Cobre

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Para outros significados de Cu, ver Cu (desambiguação).
Alambique.jpg

Alambique de cobre utilizado por primitivos para produzir a Pinga Caseira, pioneiros no ramo.

Geral
Nome, Símbolo, Número: Cobre, Cu, 0

Cor: Cor de cobre
Dureza: Razoavelmente duro
Sabor: Tenho cara de otário pra comer cobre?

Dados físicos
Estado da matéria: SP ou RJ.Não se sabe ao certo o paradeiro.

Ponto de ebulição:100milK
Ponto de fusão: 100,1milK
Volume molar(L): 1/10¹² Cc(Coca-Colas)
Estrutura: Tem estrutura de cobre

Dados no Sistema Desciclopediano

Cquote1.png Vai tomar no COBRE! Cquote2.png
Químico sobre você

Cquote1.png Está frio, se cobre direito. Cquote2.png
Sua mãe sobre Você


O Cobre(do latim cuzoens) é um elemento químico da família dos metais enterrosos, conhecido por sua textura macia (às vezes coberto por uma leve penugem) e sua temperatura elevada. O escritor Oscar Wilde, um grande explorador do Cobre, costumava dizer que o elemento era "bem quentinho".

O Cobre é encontrado na natureza na forma de pequenos anéis, de diâmetros variados (que vão se tornando mais largos conforme o uso). Devido a seu formato, seu símbolo na tabela periódica é um círculo, denominado Cu.


Tabela de conteúdo

Descobrimento

O Cobre foi descoberto na antiguidade mais antiga, por um dos primeiros hominídeos a descer das árvores e ficar por aí, andando feito bobo, sem saber onde enfiar as mãos.[1] Ele vivia isolado em sua caverna escura, úmida e apertada, pois os outros moradores da aldeia estranhavam seus hábitos diferentes, como ingerir somente legumes cilíndricos (pepino, mandioca, nabo, entre outros), gostar de andar de costas e ter uma tendência insuportável de queimar as roscas que fazia (já que trabalhava como padeiro).

Segundo fontes autorizadas, este ancestral ancestrálico trabalhava em sua lavoura (pois, em sua casa, plantava mandioca nos fundos) numa tarde sombria de março quando encontrou alguns anéis de Cobre sob a terra. Ficou muito espantado, já que nunca tinha visto nada semelhante, e resolveu presentear os moradores da aldeia com os objetos.

Todos ficaram muito agradecidos com o Cobre que lhes era dado, e logo batizaram o elemento de Cu. No idioma da época, isso quer dizer anel quente da caverna escura, úmida e apertada. O hominídeo, então, tornou-se muito popular em sua tribo.

  1. Apesar de que, logo depois, ele descobriu, dando origem ao primeiro homonídeo

Localização

A maior reserva de Cobre do mundo se encontra na China. Para se ter uma ideia, de cada seis exemplares de Cobre, um está naquele país. Outras grandes reservas de Cobre estão na Índia e na Indonésia. Os países que mais utilizam o Cobre, no entanto, são a Argentina, a França e a Inglaterra.

Foi descoberto, também, que o corpo humano é uma reserva natural de Cobre. O elemento se concentra na região entre as nádegas, logo acima das coxas. Porém, existem casos de anomalias genéticas em que o Cobre se encontra no lugar da boca, como no caso de nosso atual presidente e outras personalidades menos famosas.

O Cobre através dos ânus anos

Antiguidade Um Pouco Mais Recente

Na época de seu descobrimento, o Cobre havia se tornado um presente muito popular: uns davam para os outros sem muito critério. Tanta generosidade, ao longo dos séculos, levou à Primeira Crise do Cobre, por volta do Século V a. C. Por isso, o Imperador Romano Jadeianus criou a campanha de conscientização Só dê o Cobre para quem você ama.

O elemento então começou a rarear. Nessa época, pessoas que tinham um grande estoque de Cobre (como era o caso das prostitutas e dos filósofos, que costumavam recebê-lo como presente) passaram a dar o Cobre somente se fossem pagos. Vem também aí o costume muito popular entre as prostitutas, que perdura até hoje, de que se o cliente quiser incluir o Cobre no serviço é mais caro.

Idade Média Baixa

Lá pelo Século 11, aquela época repleta de princesas e dragões, havia grande necessidade de metais para a fabricação de espadas. O metal mais utilizado era o Ferro, por ser bastante comum e fácil de manipular (uma manuseada habilidosa consegue deixá-lo rapidamente no grau máximo de dureza).

