Filme Trash

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Cinema Trash)
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Não se fazem mais filmes trash como antigamente Cquote2.png
Dario Argento sobre filmes trash
Cquote1.png Eu não sei fazer filmes trash, droga! Cquote2.png
Takashi Miike sobre não saber fazer filme trash
Cquote1.png Eu tentei mas fracassei Cquote2.png
Stanley Kubrick sobre filmes trash
Cquote1.png Chamar Arnold Schwarzenegrescobauerwolfgangschneidernegger para ser protagonista em um filme que custou mais de 100 milhões de dólares é altamente trash, né não? Cquote2.png
James Cameron sobre ele mesmo

Isso sim é trash!

Filmes trash são filmes de baixo orçamento, de coisas fantásticas, na maioria das vezes vinculados à comédia pastelão, mesmo que a base do filme seja terror e que a intenção do cineasta fosse a de criar algo realmente assustador. Não é necessário que o filme trash seja mesmo de baixo orçamento. Tem diretores experientes que conseguem fazer algo trash e incrivelmente malfeito com um orçamento bem gordo. Cinema trash é uma forma de arte visual, escrita, falada e regurgitada. É a inspiração para grandes criadores como Ed Wood, Tim Burton, James Cameron e David Cronenberg. O cinema trash é a inspiração de alguns escritores da Desciclopédia também.

História[editar]

Gravação de um dos primeiros filmes trashs da história

O cinema trash é algo mais antigo que o próprio cinema. Quando inventaram as primeiras câmeras filmadoras, os primeiros vídeos trash foram feitos. Como não existia o Youtube ou a Sessão da Tarde, os cineastas de quintal faziam sessões de matinê para mostrar o seu talento, na espera de um dia alguém inventar o cinema e contratá-los.

Primórdios[editar]

Pequenas pérolas foram feitas antes do ano 1900. No ano de 1823, época que nem existiam câmeras ainda, um artista, conhecido como François Bobaglion, teve a ideia de inventar o filme. Ele criou vários desenhos de uma história. Cada página era uma tomada. Mas este era um artista surrealista abstracionista modernista e acabou criando um stop-motion trash. Este protofilme falava sobre as experiências científicas de Louis Pasteur (seu amigo de infância) e a invenção do LSD. Apesar do roteiro ser altamente trash, o filme de Bobaglion acabou prevendo o futuro ao denotar que Louis Pasteur realmente seria um cientista e mexeria com fungos e sobre a invenção do LSD. A atuação de Pasteur foi vexaminosa, mas muito engraçada para a época.

Filmagem de Moscas Voadoras Malditas, ainda sem moscas

François Bobaglion não sabia mas, em 1888, um homem inglês famoso por inventar várias coisas, pegou a ideia emprestada e acabou criando o filme de terror trash. Albert Eggfield, o nome desse sujeito inglês, criou um filme através de filmagens (já existia a câmera nesta época, mas era movida por tração animal) de insetos. Eggfield usou efeitos especiais surpreendentes para aquela época afinal naquela época nem existia efeito especial e qualquer porcaria poderia surpreender. Através de moscas voando e um tomate, Eggfield criou o cenário para o primeiro filme trash filmado da história. Este raro filme, "Moscas Voadoras Malditas", foi leiloado no ano passado por 37 milhões de dólares.

Popularização[editar]

Xerife Pepino, de John Ford

Após a criação do cinema pelos Irmãos Lumière, o cinema trash pegou carona e também foi ganhando popularidade. Em 1900, um grande clássico de terror trash foi lançado. Através de um roteiro bem roteirizado pelo grande contador de histórias polaco Krstfr Mazurczczevczczc, o filme "Minha Mãe Virou uma Abóbora Assassina" atraiu toda a mídia. Foi um grande marco na história do cinema mundial.

A grande era do cinema trash foi durante as décadas de 1920, 1930 e 1940. O cinema trash aproveitou o embalo da era de ouro de Hollywood e começou a produzir filmes e mais filmes. Em 1939, uma média de 666 filmes trash eram criados por dia. Neste período, os filmes trash estavam em todos os estilos, desde os romances como o totalmente excelente "O Primeiro Amor de um Pato e uma Boia" e até os faroestes como "Xerife Pepino: Missão Dada é Missão Comprida como um Pepino Japonês" estrelado por John Wayne e dirigido por John Ford. John Ford ficou famosos por seus filmes trash e ganhou vários Oscar.

