Cinto de castidade

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Alguns modelos de cinto de castidade.

O cinto de castidade foi um acessório de vestuário muito utilizado na Idade Média, e que ganhou um revival no final do século XX como proteção urbana contra estupros e em shows de sadomasoquismo.

[editar] Na Idade Média

A Idade Média era uma época cruel, veja que a gostosa tinha que casar com um velho decrépito, que não comia nem deixava ela dar.

O cinto de castidade foi inventado na Idade Média, porque os cavaleiros que iam para as Cruzadas não queriam receber um par de chifres das suas honradas esposas enquanto estivessem matando homens árabes, estuprando mulheres árabes e escravizando crianças árabes, em nome de Deus, do Amor e da Piedade.

Desde aquela época, porém, já havia formas de burlar o cinto. Uma piada clássica, muito contada pelos servos dos barões (e que era punida com chibatadas pelo barão corno) era:

O barão ia lutar nas Cruzadas, e chamou o Bispo:
- Monsenhor, eu vou lutar nas Cruzadas. Deixarei minha fiel esposa usando um cinto de castidade, apenas por prevenção, já que, ausente, não posso impedir que malfeitores se aproveitem da sua inocência. Porém, eu sei que posso morrer em nome de Deus, e não gostaria que a minha morte fizesse com que minha amada esposa, feita viúva, tenha que viver o resto da vida presa a mim. Como o senhor é um homem Santo, deixarei com o senhor a chave do cinto de castidade, para que possa libertá-la para casar-se de novo caso eu morra.
O barão estava quase embarcando quando chega o bispo, correndo
- Barão! Barão! Você deixou a chave errada!

Uma das versões mais cruéis do cinto de castidade era o cinto interno, que incluía uma armadilha: uma lâmina para decepar o membro viril que quem tentasse penetrar na vagina da usuária do cinto. Conta-se também esta piada medieval:

O barão foi lutar nas Cruzadas, e, ao voltar, reuniu todos os habitantes dos seus domínios
- Meus servos e empregados! Eu fui para as Cruzadas, mas não deixei minha esposa desprotegida. Eu coloquei nela um cinto de castidade intra-vaginal, com uma armadilha que deceparia o membro de todos que tentassem violar a sua honra. Agora eu vou ver quem tentou trair o seu senhor! TIREM A ROUPA!
Todos os homens tiraram a roupa, e o barão constatou, horrorizado, que todos tinham o seu membro viril mutilado. Todos, menos o padre.
- Que vergonha! Que desonra! Não há ninguém aqui digno de confiança? Apenas o padre, este homem santo e acima das tentações do mundo, não tentou violar a honra da minha amada esposa? Padre, faça um discurso sobre a moralidade e a integridade para estes pecadores!
E o padre disse:
- Mmmmm... Mmmmmm.... Mmmmmm....

Hoje em dia estas piadas não tem nenhuma graça, porque bispos e padres não pegam mulheres... pegam garotinhos.

[editar] Na era dos estupros

Feminazistas americanas defenderam, no final do Século XX, o uso do cinto de castidade como prevenção contra o estupro. Não deu muito certo, até porque muitas mulheres perdiam a chave.

[editar] Na era do sadomasoquismo

O cinto de castidade hoje tem seu uso restrito aos clubes de sadomasoquismo. Raramente o cinto é trancado a chave, sendo muitas vezes a última peça a ser removida durante o strip-tease.


Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas