Carnaval de Curitiba

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Jamelão Mangueira.jpg

"QUEM VAI-VAI VER A MANGUEIRA ENTRAR?"
"Quem não gosta de samba, bom sujeito não é: ou é emo, ou funkeiro, ou paulista, ou mané!"

Este artigo é sobre Carnaval. Pode também ser sobre uma escola-torcida, mas se você não é do samba, não vandalize. Seja engraçado e não apenas idiota, ou Sólon Tadeu vai atrás de você!
Wikisplode.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Carnaval de Curitiba.
Olha só a animação do espectador curitibano no canaval da sua cidade...
O Rei Momo curitibano, como um dos símbolos de maior destaque do Carnaval de Curitiba, mostra toda a alegria do evento na terra das Araucárias...

Cquote1.png Você quis dizer: Vagabundagem. Cquote2.png
Google sobre Carnaval de Curitiba
Cquote1.png Você quis dizer: Música Ruim. Cquote2.png
Google sobre Carnaval de Curitiba
Cquote1.png Você quis dizer: Putaria. Cquote2.png
Google sobre Carnaval de Curitiba
Cquote1.png Você quis dizer: Desperdício de dinheiro público. Cquote2.png
Google sobre Carnaval de Curitiba
Cquote1.png Você quis dizer: Evento Deprimente. Cquote2.png
Google sobre Carnaval de Curitiba
Cquote1.png Você quis dizer: Carnaval de Zumbi. Cquote2.png
Google sobre Carnaval de Curitiba
Cquote1.png Eu tenho medo! Cquote2.png
Regina Duarte sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png É uma cilada, Bino! Cquote2.png
Pedro sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png Isso non ecsiste ! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png Curitiba tem o melhor carnaval do mundo Cquote2.png
Narrador do carnaval curitibano mentindo pra sí mesmo sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png Uma turminha pra lá de deprimente, se reúne para fazer uma festa medonha que até Deus duvida, em um clima de muito improviso, gambiarra e descontração! Cquote2.png
Narrador da Sessão da Tarde sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png É um evento muito lindo!!! Cquote2.png
Rafael Greca sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png VÁ A MERDA! VÁ A MERDA! PORRA!!! Cquote2.png
Alborguetti para os organizadores do Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png É tão lamentável este evento que não merece sequer uma página entre meus livros de boca-de-esgoto. Cquote2.png
Dalton Trevisan sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png É uma merda!!! Cquote2.png
qualquer curitibano com Q.I. Superior a 20 sobre Carnaval de Curitiba.
Cquote1.png É você quem financia esta merda! Cquote2.png
Capitão Nascimento sobre Carnaval de Curitiba.


Olha só o carisma e simpatia da mulata curitibana...
Mostrando que tem muita ginga e desenvoltura na Avenida...
Ousadia e contato com o público também é igualmente importante...
Flexibilidade é essencial...
Todas estas qualidades natas, fazem da passista e do carnaval curitibano um evento sem igual...

História do Carnaval de Curitiba[editar]

O Carnaval de Curitiba é um evento lastimável, conhecido nacionalmente (ou não) por sua mediocridade. A sua origem data das décadas de 1900 e guaraná com rolha, em que as moçoilas de família da cidade ao se cansarem de paquerar na janela, decidiram se reunir nos clubes para copiar as orgias e bacanais do tradicional Carnaval do Rio de Janeiro e Bahia.

Acadêmicos da Realeza apresentando seu carrinho-de-mão alegórico no desfile. O moinho é uma lembrancinha artesanal de Castrolândia, comprada na feirinha da cidade...
Esse é o melhor carro-alegório da última década no carnaval curitibano, elaborado no dia anterior pelos pirralhos que frequentam a lan hause da esquina...

Com o advento da putaria generalizada da liberdade de expressão e popularização do Carnaval, assim como acontece em todo o país, o carnaval curitibano ganhou as ruas, na qual as polacas da cidade tentaram miseravelmente propagar este evento em toda a cidade, convidando o povo curitibano a vagabundear brincar o carnaval no Centro da cidade.

Com exceção dos flanelinhas, carrinheiros, transformistas, entre outros desocupados, o carnaval curitibano foi algo que até os dias de hoje não pegou entre a população curitibana, que normalmente é fechada até mesmo para conhecer seus vizinhos, se mostrou pouco disposto a reproduzir hábitos primitivos com; homem que se veste de mulher, ou portar tanguinhas, tapa-sexo, entre outras bizarrices chamadas de “vestimentas”, com poucas exceções que se propõem ao ridículo espetáculo que é o carnaval curitibano, como a prefeitura que por meio da Fundação Cultural de Curitiba financiam esta merda, que tem serventia apenas para caixa 2.