A partir daí vários atores e diretores ficaram famosos graças aos filmes trash. Bela Lugosi foi um grande astro de filmes clássicos do trash. Alguns tempos mais tarde ele seria um dos atores preferidos de Ed Wood, o melhor cineasta de todos os tempos. Outro ator que ficou com grande fama foi Boris Karloff que fez o papel de Frankenstein no cinema, filme este que recebeu 7 Oscars e meio.

Atenção de todas as camadas: De Ed Wood para Tobe Hooper[editar]

A partir dos anos 50, embarcado na maestria de Ed Wood e seu grande sucesso de crítica Glen ou Glenda, o cinema trash se viu em uma explosão de sucesso tão grande que até faltou léxico para o criador deste artigo. Crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos e pessoas que já morreram faziam filas gigantescas para prestigiar os filmes trash. Nunca na história deste planeta um gênero de cinema ficou tão popular quanto o gênero trash.

A Noiva do Monstro, divisor de águas no cinema trash

Depois do lançamento de A Noiva do Monstro, obra-prima universal do universo mas apenas o quarto melhor filme de Ed Wood e talvez o maior expoente do cinema trash, milhares de pessoas começaram a se interessar por esta arte. Diretores aclamados como Peter Jackson, Sam Raimi, James Cameron, George Romero e até Steven Spielberg iniciaram suas carreiras com filmes trashs, inspirados em Ed Wood. A fase dourada do cinema trash durou quase 40 anos e só teve fim com o lançamento de Massacre da Serra Elétrica II, de Tobe Hooper. Depois que Tobe lançou esta pérola, milhões de pessoas também se sentiram no direito de criar coisas ruins e o cinema trash viu um grande problema.

Do período entre Glen ou Glenda e Massacre da Serra Elétrica II, grandes filmes foram lançados. Do direitor de Titanic e Exterminador do Futuro James Cameron saiu Piranha II: Assassinas Voadoras. De Peter "Senhor dos Anéis" Jackson saiu o fantástico "Bad Taste" e o famigerado Fome Animal, filmes esten que causou enjoo em milhares de pessoas. De Steven "Final Feliz" Spielberg saiu a obra Tubarão, filme premiado. Diretores como George Romero e Dario Argento começaram a ganhar fama neste período. Foi uma época maravilhosa para o cinema trash.

Trash atual[editar]

Um filme trash é trash até na capa

Depois que Tobe Hooper teve a coragem e a infelicidade de lançar o Massacre da Serra Elétrica II, vários diretores brotaram da terra com filmes escalafobéticos. O próprio Tobe Hoopeu lançou bombas de hidrogênio maiores que o Massacre da Serra Elétrica II. Foi um período bom e ruim para o trash. O cinema trash de terror começou a usar elementos cômicos e pornográficos, em níveis atômicos. O filme "Eu sei o que minha mãe fez no sábado passado" que deveria ser de terror foi categorizado pelos "responsáveis em categorizar" como um filme erótico. O cinema trash não era mais aquele. Ed Wood se revirava no túmulo. Isto ocorreu em 1988.

Quando todos acharam que o cinema trash estava no fim, eis que surge Uwe Boll. Aí, todos que achavam que o cinema trash estava no fim começaram a ter certeza... Mas depois que Uwe Boll lançou a Casa do Morto, baseado no jogo House of the Dead (Aliás, baseado onde? Não percebi semelhança alguma nisso), todos que torceram o nariz viram nascer um novo mestre do terror. Agora o cinema trash estava de volta ao topo. Depois disso surgiram Eli Roth e o músico Rob Zombie. Hoje o cinema trash é responsável por 97% da pizza de filmes. Surgiram também as atrizes Paris Hilton e Lindsay Lohan, resgatando a pura essência do trash.

Trash no Brasil[editar]

Brasil é o país do trash, mas somente na televisão. Se Faustão, Luciana Gimenez e o SBT inteiro fizessem um filme juntos, Ed Wood perderia seu prêmio de melhor filme trash da história.

