Caturaí

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Caturaí é uma afastada roça de Goiânia que ninguém conhece, ninguém se aproxima, ninguém sabe, ninguém viu. Conhecida através de lendas e mitos, acredita-se ser a longínqua cidade dos hobbits citada no épico de Homero O Senhor dos Anéis.

História[editar]

População indo trabalhar em Goiânia.

Fundada em 1940 por um bando de espíritas marginalizados que eram constantemente confundidos com macumebiros ou satanistas. Decidiram ir para o fim do mundo para desenvolver as suas práticas de curas milagrosas. Aquele punhado de casinhas inicialmente eram chamados de Santo Antônio de Pádua, padroeiro da cidade que nunca foi para lá.

A cidade enfrenta grande avanço entre 1941 e 1947 tendo sua população aumentada de 1 para 600 habitantes, que parecem terem sidos brotados da terra.

Caturaí é responsável pelo primeiro hospício do Centro-Oeste do Brasil, o que já simbolizava a grande quantidade de malucos doidos que andavam por lá. A cidade é anexada pelos Orcs em 1950 depois que o Uruguai venceu o Brasil no Maracanã e desencadeou revoluções e revoltas pelo país.

Separa-se do Reinado dos Orcs (Inhumas) em 1953 após um emocionante e épico campeonatinho de cuspe-a-distância vencido pelo povo de Caturaí que conquistou a sua independência. Como comemoração anualmente campeonatos municipais de cuspe-a-distância e dominó são disputados em Caturaí.

A cidade ficou famosa por servir de cenário de vários episódios de Ninja Jiraya e Jiban.

Atualmente o seu ilustre habitante Nerso da Capitinga tenta em vão chamar a Rosinha para o outro lado da cerca, uma metáfora do desejo dos habitantes de Caturaí pelas putas de Anápolis.

Economia[editar]

A economia da cidade é completamente baseada no comércio de armazéns e bazares que vendem produtos secos e molhados, tudo roubado em Goiânia e muambado de Trindade.

A Cidade tem um grande foco em sua pedreira, e quase tudo gira em torno desse negócio, lá encontra-se a principal montadora de veículos dos Flinstones, tudo em puro mármore. A cidade abriga também a principal produtora de pneus paleozoicos, a FireStones.

É também a principal exportadora de armas para tribos da África perdida, lanças e machadinhas de pura pedra lascada, além de principal fornecedora de pedrinhas que são encontradas nos feijões e arroz do país. Todos os moradores possuem pedras nos rins e na vesícula as quais doam para este mercado consumidor.

Política[editar]

A prefeitura da cidade é enorme, meu banheiro é pouco maior, mas já teve uma grande evolução pois sua reforma levou a baixo uma grande caverna da era paleozoica, pois suas galerias vulcânicas não eram suficientes para comportar tantos vereadores e com isto houve a necessidade de mudar o prédio, perdeu-se uma grande parte histórica da cidade que surgiu da grande atividade nas pedreiras que fornecia material para a grande evolução, a criação da roda.

Na verdade não se sabe qual o motivo de ter prefeito na cidade, já que para uma aldeia indígena é necessário somente um pajé, e isto em Caturaí tem uns 30.

Transportes[editar]

Lugar totalmente fora da rota de migração entre baianos, maranhenses e paraenses que estão invadindo o Estado de Goiás, você na verdade só passa por lá pra ir a Araçu que é o Fim desta rota, e que na verdade não economiza merda nenhumas já que é a mesma coisa.

Turismo[editar]

Nada de mais. Caturaí está apenas abrindo uma rede de hotelaria para os traficantes jurados de morte que fogem de Inhumas.