O desfile é realizado anualmente na Avenida Cândido de Abreu, no bairro mais inútil do Paraná, que é o Centro Cívico, onde concentra a sede do governo do estado, da justiça e do legisltivo paranaense, ou seja, nada mais é do que um reduto de ladrões, bandidos, estelionatários, vagabundos, entre outros tipos de golpistas, onde concentra mais uma inutilidade brasileira que é o Carnaval, principalmente o curitibano que consegue ser o pior de todo o planeta.

O Carnaval de Curitiba atualmente[editar]

O Carnaval de Curitiba é uma festa contagiante, normalmente comemorado com um público médio de 50 pessoas. Especialistas dizem que é maior que a torcida do Paraná Clube, enchendo cinco Kombis, em comparação com o citado time que lota apenas uma. Esta quantidade de público é atribuída ao número total de habitantes presentes na cidade, uma vez que no feriadão existe um exôdo populacional para as praias de Santa Catarina, tornando a capital paranaense praticamente inabitável.

Na cidade existem umas cinco Escolas de Samba (nem o autor que é um curitiboca nato sabe ao certo, pois nem assiste esta merda), que se propõem a realizar os dsfiles com os trocadinhos de frentista que a prefeitura oferece para tal. Com esta verba minguada, as escolas dispõem de um extenso acervo pedagógico (semelhante ao das creches) para desenvolver fantasias e carros alegóricos, como; cola, tesourinha sem ponta, canetinhas, purpurina, caixas de papelão, cabos de vassoura, enfim, são recursos para montar brinquedinhos de sucatas, usados na elaboração dos vestuários para os desfiles. Isso quando os integrantes das escolas de samba não devem elaborar suas próprias fantasias, ao utilizarem-se da cortinas de casa e do banheiro para participarem do evento.

Todos os anos, as escolas apresentam diversos temas, a maioria deles se limitam a ações e características da terrinha, como homenagens a Gralha azul, ao Pinheiro, a Araucária, ao Pinhão, a história do Paraná ou de Curitiba, todo santo ano. Mostrando a originalidade dos carnavalescos que desenvolvem o tema, pois se uma escola neste ano falar da gralha azul, outra falará das araucárias, e vice-versa, revezando os temas. Quando alguma escola foge desse padrão, a coisa fica muito pior, como foi o caso de uma escola de samba Evangélica chamada Jesus Bom à Beça composta por fiéis da Igreja Universal, da Deus é Amor e de Testemunhas de Jeová que teve como tema do desfile "A União da Família", onde as passistas portavam longos vestidos até os pés, semelhantes às burcas das mulheres afegãs. Além das pregações da bíblia durante o desfile, com fiéis que gritam histéricamente no microfone o durante o desfile na tentativa de converter a galera mamada na cachaça...

Outro bloco com destaque é o composto pelo movimeto GLS, que consiste em uma réplica da Parada do Orgulho Gay assim como os blocos de torcidas que possui o mesmo objetivo de disseminação da pederastia, que é frequente nas Torcidas Organizadas.

O carnaval curitibano sequer é apreciado pelo prefeito, uma vez que os dementes que se propõem a assistir o circo dos horrores na noite do Centro Cívico não corresponderiam a uma margem de votos aceitável para merecer a sua exposição no fiasco que é o desfile curitibano, na qual o público do carnaval é mais desprezível que os desdentados da favela que se vendem por qualquer coisa...

A prefeitura de Curitiba anunciou a abertura de um convênio com o Grupo Tabajara e o Grupo Capivara para a elaboração dos próximos desfiles na cidade, uma vez que estas empresas idôneas são amplamente conhecidas pela qualidade dos seus produtos desenvolvidos para suprir a necessidade de qualquer gambiarra, como é o caso do carnaval de Curitiba.

O único público que se diverte de verdade são os garis que tem que trabalhar durante a madrugada para dar conta de limpar a imundície causada pelos bêbados que descartam lixo na rua, dos porcos que defecam nas calçadas por falta de banheiros no local, além dos dementes que dormem na via pública após encher a cara e dos arranjos das escolas de samba abandonados no local. Tudo isso forma um cenário de guerra na qual os pobres servidores públicos encarregdos pela limpeza tem que deixa o bairro em ordem, pois apenas a imundície da política é permitida nessa região...

Veja também[editar]

Carnaval3.jpg Ordem para os pobres, progresso para os ricos.

Aê, meu, este artigo é verde-amarelo, mano! Ele joga futebol, come feijoada, exporta diplomatas, puxa o saco dos EUA, paga imposto pra caralho e põe a culpa no governo pela ausência de Prêmio Nobel.