Coronel Pacheco

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome-searchtool blue.png Coronel Pacheco é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
A prefeitura fica no mesmo quarteirão que o cartório e o da única agência bancária do Banco do Brasil.

Sciences de la terre.svg.png
O rei de Coronel Pacheco, Seu Edsonzinho, o bêbado da MG-353, recebendo a escritura de Coronel Pacheco. Agora é dono.

Coronel Pacheco é uma cidade em Minas Gerais, zona do mato onde predomina a poeira também, a cidade tem 2 mil habitantes, o mesmo que um quarteirão de uma favela do Rio de Janeiro, e o prefeito atual (e desde sempre, ano passado se declarou prefeito vitalício até a morte pois ninguém se mete em política salvo ele mesmo) é Edsonzinho, também conhecido como o Bêbado da MG-353, aquele que dá o rabo para os outros. Bem esse.

A cidade não tem nada de especial a não ser se auto-proclamar como "uma cidade do primeiro mundo" por ter as ruas (quase) sempre limpas e uma capela bonitinha com flores. Na realidade a cidade é chata, como todas as outras próximas.

Cidade[editar]

Ironicamente, a igreja fica no Pênis da cidade.

A cidade se fez quando emanciparam ela. Do nada tiveram que inventar um nome e como havia alguém lendo uma histórinha do Recruta Zero ele deu a ideia de "Coronel Pacheco" pois era um bom nome. Sim foi um bom nome, um bem criativo para qualquer outra cidade porém não havia nenhum coronel pacheco na história de Coronel Pacheco.

A cidade é composta por duas classes: idosos e entediados, apesar de que as duas classes são a mesma coisa.

A atividade dos idosos se resume a ficar em frente à uma varanda ou parque tomando sol, já que na idade que estão parece que se não tomarem sol vão ficar "friozinhos", a outra atividade desse grupo é ir para a igreja encomendar a sua alma, já que estão com o pé na cova e repreender os playboys que foram buscar abrigo com outros playboys de cidades mais remotas.

Os caipiras entediados são aqueles que ficam te olhando com uma cara emburrada para você na estação de ônibus, variam de homens a crianças. Eles não estão só na estação como também nas casas olhando o movimento de fora da varanda enquanto veem a grama crescer e mofam. Eles também são quem dão a audiência para a Record pois combina com alguém que está sempre de saco cheio.

Vida[editar]

A vida no município é monótona, se algum habitante dizer "tranquila" provavelmente está querendo dizer "Lá é chato pra caralho, não acontece nada" e é verdade. Geralmente se acontece algo são as fofocas, a do prefeito Edelsonzinho, o bêbado da MG-353, foi a que mais rodou e garantiu 3 mandatos para ele. Mas há uma promessa de concorrência entre uma latinha de coca no próximo mandato.

Muitas pessoas vivem na padaria ou pastelaria para gastarem seu tempo, tem conta por lá, algo que é praticamente impossível nas cidades grandes, e conhecem o cara, então é quase impossível evitar que ele não cobre uma dívida.

Há também o time de futebol, o "Aymoré F.C" que é um time com jogadores de 200 quilos, cor verde, que joga em um "pseudo-campo" de futebol, algumas pessoas, o s familiares, acompanham os jogadores contra "verdadeiros desafios" da segunda divisão especial do estadual. O Aymoré não ganhou nenhuma partida até hoje e tem uma dívida bem gorda com a padaria (gorda como os jogadores).

Como chegar[editar]

Por se tratar de uma das rodovias de ótima qualidade do estado mineiro é mais fácil você chegar por terra, basta você se meter no meio do mato ou sair de Juiz de Fora entrando no mato, sem trilha, sem nada, só desviando das árvores. Quando você bater o carro em uma árvore você estará em Coronel Pacheco.