Cometa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Cometinha.jpg Este é mais um artigo com pretensão pseudo-científica, portanto, seu autor é um desocupado mentiroso que não diz coisa com coisa.
Cometa Halley, o mais fofuchinho dos cometas.
NÃO INTERESSA, NÃO É UMA ESTRELA CADENTE.

Cquote1.png Você quis dizer: Gameta Cquote2.png
Google sobre Cometa
Cquote1.png Um cometa, vamos fazer um pedido!! Cquote2.png
criança lesada sobre Cometa
Cquote1.png Só viajo de cometa pra São Paulo Cquote2.png
Carla Perez confundindo as bolas, digo, os cometas
Cquote1.png Você é raio da saudade, meteóro da paixão Cquote2.png
Luan Santana sobre cometa
Cquote1.png Não é raio e nem meteoro caralho, é cometa Cquote2.png
Nerd muito nervoso em relação à citação acima
Cquote1.png Exterminarei a todos que ousarem alguma aproximação Cquote2.png
Sol sobre cometas
Cquote1.png Concordo plenamente Cquote2.png
Júpiter puxando saco da estrela citada acima

Definição[editar]

Cometas são porcarias voadoras que as vezes passam junto à Terra, com suas longas caudas e seu brilho. Essa passagem leva muitos idiotas a acharem que estão no filme do Pinóquio e estão vendo uma estrela cadente. Mas isso não passa de uma idiotice, estrelas cadentes não existem, e se existem, elas não são cometas, são estrelas (O RLY?}. Os cometas tem tamanhos variados, mas em geral são menores que um planeta, alguns podem ser inclusive menores que Sergipe (ou não).


Favor NÃO confundir com estrelas cadentes e muito menos com a empresa de transporte rodoviário, a Cometa

Como se forma um cometa?[editar]

Um cometa sendo quimicamente concebido (WTF?)

O cometa é um paradoxo, tem um núcleo feito de gelo mas adora estar em órbita do Sol e por isso tem uma calda formada por efeitos de radiação, ou seja, ele é composto por gelo e fogo ao mesmo tempo.

Em seu núcleo, além do gelo temos pequenas rochas e poeira cósmica que se misturando ao gelo vira pó de diamante, já a cauda, como foi dito, tem fogo e componentes químicos do espaço, que juntos formam trovão aurora a radiação, que combina perfeitamente com o pó de diamante. Mais uma coisa, não tente pegar a cauda de um cometa e sair voando com ela como se fosse uma pipa, não vai dar certo (falou o Capitão Óbvio).

Os cometas possuem uma grande variedade de períodos orbitais, variando de poucos anos a centenas de milhares de anos, e acredita-se que alguns só passaram uma única vez no Sistema Solar interior antes de serem arremessados no espaço interestelar e que outros jamais passarão por aqui para dar um oizinho e serem confundidos com uma estrelinha cadente. Os cometas são arremessados dos limites exteriores do Sistema Solar em direção ao Sol pela perturbação gravitacional dos planetas exteriores ou de estrelas próximas, ou seja, eles são enxotados e chutados por qualquer um que estiver perto.

Assim como não se deve confundir um cometa com uma estrelinha, também não se deve confundí-lo com um asteróide. Cometas tem cauda, asteróides não (ORLY?).

Nomeclatura e classificação[editar]

A palavra cometa é mais uma das mais de oito mil palavras que derivam do Latim e que são enfiadas em nosso dicionário apenas para nos aterrorizar. A palavra em questão é cometes que vem da palavra grega kome (porque será que os gregos gostavam tanto desse termo?). O interessante é que essa tal kome não tem significado algum, pelo menos não algum que seja útil, pode ser traduzida ao pé da letra como cabeleira da cabeça (até que representa bem um com...não!). De qualquer forma, esqueçamos dessas inutilidades e partamos para algo mais inútil ainda outra coisa.

Vamos à classificação; os cometas não são todos iguais apesar de nós os vermos sempre como uma bolinha seguida por um espectro brilhante que pode ser azul, vermelho ou até adepto ao restart colorido, mas isso não interessa, ninguém quer saber qual é o cometa mais bonito, por isso nossa classificação será baseada no tempo que eles demoram para dar as caras por aqui, assim podemos dizer que são classificados em:

Cometas periódicos[editar]

Um cometa que perdeu a cauda sabe se lá fazendo o que

São cometas que tem um certo apego pela região de onde surgiram e sempre acabam voltando à ela em um curtíssimo período de tempo de mais ou menos uns oito mil duzentos aninhos. E o mais interessante (ou nem tanto) é que dá para prever quando eles passarão por aqui, eu não sou vidente e não sei nem quero saber quando será a próxima passagem, mas não se preocupe, quando você ver um bando de otários falando que vai passar o dia (ou a noite) olhando para o céu, pode saber que é um cometa que está para chegar (ou não). Dizem que cometas periódicos são nomeados com nomes (não, imagina...) e estes são iniciados pela letra P, mas eu não confiaria muito nessa informação...

