Carlos Queiroz

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Cosmo.jpg "Que burro! Dá zero pra ele!"

Este artigo é sobre algo ou alguém burro ou completamente imbecil.

A Desciclopédia está se pouco lixando se a burrice dele(a) contaminar você.
Carlos Queiroz
Nacionalidade Bandeira de Portugal Portugal
Altura Wikipédia não especifica, vou especificar aqui?
Peso 78 quilos
Clubes Como técnico: (caminhão de times que não importa agora), técnico tampão-reserva do Manchester United, Real Madrid (Real Madrid?), Manchester United (voltou, como tampão de novo), Seleção Portuguesa.
Estilo de Jogo Brigado
Gols Cagados



Cquote1.png Você quis dizer: José Mourinho genérico Cquote2.png
Google sobre Carlos Queiroz
Cquote1.png Experimente também: Treinador tampão Cquote2.png
Sugestão do Google para Carlos Queiroz
Cquote1.png Esse cara aí comandou Portugal na Copa de 2010, ele é o cara! Cquote2.png
Qualquer um sobre Carlos Queiroz antes de Portugal ser eliminada nas oitavas de final
Cquote1.png Filho da puta! Cquote2.png
Deco sobre Carlos Queiroz ter o deixado no banco durante a copa

Carlos Queiroz é um técnico amador português que nunca ficará desempregado em sua vida, uma vez que quando isso acontece ele volta correndo ào Manchester United implorando pelo cardo de treinador adjunto, um cargo importante e necessário, ainda mais para os padrões do United. O status que Queiroz ganha trabalhando no United também o faz se sentir atraído pelo trabalho.

História de vida[editar]

Carlos Queiroz nasceu ainda bebê em Portugal Moçambique, ou, África Oriental Portuguesa, para os alienados da Terrinha que ainda acham que Moçambique é território português. Lá, logo se atraiu pelo futebol, visto que ele convivia numa vala área onde o futebol de rua era lei de ser praticado. Não demorou muito para se prostituir alinhar à esqurada júnior do time de sua cidade, Apôla Nampula, cujo nome era...Nampula. Mas teve alguns problemas, principalmente por um déficit de atenção futebolística que o deixava de canto no jogo. Chegou a descobrir que tinha até potencial para ir ao atletismo (mesmo sendo de Moçambique e não do Quênia), uma vez que correr ele corria, e muito bem. Ainda mais longe da bola.

Para não ser mais sacaneado por correr pra caralho pra nada, foi virar goleiro (todo cara ruim de bola vai pro gol). Lá mostrou o quanto ele é capaz de resistir à tudo: boladas na cara, no estômago, no saco (não, isso era cueca de couro reforçada mesmo), e, a torcida o enchendo o saco. Além de sobreviver à belas bicadas de frango. Essa resistência toda o faria refletir mais pra frente, mas, antes disso, ele recebeu o conselho de seu pai:

Cquote1.png Vai estudar seu babaca! Você é uma merda jogando bola! Nem meus chutes você consegue agarrar! Cquote2.png

Após esse grande incentivo para seguir jogando bola, Carlos decidiu entrar na faculdade e fazer Engenharia Mecânica (ele é malandro, queria aplicar a matemática e física na manutenção e operação de sistemas mecânicos, ou seja, estava estudando para tentar ser técnico da Laranja Mecânica no futuro). Após isso, viu que se ficasse em Moçambique o máximo que conseguiria seria treinar o time de peladeiros da área (já é um avanço, melhor que treinar alguns times aqui do Brasil), e decidiu embarcar pra Portugal, visto que até os três times grandes de lá decidem serloucos apostar em novidades.

Cquote1.png A pessoa que está no meio dos meus dedos é uma pessoa muito inteligente e sagaz. Cquote2.png
Carlos contando uma mentira.

Após alguns anos agarrando tudo e mais um pouco em times de expressão tão grande quanto a mídia em cima do Paysandu atualmente, logo ele arrumou uma gambiarra pra assumir um time qualquer. Um timeco chamado Estoril-Praia, em 1984, time conhecido por ser um time que vive em estado de coma na Segunda divisão portuguesa (quando aparece na primeira nada mais é do que um tourpra ver se está tudo bem com os demais times, como tudo sempre está bem, o time volta pra segundona). E isso sendo adjunto, provavelmente querendo pegar a experiência de como reagir ao ser rebaixado seguidas vezes e mesmo assim não sofrer pressão da torcida (hmm, não deve ter ajudado muito então, desde quando um time desse tem torcedores?).

