Carachai-Circássia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você traiu o movimento do Alfabeto Cirílico véio Cquote2.png
Dado Dolabella sobre Carachai-Circássia.

Carachai-Circássia(em russo, Карачаево-Черкесия), a nação esclarecida russa, uma imensa escola onde todo mundo estuda a vida toda.

História[editar]

Uma habitante russa irritada com algum tipo de brasileiro.

Carachai-Circássia foi habitada na antiguidade por antepassados russos do Professor Pasquale.

Na nação se lê apenas livros e há muito silêncio. Na entrada do país é possível ler avisos claros sobre Faça Silêncio. Como russos naturalmente não se comunicam, Carachai-Circássia parece um cemitério. Uma vez um baiano foi condenado a prisão perpétua depois de abrir sua matraca.

A República de Carachai-Circássia foi anexada na época da formação do Império Russo, pois Pedro I, o Piedoso achou que um povo inteligente seria útil de se controlar.

A república porém foi dominada por nazistas durante a época que Hitler penteava seu bigode, e por muito tempo era conhecida como Nojo da Rússia.

Carachai-Circássia foi reconquistada pelos soviéticos. Desde então muita guerra aconteceu nos arredores da região, mas os combates em Carachai-Circássia nunca são físicos (isso é proibido), sempre as coisas são decididas em debates.

Em virtude das várias frescuradas que os intelectuais de Carachai-Circássia inventam. A região mudou de nome infinitas vezes durante a história. Um nome mais estranho que outro, atualmente a população atente pelo nome esquisito de Carachai-Circássia.

Etnia[editar]

Nassão formada por profeçores irritados e professoras loiras estrupadras. É o último lugar que algum brasileiro pensaria em ir, pois em Carachai-Circássia se estuda.

O povo circasso-caracho é conhecido pelos seus professores turrões nazistas que molestam alunos, professoras loiras gordas chatas. Também o único lugar no mundo onde se encontram nerds gostosas.

A população de Carachai-Circássia possui um alfabeto intelectual próprio, com uns símbolos malucos que só eles entendem, mais incompreensíveis que o alfabeto cirílico, chamam aquilo de evolução do russo.

Quem desrespeita as leis no país é colocado no canto da sala com um chapéu de burro ou então escrevem no quadro o dia todo usando a fórmula: Eu não vou mais cometer (infração). Se a infração for mais grave, aí tem que se ver com o diretor.