Cometas não periódicos[editar]

São cometas tratantes, que vivem marcando de aparecer mas nunca aparecem, ou senão, que apareceram uma vez e sumiram para sempre. Não se pode confiar de modo algum nesses cometas, são mentirosos, enganosos, pilantras e tudo mais, logo é impossível prever quando eles passarão por aqui ou perto daqui, se você for idiota e desocupado o bastante, pode passar a eternidade olhando para o céu e avisar a todos quando ele chegar e eu não quero ver, mas vou logo dizendo que cometas assim costumam demorar milhares de anos para retornar a um mesmo ponto, e caso retornam...Seus nomes costumam iniciar com a letra C de crápulas (eu continuaria não confinado).

Cometas extintos[editar]

São cometas que ficaram armando barraco pelo espaço e foram exterminados por algum corpo celeste, também pode ser aqueles que subestimaram o Sol e passaram muito perto, assim fora torrados por todo poder da estrela solar, enfim, de qualquer forma são cometas que não existem mais, já eram, bateram as botas, deram adeus à vida, partiram dessa para uma melhor (ou pior, eu não sei), enfim, não importa como, se foram!! Em (des)respeito a suas mortes, eles tem seus nomes alterados para que comecem com a letra D, este é perfeito defuntos, MWAHAHAHA (mais ainda acho que você não deveria confiar muito...)

Destino dos cometas[editar]

Mais um cometinha feliz, achando que o sol é brinquedo

Começaremos a retratar o destino dos cometas a partir do momento em que eles são ejetados do sistema solar (triste), enfim, quando um cometa tem velocidade suficiente, ele simplesmente entra e sai do sistema solar como quem não quer nada, mas quando ele não tem...ele é barrado, expulso ou destruído por algum astro, o maior destruidor e enxotador de cometas do nosso sistema é Júpiter, que na maioria das vezes faz seu trabalho muito bem.

Além desse final trágico, temos também o final no qual o cometa se desintegra ou quebra em vários pedacinhos, o que também é causado, em geral, por alguma colisão ou força gravitacional.

Outro final espetacular (não sei se assim posso chamar) é quando algum cometa colide com a Lua, dizem que dá algo magnífico para se ver (sei não).

Cometas notáveis[editar]

São cometas que todo mundo nota

Nesta segunda classificação, nem todos os cometas podem ser classificados (não me pergunte o porquê não interessa)

Cometas grandiosos[editar]

Um cometa grandioso exibindo todo seu brilho pelo espaço (espere até Júpiter encontrá lo)

Apesar de centenas de pequenos cometas passarem pelo sistema solar interior todos os anos, bem poucos são notados pelo público em geral. A cada década, aproximadamente, um cometa se torna brilhante o suficiente para ser notado por um desocupado observador casual. No passado, cometas brilhantes geralmente causavam pânico e histeria no povão, sendo considerados como mensageiros de más notícias. Mais recentemente, durante a passagem de 1910 do Cometa Halley, a Terra atravessou a cauda do cometa, e erroneamente um bando de otários saiu espalhando que todos seriam envenenados pelos componentes químicos da cauda. Assim, na passagem do Cometa Hale-Bopp, vários mais idiotas ainda se suicidaram...Mas em geral, a passagem de cometas é um espetáculo.

Predizer se um cometa será um grande cometa é difícil, já que muitos fatores podem fazer com que o brilho do cometa seja drasticamente diferente do previsto. Em termos gerais, se um cometa possui um núcleo grande e ativo, irá passar perto do Sol, e não será obscurecido pelo Sol conforme é visto da Terra quando estiver no máximo do brilho, ele tem uma chance de se tornar um grande cometa. Entretanto, o Cometa Kohoutek em 1973 atendia a todos os critérios e esperava-se que fosse espectacular, mas broxou e falhou para tal. O Cometa West, que aparece três anos mais tarde, gerou bem menos expectativas (talvez por que os cientistas acordaram e pararam de tentar dar uma de Mãe Diná depois do fiasco do Kohoutek), mas acabou sendo um cometa bastante impressionante (que bom para ele).

Cometas rasantes[editar]

Um cometa que não tem amor à vida passando ao lado do Sol

Um cometa rasante é um cometa que subestima a força superior e passa muito perto do Sol, algumas vezes a poucos milhares de quilômetros da superfície do Sol. Enquanto pequenos cometas rasantes podem evaporar completamente durante uma passagem próxima ao Sol, cometas rasantes maiores podem sobreviver a muitas passagens ao periéio. Entretanto, eles pagam um preço muito caro por isso, as forças de maré extremas a que eles são submetidos geralmente causam sua fragmentação (bem feito pra eles).

Cometas incomuns[editar]

Dos milhares de cometas conhecidos, alguns são bastante incomuns. O Cometa Encke tem sua órbita saindo de fora do cinturão de asteróides principais, indo para dentro da óribta do planeta Mercúrio, sendo assim ele é muito idiota por arriscar estar tão perto do Sol. O Cometa Chiron, cuja órbita instável está entre Saturno e Urano, originalmente foi classificado como um asteróide até que uma tênue cauda foi detectada (quanta coisa esquisita)

Acho que chega, já deu pra perceber que cometas incomuns são simplesmente os que não são comuns, não dá para listar todos aqui já que são mais de oito mil (bem mais).

Ver também[editar]