Depois disso ficou um bom tempo vagabundeando na terrinha, até o instante em que a Seleção sub-20 portuguesa precisava de uma Super Nanny pessoa capacitada para lidar com os jovens (o Arsène Wenger não sabia falar português, se soubesse, seria ele o escolhido), ou, pelo menos uma pessoa que suportasse eles com aqueles moicanos e penteados que os fazem parecer cacatuas. Então, em 1987 o coitado decidiu dar um up (ou um down) em sua carreira e topou o convite da Federação Portuguesa.

Conseguiu dois mundiais sub-20, o suficiente para alguns portugueses mais exaltados (provavelmente bêbados) exclamarem que aquela geração era foda e que Carlos era o novo garimpeiro de talentos, provavelmente um futuro técnico de talento sem-igual. Isso logo convenceu um dos grandes de Portugal, vide, o conhecido por jogar num estádio que parece um vaso sanitário. Chegou em 1994 e saiu em 1995, onde a falta de títulos o fez ser dispensado. Mas, se fosse assim, o Sporting ia trocar de técnico todo ano...Bom, Carlos alegou que o cheiro desagradável vindo das arquibancadas do WC estádio dificultava-o a manter a concentração e atenção no jogo. Nada além de uma desculpa bem bolada para justificar um fracasso, se bem que trabalhar num ambiente fedorento deve ser complicado mesmo. Vai ver por isso garis tem que ter ao menos ensino médio completo, para ter noção de que aquilo não é fedor normal, mas sim nada além de algo entrando em decomposição, sem problemas!

Cquote1.png Entenda Cris, você tem que ser bonito e estiloso igual eu faço, para distrair os adversários com seu charme e assim jogar tranquilamente... Cquote2.png

Bom, voltando ao assunto, após ser demitido do Sporting ele foi contratado pelo MetroStars, um time dos Estados Unidos comporto por metrossexuais, percebe-se claramente pelo nome. Por ser lindo, tesão, bonito e gostosão acabou rapidamente contratado, para ver se com um técnico português, facilitava a contratação do grande sonho do time: contar com Cristiano Ronaldo, que, mesmo sendo jovem e desconhecido na época já era conhecido por lá como viado metrosexual. Como não deu certo, alguns meses depois ele sumiu dos Estados Unidos e apareceu no Japão, como novo técnico do Nagoya Grampus Eight (hey, o Arsène Wenger que também trabalha com jovens já passou por lá...seria um reduto de pedofilia?). O objetivo principal era tecnicamente....ser melhor que Arsene, que não fez porra nenhuma nesse timeco.

Enquanto se divertia brincando de ser técnico num time japonês, no modo hard, preparava uma sobrevida para dar um novo up em sua carreira de técnico: elaborar um projeto para desenvolver o futebol nos EUA. O objetivo era fazer com que o mundo se adaptasse às decisões dos EUA no futebol, assim como o mundo inteiro já faz na parte econômica. Ou seja, os gols seriam no alto, de cabeça pra baixo apoiados num mastro, onde o goleiro deveria se equilibrar fielmente. As mãos poderiam ser utilizadas, além de tacos substituirem os chutes. Os gramados virariam gelo (ah, essa última é moleza pra Rússia). Mas o projeto não evoluiu muito porque mesmo assim os americanos eram uma merda, o problema maior foi que ninguém normal no mundo tentaria jogar bola assim. Não só o projeto não deu certo, como foi demitido também no FIFA Nagoya Grampus.

Carlos Queiroz, tentando aprender algo com Ferguson. A lição de hoje foi apender a usar um paletó ao invés da ridícula jaqueta, nem um pouco ligada à moda inglesa

Após isso o jeito foi fazer com que ainda acreditassem que ele entendia de futebol, ao menos até ele conseguir um milagre e voltar a fazer sucesso. Nada melhor então do que fazer isso com quem não entende de futebol, ou seja, sheiks doidos e que cagam dinheiro e que como não tem mais espaço em seus cofres, ou enfiam no cu ou inventam um modo supérfluo de gastar. Foi nisso que o sheik responsável pela seleção dos Emirados Árabes estava pensando quando o contratou.