Consta que um cavaleiro muito metido, Sir Roderick Wideass, resolveu mostrar sua fortuna acumulada ao longo dos anos confeccionando uma espada toda de Cobre. Numa tarde ensolarada de março, durante um dos muitos duelos que travava, o cavaleiro ficou impressionado com as fagulhas emitidas com o contato entre o Ferro e o Cobre e resolveu dedicar-se ao estudo do assunto.

Algum tempo depois, Wideass descobriu que o Cobre, quando em atrito com o Ferro, produz eletricidade. Quanto mais estreito o Cobre, maior o atrito e, portanto, mais energia produzida. Daí foram descobertos os fios de cobre (grande fonte de renda de mendigos atualmente, que os roubam dos postes e vendem) e o Cobre estreito (ou, mais vulgarmente, "apertadinho") tornou-se muito popular.

Antiga Idade Moderna

Durante a Revolução Francesa, quando foram descobertas novas e fantásticas formas de tortura, uma forma muito popular de se eliminar os inimigos do sistema era amarrá-los em fios de Cobre desencapados e submetê-los a fortes choques elétricos. Por isso, dizia-se que quem sofria desta forma "tomava no Cobre". A expressão "Vá tomar no Cobre!", dirigida a alguém que desejamos que morra bem lentamente, tem a mesma origem.

Mais tarde, quando a revolução aconteceu de verdade, membros da Nobreza, que haviam acumulado grandes fortunas em Cobre, passaram a ser perseguidos pelos revolucionários que queriam matá-los de algum modo criativo. Para não deixar seu Cobre cair em mãos (ou outras partes do corpo) erradas, os nobres fugiram em pânico. Data desta época a expressão "Quem tem Cobre tem medo".

A Segunda Crise do Cobre

Estrutura da molécula de BrIOCo. Repare em seu formato arredondado.
Com o avanço da tecnologia e o uso cada vez maior da eletricidade, o Cobre tornou-se um dos metais mais necessários à existência humana. Com isso, várias experiências foram desenvolvidas para encontrar um substituto mais comum e mais barato para o metal.

Em 1869, o químico francês Claude Ducou Ouvert, misturando substâncias alucinógenas misteriosas, produziu acidentalmente uma substância com as mesmas propriedades do Cobre, mas mais vulgar: o Bromato Oxi-Iodado de Cobalto, representado pela fórmula BrIOCo.

Utilizado para os mesmos fins que o Cobre, o BrIOCo caiu no gosto popular e equilibrou o mercado. Hoje em dia, não existe mais o risco de problemas de abastecimento de energia por falta de condutores, já que foi liberado o uso do Cobre e do BrIOCo em todo o mundo.

Outros usos do Cobre

Medalha de Cobre que a sua mãe ganhou
Quando as Olimpíadas foram inventadas, imaginou-se premiar até o quarto colocado, dando-lhe a Medalha de Cobre. No entanto, como na época o Cobre ainda era raro e difícil de obter (nem com muita conversa, jantares e promessas de casamento), o projeto ficou só no projeto. Por isso, quando não se acredita que um atleta vá conseguir subir no pódio, costuma-se dizer "no Cobre que ele ganha!"

Este maravilhoso metal é também apontado como uma forma alternativa de obter energia. Qualquer um que tenha prestado atenção às aulas na Quinta Série (e não apenas ficado dedicando-se a atividades extraclasse) já ouviu falar de uma experiência SUPER MEGA MASTER PLUS HIPER ADVANCED incrível, aquela em que é colocado um fio de cobre e um de zinco em um limão, e este gera eletricidade.

Existem planos para a construção de limelétricas, versão ecologicamente correta das hidrelétricas e as termelétricas, para fornecer energia de forma natural e não-poluente. O problema é que, para abastecer uma cidade de mil habitantes durante um mês, seria necessária um plantação de limão que ocupasse uma área de 10.014 metros quadrados.

O presidente Lula, em entrevista recente, declarou-se interessado na construção de uma limelétrica na Floresta Amazônica como forma de garantir o abastecimento de energia a este país.

Cquote1.png E o melhor é que depoif dá pra uvá of limão na caipirinha! Cquote2.png
Presidente Luís Inácio Lula com Brócolis sobre Limelétricas

Estudos publicados na Revista norte-americana Science mostram a possibilidade de se plantar os limões em Marte, já que lá tem bastante espaço livre e o planeta tem uma forte tendência a abrigar seres vivos verdes, como limões e marcianos.

O cobre também é usado em construções de vigas de paredes, pois é resistente. Porém o (cu)sto era muito caro, então se prefere matar florestas e pegar a madeira , que é muito mais prático.

Ligações externas para fora

Revista Science de janeiro de 2007

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas