Carla Zambelli

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
KimPlayboy.jpg Carla Zambelli é uma ruiva!

E isso é o bastante pra você achá-la gostosa.

Clique aqui para conhecer outras deusas do fogo.

Carla Zambeta é uma deputada (com destaque para as letras do meio) federal pelo Partido Só Loucos e um dos principais nomes da base governista de Jair Bolsonaro (mas apenas no nome, já que seu trabalho na prática se resume a causar nas redes sociais).

Biografia[editar]

Zambelli nasceu em 1980, em Ribeirão Preto, estado de São Paulo. Durante os trinta primeiros anos da vida, não fez absolutamente nada, apesar de haverem suspeitas de que ela passou umas temporadas na Espanha como garota de programa. Ao voltar para o Brasil, em meados de 2010, engravidou e conheceu Sara Winter, que a fez entrar no movimento Femen, apesar de Zambelli recusar a admitir participação em qualquer movimento feminista. Zambelli e Winter passaram um longo tempo brigadas por causa deste incidente, o que só seria resolvido quando a primeira convenceu a segunda a ser bolsominion feroz.

Após seus 15 minutos de fama mostrando os peitos flácidos nas manifestações, Zambeta começou a querer mais desta fama, e criou o movimento Nas Ruas, tendo este nome graças ao seu ambiente de trabalho quando trabalhava no exterior. Sua fama foi crescendo, até que em 2018, se candidatou a deputada federal pelo estado de São Paulo, sendo uma das mais votadas do país.

Em Brasília[editar]

Em Brasília, a sua linha de atuação na Câmara dos Deputados supostamente é de combate à corrupção, mas, como o presidente disse que acabou a corrupção no país, sua função atual é apenas fazer número e bater ponto na assembleia, isso quando não utiliza seus privilégios como congressista para atividades de interesse crítico ao povo brasileiro, como viajar para a China (mas espera, os chineses não são comunistas opressores malvadões comedores de criancinhas?) para ver as últimas novidades na área de monitoramento e supressão da população, ou matricular seu filho em um colégio militar sem que ele precise prestar nenhum tipo de concurso para obter a vaga, ou supostamente se oferecer ao presidente para que Sérgio Moro saísse do Ministério da Justiça para o STF, ou dar spoilers de operações policiais contra políticos eleitos na onda bolsonarista que largaram o Mito, ou espalhar boatos de caixões sendo enterrados vazios no Ceará, além de divulgar a cloroquina como um produto mágico que curaria não só a COVID, mas todas as outras doenças do mundo, dizendo que tal remédio a curou do coronavírus que, assim como escrúpulos, ela nunca teve.

Carla provando que não sabe usar o Facebook

Orientação política[editar]

Zambeta se declara "monarquista, liberal na economia e conservadora nos costumes", defendendo basicamente uma versão moderna de um estado absolutista do século XVI, mas com as políticas econômicas do Chile na década de 1970 e sociais da Alemanha durante a década de 30.

Rivalidades[editar]

Carla Zambelli tem várias rivalidades em Brasília, não só na oposição como dentro do governo no qual faz parte. As mais célebres incluem:

  • Jean Wyllys: Rivalidade que começou durante as eleições de 2018, quando Zambelli o acusou de ser pedófilo. Foi condenada a pagar 40 mil reais de danos morais, o que (não) foi feito através de financiamento coletivo, já que seu primeiro salário foi gasto com futilidades antes mesmo de cair na conta.
  • Joice Hasselmann, outrora sua principal rival pela atenção do presidente da república, em uma treta que envolveu acusações de aborto, prostituição e xingamentos no Twitter. Hoje Joice se afastou da ala mais radical do governo para disputar (e fracassar miseravelmente) a prefeitura de São Paulo.