Ficou um ano ganhando dinheiro competindo apenas amitosos e organizando treinos cujo foco era o rachão. Depois disso o sheik cansou dessa mmerda e decidiu gastar o dinheiro em outra coisa mais interessante (eu faria a mesma coisa). O jeito foi tentar esperar algum outro projeto interessante, e, este foi treinar a África do Sul (vem cá, isso é interessante?). Bom, por lá também não conseguiu nada, além de ser assaltado algumas vezes em Joanesburgo e recvebar cumprimentos de Nelson Mandela (o que na África vale tanto quanto ouro, quando ele foi dispensado ele passou na casa de câmbio e os trocou pro dinheiro, ficando ainda mais rico). Ele saiu deixando a África do Sul classificada para a nova competição pra coleção de fracassos da Bafana Bafana, a Copa do Mundo FIFA de 2002.

Depois disso, o Sir Alex Ferguson viu como Carlos Queiroz era simpático (?) e bonito e bem arrumado, como todo lord inglês deve ser. Logo se apaixonou sentiu admirado e pensou esse cara será meu capacho estagiário aqui!. Vendo o contra-cheque, Carlos topou, também pensando "-Esse caquético vai morrer e eu vou assumir seu lugar, será tudo meu, tudo meu, TUUUUUDO MEUUUU!! MWAHAHAHAHAHA!". Sempre vivendo à sombra de Ferguson, Queiroz conseguiu aparecer algumas vezes na TV inglesa, como um belo papagaio de pirata. Sempre tentando ficar do lado de Ferguson, para parecer que ele estava aconselhando o mesmo a fazer o que era certo. Não demorou muito para um idiota acreditar que esse cursinho de como ser técnico em um ano com Alex Ferguson dava certo: Queiroz ficou entre 2002 e 2003 no Manchester, e, cavou uma transferência pra comandar o Real Madrid, sim, o real, não era nenhum genérico.

No todo poderoso-mor time da Espanha, conseguiu fazer muita coisa, como intrigas, polêmicas, ser inimigo da torcida madritista, perder o pouco prestígio que tinha e subir alguns degraus na escada da humilhação por ser demitido sem ganhar porra nenhuma e voltar ao Manchester United com a sensacional desculpa que "-Queria aprender mais um pouco com Alex Ferguson", como se ele fosse fazer milagres.

Mas em 2008, Luiz Felipe Scolari decidiu largar a seleção portuguesa de mão, muito por que os cacetinhos oferecidos pelo Chelsea eram mais saborosos que os da padaria portuguesa que costumava frequentar. Ah, sim, teve o dinheiro também, mas, pô, os cacetinhos são mais importantes. Carentes de um treinador e sem muito tempo para organizar a cambada, a Federação Portuguesa lembra que Queiroz já havia trabalhado aguentando um time fraco, vencendo a desconfiança da torcida e fazendo com que a culpa de ter acontecido merda era dele, mas não de quem o contratava. Além de já ter trabalhado com metrosexuais, o que facilitaria-o perante ao rei do futebol português, o gênio que era viado metrosexual, Cristiano Ronaldo. Sim, aquele que usa Clear Men anti-caspa. Acabou contratado mais como técnico tampão, outra especialidade dele, mas, como ele conseguiu convencer com sua beleza os dirigentes portugueses, acabou ficando até a Copa do Mundo de 2010.

Conseguiu mesmo controlar Cristiano, mas não o Deco, talvez porque ele seja macho (ou não, seria inveja?) O mandando para o banco, já foi rachando o elenco aos poucos (pelo menos o batom de alguns jogadores ainda não havia sido rachado, o que fez com que o time seguisse jogando). Mas aí a infelicidade de Queiroz foi ter pego a Espanha nas oitavas, o que fez com que Portugal não sobrevivesse e fosse eliminado. Mas a derrota foi de um a zero, o que prova que Queiroz perde, mas em todos esses anos com Ferguson, perder jogando bem. Ou ao menos jogando mal mas com uma parede no lugar de um goleiro normal no gol...

Títulos[editar]

  • 1989 - Mundial Sub-20 de Futebol (Portugal)
  • 1989 - Europeu Sub-17 (Portugal)
  • 1991 - Mundial Sub-20 de Futebol (Portugal)
  • 1994-1995 - Vencedor Supertaça Portuguesa (Sporting)
  • 1994-1995 - Vencedor Taça de Portugal (Sporting)
  • 2003-2004 - Vencedor - Supertaça Espanhola (Real Madrid)