O homem mais trash do Brasil

No cinema trash, o Brasil tem um grande representante: Zé do Caixão. Zé do Caixão é roteirista, diretor, produtor, ator e figurinista de todos seus filmes. Ganhou fama e respeito nos Estados Unidos com o filme "Às 4 horas da tarde tirarei seu pinto fora". Graças a este sucesso, Zé do Caixão recebeu o apelido transliterado Coffin Joe.

Vale lembrar que esse mesmo Zé do Caixão apresentou um programa chamado Cine Trash na Bandeirantes, onde apresentava filmes de terror trash bem no horário da tarde, assustando várias criancinhas desavisadas.

Características[editar]

Até filmes de super-heróis podem ser trash. Só depende da habilidade do diretor

Um bom filme trash deve ter elementos sobrenaturais e prosopopeicos, como coisas que normalmente não são vivas (inanimadas ou falecidas) virarem monstros sanguinários. Se não tiver coisas inanimadas que em um surto psicótico do cineasta ficam vivas, é bom que o filme tenha elementos nojentos, por exemplo pessoas normais que começam a cair aos pedaços, pedaços normais que começam a se transformar em pessoas ou normais normais que começam a se transformar em pessoas e pedaços. Metamorfoses ambulantes e nojentas sempre fascinam.

Sempre é bom colocar mulheres gostosinhas nos filmes trash

Nudez! Isso é algo que os filmes trash atuais não podem esquecer. Por mais que o filme seja sobre a gelatina Royal, uns seios à mostra sempre são usados. Pornografia gratuita nos filmes trash contemporâneos são sempre bem-vindo. Normalmente, fãs de filmes trash também são pessoas solitárias que gostam de atividades manuais individuais. E os cineastas desses tipos de filmes também.

Orçamento pequeno é uma grande característica. Nem todo filme barato é trash e nem todo filme trash é barato, mas todo filme trash realmente trash deveria ser barato. Uma outra característica dos filmes trash - fantasias malfeitas e defeitos especiais - só fica legal se o orçamento é bem baixo.

Abusar da falta de realidade é algo que todos os filmes trash deveriam fazer. Quanto mais falso e inverossímil, mais legal o filme fica. Zumbis são legais mas já estão fora de moda porque The Walking Dead já raspou o resto do tacho. Fantasmas não são muito trash. Gelatinas vivas são legais. Gelatinas mortas-vivas são muito legais. Gelatinas mortas-vivas com serras elétricas são incrivelmente legais. Gelatinas mortas-vivas com serras elétricas e máscara de hóquei são LEGAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAIS.

Mulheres bonitas são de lei em filmes trash. As mocinhas devem ser mulheres jovens, bonitas e burrinhas. Isto faz o filme trash virar cult entre os nerds. Assassinos burros também não podem faltar em slashers trash. Quanto mais imbecil, mais bacana. Mutilação é algo que jamais pode faltar em filmes gore trash. Se tiver um assassino burro, melhor ainda. Se o assassino cortar um próprio membro devido à sua burrice, o diretor merece ser glorificado de pé e canonizado. Se o assassino burro que cortou o próprio membro for uma gelatina morta-viva com motosserra e máscara de hóquei, eu viro presidente do fã-clube e tiete do diretor.

A trilha sonora dos filmes trash normalmente são de Heavy Metal, Death Metal, New Metal ou Hardcore. Filmes trash clássicos recebem trilhas de orquestra. Uma coisa que você nunca verá é uma trilha sonora de filme trash ficar mais famosa que o filme trash. Outra coisa que você nunca irá ver é um filme trash colocar uma música emocore na trilha sonora.

Filmes clássicos[editar]

Bad Taste, de Peter Jackson, clássico supremo

O cinema trash proporcionou a criação de várias obras clássicas do cinema convencional. Muitos deles foram premiados, inclusive no Oscar que costuma não gostar muito deste gênero. Depois que Ed Wood lançou Glen ou Glenda, nunca mais um filme trash seria considerado ruim. Lógico que existem diretores que abusam e criam absurdos, mas estes são exceções.

