Control (jogo)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Control (jogo) é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, alguém tomou um Head Shot no Counter-Strike.

Quantum Break 2
Control game cover.png

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Remédio Entretido
Publicador 171 Games
Ano 2019
Gênero Vandalização de escritório
Plataformas PC, PS4, Xbox One
Avaliação 7/10
Idade para jogar Livre

Control é um jogo desenvolvido pela Remédio Entretido que consiste na continuação direta de Quantum Break. Lançado em 2019, o jogo fracassou graças à péssima escolha de nome, o nome genérico "Control" o qual se você pesquisar vai encontrar só aparelhos eletrônicos. Ninguém ficou conhecendo esse jogo direito e sem sombra de dúvidas seria melhor conhecido se seu nome fosse "Office Vandalization Simulator" ou até mesmo "The Paranormal Redhead Girl", possibilidades de nomes que foram recusadas pelo diretor do game.

Desenvolvimento[editar]

O rascunho do desenvolvimento de Control começa quando a Remédio Entretido decide que vai lançar um DLC para Quantum Break. Mas devido ao insucesso do mencionado jogo, ficou decidido que criariam uma continuação com um nome diferente e para mais consoles porque ninguém tem Xbox One. Seguindo a agenda feminista que obrigou todos jogos de videogame a usarem mulheres como protagonista, o jogo trouxe uma atriz ruiva nada sexualizada para protagonizar o jogo optando por jamais deixá-la de biquíni, minissaias ou com decotes ousados.

Jogabilidade[editar]

Jesse vandalizando um escritório com sucesso. O principal objetivo do jogo.

Control consiste num jogo de simulação de vandalização de escritório. Nesse jogo controlamos uma mulher num dia de fúria de TPM que se revolta com o seu próprio serviço e vai destruir tudo que houver pela frente. Será disponibilização ao jogador uma quantidade quase infindável de mobílias de escritório, documentos, resmas de papel, caixotes, monitores de computador, persianas, divisórias de vidro e tudo mais o que possa caracterizar um amplo escritório, tudo plenamente destruível. E para não se preocupar em perder tempo procurando por munição no cenário, o jogo ainda disponibiliza munição infinita, afinal o jogo é sobre um dia de fúria de uma mulher.

Para destruir as mais de 50 salas de escritório disponíveis no mapa do jogo, Jesse ainda poderá usar poderes paranormais coletados ao longo do jogo para realizar essa destruição toda. O primeiro poder de Jesse é o de soltar uma bufa tão forte que é capaz de virar mesas de madeira de mogno maciço. Outros poderes que Jesse aprende ao longo do jogo são: Ser capaz de levitar objetos e arremessá-los longe; Criar um escudo formado por azulejos arrancados do chão e paredes; Possuir inimigos transformando-os em escravocetas leais; E levitar como se fosse a Tempestade dos X-Men.

Enredo[editar]

Setor Executivo[editar]

Acompanhamos a história de uma ruiva em agudo estresse causado pela TPM chamada Jesse Faden. Ela é a atual diretora do Federal Bureau of Control (Controle do Buraco Federal) que como qualquer repartição pública se encontra abandonada, habitada só por um faxineiro finlandês muito doido. O diretor executivo, Zachariah Trench, se suicidou porque não aguentava mais a pressão de ter que lidar com tantos empregados fazendo reclamações trabalhistas e requerendo aposentadorias por invalidez porque sentem fortes enxaquecas e vontade de começar a levitar ou dar tiro em qualquer um que passe andando pela cantina. Enquanto Jesse procura lidar com sua própria esquizofrênica descontando sua fúria e frustração na mobília de escritórios, ela encontra uma mulher estranha chamada Pope, que basicamente será a NPC que fica sentada sem fazer nada só te mandando para os lugares.

É revelado que o prédio foi tomado por uma entidade chamada Mansplaining e Manterrupting (chamado também de "Ruído") que consiste num homem branco hetero e cis que fica continuamente falando sobre minhocas e outras baboseiras, impedindo mulheres de trabalhar e subir na carreira, cabendo a Jesse combater esse mal do machismo. Esse Ruído faz pessoas levitarem e nos casos mais graves serem possuídas pelo capeta. Jesse deve encontrar pontos de controles para realizar teletransporte, objetos de poder (que são os brinquedos sexuais que ela vai precisar, agora que passou a negar todos homens) e realizar Linha Direta, que é uma visita a um motel abandonado.

Setor de manutenção[editar]

Como boa feminista, Jesse decide fazer uns trabalhos de homem, começando por baixo, indo carregar cimento, ajudar na faxina, incinerar lixo tóxico e outras tarefas que requisitam trabalho braçal e pouco trabalho intelectual, o que a leva para o Setor de Manutenção do prédio, basicamente o subsolo onde encontra o tal Arish, chefe da segurança, que faz Jesse ir restaurar o fornecimento de energia e água do prédio, fazendo-a trabalhar também de eletricista e encanadora. Aliás, na parte de restaurar os encanamentos ainda enfrenta um monstro de cocô.

Uma vez tendo sua macheza aprovada ao fazer tanto trabalho de pedreiro, Jesse é aceita por Pope como boa feminista e a promove de cargo. Nesse momento Jesse também apresenta sua segunda personalidade, uma tal de Polaris.

Setor de Pesquisas[editar]

Uma próxima pessoa que Jesse precisa encontra é uma negona chamada Marshall que está no centro de pesquisas caçando funcionários que estão exigindo seguro desemprego. O lugar é essencialmente igual o setor executivo, mas com uns leves puzzles a mais porque aparentemente o chefe do local gostava de usar uns desenhos de hexágonos ao invés de simplesmente chaves.

É com o conselho de Marshall que Jesse chega a voltar ao subsolo da empresa para falar com Arish e ficar sabendo de uma jazida de carvão. Após trabalhar de pedreiro, carregadora de cimento, lixeira, eletricista e encanadora, agora Jesse precisa trabalhar de mineira também para trazer as pedras necessárias para um churrasco.

Setor de Contenção[editar]

No capítulo final conhecemos a realidade, que Jesse é apenas uma estagiária entediada que decidiu sair destruindo tudo.

O plot twist final ocorre quando é revelado que Jesse nunca foi realmente feminista e que tudo o que ela fez foi por um macho e integrante da família, porque ela só estava ali causando aquele vandalismo todo é a procura do tal irmão Dylan, por isso ela desce aos presídios onde ele aparentemente está contido. Infelizmente o lugar está completamente infestado por um fungo alucinógeno.

Jesse encontra o irmão Dylan possuído pelo capeta e aparentemente a única maneira de solucionar isso é visitando um lixão no fundo de um laboratório secreto procurando um projetor de filme velho. Para chegar no lugar é necessário pegar o toca-fitas do faxineiro Ahti para conseguir passar do labirinto pois só é possível passar pelo caminho certo se você estiver escutando black metal.

E no final dessa grande aventura sem sentido, descobrimos que Polaris é na verdade um testículo gigante de aço e que Jesse é na verdade uma mera estagiária que sós erve para coletar xícaras de café vazias, tirar xerox e entregar correspondências, tendo ela a alucinação que é a diretora de toda repartição num mundo dos cubos para salvar o irmão de uma possessão demoníaca.