Chacrinha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rossi.jpg Este artigo trata de coisas muito bregas, bicho!

Se você acha que a moda é coisa só pra gente chique, esqueça isso aqui e tome seu rumo, mas se você é um mal-amado fã de Falcão, pegue a cadeira porque o bingo já começou.

Falcao.jpg
Death99.png
Chacrinha já morreu!

E te vigia lá de cima (ou lá de baixo)

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno


Placa80.svg

Este artigo discute coisas intrínsecas aos Anos 80's!
Provavelmente ele se refere a coisas daquela época, tais como Atari 2600, Balão Mágico e Plano Cruzado.

Chacrinha e uma de suas prostitutas Chacretes

Cquote1.png Você quis dizer: Bozo Cquote2.png
Google sobre Chacrinha
Cquote1.png Vamo receber... Cquote2.png
Chacrinha sobre os convidados que apareciam em seu programa
Cquote1.png Na União Soviética, o bacalhau quer VOCÊ!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Chacrinha
Cquote1.png Nunca antes nesse país se deu tanto bacalhau ao povo Cquote2.png
Presidente Chacrinha sobre História
Cquote1.png É bom para o Moral Cquote2.png
Rita Cadillac sobre Chacrinha
Cquote1.png Uh-Uh Cquote2.png
Terezinha sobre Chacrinha
Cquote1.png Você traiu o buffet de bacalhoada, véio Cquote2.png
Dado Dolabella sobre Chacrinha

DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...as chacretes, além de dançar, salgavam o bacalhau?

Chacrinha, ou Abelardo Barbosa, foi o maior economista, filósofo, comunicólogo e comerciante de secos e molhados do Brasil ao longo do século XX. Foi o maior divulgador do consumo de bacalhau e de seus benefícios para a saúde do povo. Seu apelido advém de suas propostas de reforma agrária para o país.

Trajetória acadêmica e política[editar]

Formou-se em Economia pela Faculdad de Economía de Asunción, Paraguay, retornando ao Rio de Janeiro, onde foi chamado por Getúlio Vargas para criar uma nova moeda para o país, o Bacalhau.

Chacrinha, o Abelardo Barbosa

Chacrinha chamou então seus melhores assistentes, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso e a poupançóloga Rita Cadillac, e juntos delinearam o que seria conhecido posteriormente como o Plano Real.

O toque genial do dito plano foi a introdução de uma enorme buzina na poupança do Estado, de modo que, toda vez que a gastança passava do ponto, Chacrinha tocava a sua enorme buzina na poupança do Presidente. Com o sucessivo incremento do déficit orçamentário, Getúlio, embora gaúcho, preferiu o suicídio.

"Quem quer bacalhaôô..."

O início[editar]

Chacrinha começou a trabalhar como gari, no Acre, e lá, lhe pagavam 1 tubituine por dia, o equivalente a 100 reais. Chacrinha depois se formou em maluquice na Universidade Federal do Acre (UFAC), e deu no que deu...

A carreira televisiva[editar]

Decepcionado com a política, Chacrinha dedicou-se à sua vida particular, casando-se com Terezinha Uh-Uh, jovem aborígene australiana, que ele conhecera num baile da Ilha Fiscal. Após a lua-de-mel, ficou claro para Terezinha que ele só queria saber do bacalhau das Casas da Banha e que ele não terminaria seu affair com o traseiro de Rita Cadillac.

O Presidente Chacrinha

Tudo se encaminhava para o divórcio, quando ela resolveu produzir um programa de TV em que Chacrinha pudesse popularizar suas teses econômicas, promovendo uma distribuição de renda lúdica e igualitária.

Com o lema "cinquenta ânus em cinco", Chacrinha e Rita Cadillac puderam dar novas diretrizes econômicas ao Brasil, sob a gestão previdente de Dona Terezinha.

Consagração popular e queda[editar]

Cansado da democracia, o povo resolveu fazer uma revolução e colocar o velho Abelardo no poder. Ele aceitou e chamou para compor o Senado seus principais auxiliares, sob a liderança de Pedro de Lara e uma belíssima jovem, a estrela russa Elke Maravilha. Essa última indicação foi um erro estratégico, pois aqueles tempos eram de Guerra Fria e logo a seleção russa de futebol invadia o Maracanã, sob o comando de Lênin para derrotar o Brasil na final da Copa de 50, pondo fim ao ciclo dos 50 ânus em 5.