Clássicos incríveis[editar]

Aqui serão citados os filmes que arrebentaram a boca do balão. Alguns deles são obras definitivas do trash e devem estar entre os filmes preferidos de críticos como Rubens Ewald Filho.

O Pudim Infernal[editar]

Storyboard do filme Pudim Infernal

Grande obra de Knut Svensson, o filme "Pudim Infernal" fala sobre um pudim vivo que come as pessoas. Uma vingança do pudim que não suportava mais seus irmãos serem comidos pelos seres humanos. Um roteiro maravilhoso escrito pelo primo de Knut, Erik Haraldsson. Ele teve essa ideia enquanto estava no banheiro fazendo o número 2.

O pudim que dá nome ao filme era um pudim comum de morango. Ele sofreu uma maldição e ganhou vida. Para o terror das pessoas, este pudim de morango não estava em um dia muito bom. Vingativo, o pudim começou a devorar as pessoas que comiam pudins. Para o filme, 300 quilos de pudim foram usados. Os efeitos especiais do filme estavam ótimos e a atuação do pudim de morango ficou brilhante.

O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça[editar]

Cena emocionante do filme "O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça"

Clássico dos clássicos. Um clássico com C maiúsculo. Clássico imortal e inesquecível. Lançado em 1920 e dirigido pelo grande F. W. Murnau, "O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça" teve a participação de Max Schreck no papel principal do filme. Baseado em uma história real, "O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça" é o filme que inspirou o cineasta David Lynch a criar o filme "O Incrível Homem que Nasceu sem Corpo", que rendeu uma indicação ao Oscar para Lynch.

O filme conta a história de Joseph Kritz, um homem que nasceu sem a cabeça. Quando foi parido, os médicos perceberam que estavam diante de algo mitológico. Kritz não possui crânio e nem pescoço. Não podia ver, não podia escutar, não podia pensar muito bem e quase não conseguia falar. Apesar de ser uma história dramática, "O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça" foi concebido como um filme trash, com um orçamento de 666 mil dólares. Nenhuma grande estrela do cinema foi contratada.

Imagem conceito do filme Dentadura

"O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça" foi o filme que transformou Max Schreck em um grande astro. Os efeitos especiais ainda assustam as pessoas. Quando Max Schreck entrara em cena atuando como Joseph Kritz, as pessoas em 1920 se assustaram tanto no cinema que o local até começou a feder. Demorou cerca de 2 semanas para limpar o cinema.

"O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça" recebeu vários prêmios. Após este filme, Murnau começou as filmagens de Nosferatu, outro clássico do cinema fantástico mas que não tinha muito apelo trash. "O Incrível Homem que Nasceu sem Cabeça" foi refilmado em 1963 por Alfred Hitchcock, em 1982 por Miloš Forman (Viciado em biografias) e em 1998 por Tim Burton.

Dentadura: Um grito de horror[editar]

Cena de abertura do filme "O Nariz"

Um filme relativamente barato e bem trabalhado. Os efeitos especiais são agradáveis e o roteiro é instigante. O filme conta a história de uma dentadura comum que foi atingida por um raio e ganhou vida. É um filme cult mas pouco conhecido. Apesar do roteiro ser bem feito, a direção de John Carpenter deixa a desejar em algumas partes, mesmo assim ele mantém o controle e consegue deixar o filme emocionante. A cena onde a dentadura viva morde uma jovem bonitona e gostosona peladinha até a morte é um primor.

O Nariz[editar]

Filme de David Cronenberg sobre um nariz."O Nariz" é um filme surreal e realmente assustador. Com um orçamento de meio milhão de dólares, David Cronenberg conseguiu fazer algo tão real que até lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor diretor.

Triste final de "A Morte da Batata"

No filme somos apresentados a Harrison Noseman, uma pessoa comum que teria sua vida modificada completamente. Harrison começou a sofrer algumas dores e reparou que seu nariz começava a sofrer algumas modificações. Apesar de assustado, Harrison não deu muita importância. Aos poucos seu nariz começava a adquirir dentes, cabelo e olhos. A mutação estava fora de controle e a mente de Harrison ficou afetada. O filme retrata a vida de uma pessoa que vê seu nariz se transformar em algo macabro e não pode fazer nada.

