né?
  • Caninha: Não, veja bem, se eu fosse prum presídio hoje eu sentiria um omi muito feliz.
  • Givanildo: Por que?
  • Caninha: Mas se eu fosse prum "sumitério" aí seria pior.
  • Givanildo: Você cumpre pena alternativa lá no quartel, né?
  • Caninha: É, veja bem, eu recebo ordi dum juiz de direito que é uma grande otoridade e eu tenho 3 TCO. Eu estive presente agora que a mentira, é num vai...
  • Givanildo: Ah! Você mentiu, né?
  • Caninha: Eu menti, tá entendenu? ... Puque eu cheguei pu 4º batalhão, falei cum capitão disse que meu ti tinha morrido, que era Breja Madi Deus e tal...
  • Givanildo: E num morreu.
  • Caninha: Ele acreditou, botou a falta e eu pfuiz, mas ... a mentira é um grande erro, com a verdade a gente chega em qualquer lugar...
  • Givanildo: Tá arrependido? Não.
  • Caninha: Ééééé Ivanildo Silveira, se eu dizer a você eu faço que nem Fernandinho Beira-Mar, eu poderia dizê rinu a um jui a um coronel podia me matá, mas tudo que eu faço é pu amô, é intenção ao meu pai, mas nada que eu fi inté hoje foi arrependido não, foi tudo pu amô.
  • Givanildo:Sargento Araújo, mais uma vez o Caninha né? Quer dize...queria bater no padastro é isso?
  • Sargento Araújo: Pusitivo,ali próximo a feira de massa e verdura, fomo solicitado pelo seu Manoel, alegando que o mesmo tava tentando matá e isculhambando...pra nun evitá...para evitá um mal maior, fizemo a condução do mesmo, detivemos e prendemos e conduzimos a DP local, pusitivo?
  • Givanildo: Muito bem, ele vai fica a disposição do delegado Sergio Ricardo. Mais uma vez Caninha foi engaiolado. Prosegue o programa Sem Meias Palavras.
  • Caninha (bem baixinho): É com você Adeilson

As prisões de Caninha[editar]

Caninha no Sitio do Murici - outubro de 2007

Ver também[editar]