O filme recebeu uma indicação ao Oscar de melhores efeitos visuais, melhor direção, melhor direção de arte e melhor maquiagem. Apesar das cenas chocantes, o filme é um drama. Arrecadou cerca de 400 milhões de dólares no cinema de todo o mundo.

A Morte da Batata[editar]

O clássico líder champignon malvado do filme

Apesar de ser um filme trash recente, "A Morte da Batata" segue os padrões da era de ouro. Não é um filme de terror. Quando Michael Young fez esse filme, ele começou a ver uns filmes de Ingmar Bergman. É um filme trash apenas por ser barato porque parece mais com uma obra do grande Jean-Luc Godard. Conseguiu, em pouco tempo, ser um filme cult.

"A Morte da Batata" é uma filmagem do ciclo de vida de uma batata comum, iniciando na fase de plantio, passando pelo nascimento até chegar à sua morte. No filme a batata morre de velhice e não comida. Um filme trash dramático mas pouco interessante. Um elenco de uma pessoa batata só. A batata recebeu uma indicação póstuma no Festival de Cannes de melhor atriz pois já havia estragado.

Cogumelos Assassinos[editar]

Popular filme dos anos 70 e um dos filmes trash mais caros já realizado. Um show de efeitos especiais e uma fotografia muito bonita. Detalhes minuciosos e uma atuação perfeita do cogumelo champignon protagonista e mocinho do filme. Provavelmente o filme trash menos trash que já existiu.

O produtor do filme, George Lucas, estava muito interessado em filmes sobre cogumelos mas descobriu que não existia nada desse tipo. Tratou de criar um. Sua direção foi elogiada pelas revistas especializadas em cinema. George Lucas conseguiu grande status em Hollywood e graças a isso conseguiu criar a trilogia Guerra nas Estrelas.

O filme fala sobre episódios que ocorrem após um acidente atômico em uma pequena cidade da França. A radioatividade atingiu uma fazenda que possuia grandes colônias de cogumelos, fazendo os cogumelos ganharem vida. Os cogumelos se tornam hostis e começam o massacre. Um cogumelo, Jean, no entanto, tenta ajudar as pessoas a combaterem os cogumelos rebeldes.

O filme rendeu quase 1 bilhão de dólares aos produtores. George Lucas tornou-se um mito. Shigeru Miyamoto estava assistindo a este filme quando teve sua ideia de criar o Reino do Cogumelo com aqueles cogumelos vivos e malvados.

Filmes não tão clássicos[editar]

Os tijolos voadores malditos

Aqui serão citados os filmes que não se tornaram clássicos supremos. Provavelmente faltou habilidade para os cineastas, faltou talento para os atores ou faltou bom senso para os roteiristas.

Tijolo Voador, a Missão[editar]

Filme trash de terror de 1984, dirigido por John Carpenter. Apesar da fama, as críticas não foram tão agradáveis. O filme fala sobre um necromante que controla tijolos voadores maléficos e teve participação de Christopher Lee.

Veja mais informações em Tijolo Voador, a Missão, artigo que detalha este filme.

Porcos Espaciais que Usam Pijamas[editar]

Muito dinheiro gasto mas pouco talento envolvido. É assim que os críticos definem "Porcos Espaciais que Usam Pijamas". Nem a atuação de Tom Hanks salvou o filme das críticas pesadas. Nem o orçamento de 100 milhões de dólares e nem a direção de Ridley Scott ajudaram o filme a conseguir um prêmio no Oscar. A única coisa que se salvou de críticas foi o roteiro de David Goyer. Um dos filmes trash mais caros já feitos.

A Warner Bros tentou introduzir popularidade no filme através de um marketing viral, com porcos de pijamas pelas ruas de Los Angeles mas não conseguiu nada além de uma multa da prefeitura.

No filme, Ridley Scott conta a história do planeta Porkarya, onde porcos guerreiros vestem pijamas antes de ir para a cama. As imagens do filme são impressionantes e os efeitos realmente convincentes, mas nada agradou aos críticos. Apesar disso, uma legião de fãs comentam sobre este filme no Facebook.

Cineastas trash[editar]

Trash = Lixo, em inglês. Esta é uma palavra que combina muito com Uwe Boll

Ver também[editar]


v d e h