Cortiço

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.



Novinho em folha.
Banheiro coletivo interativo.

Cquote1.png Você quis dizer: Puteiro da favela Cquote2.png
Google sobre Cortiço
Cquote1.png Você quis dizer: Sua casa Cquote2.png
Google sobre Cortiço
Cquote1.png Experimente também: Galinheiro Cquote2.png
Sugestão do Google para Cortiço
Cquote1.png Lá na puta que pariu tem um monte, PORRA! É nesse lugar que moram os fihos da puta que mandei pra lá, CARALHO! Cquote2.png
Dercy Gonçalves sobre Cortiço

Cortiço é praticamente um galinheiro multiétnico, típico de países que se acham subdesenvolvidos mas precisam evoluir bastante para chegar nesse nível, onde vivem em harmonia pessoas barraqueiras do mais baixo alto nível, tais como sua mãe prostitutas, seu pai cafetões, seu irmão assassinos, você traficantes de drogas, seu tio pedófilos, seu avô estupradores, maloqueiros, sua prima biscates, cheiradores de gatinhos, corintianos perdedores, flamenguistas, você de novo punheteiros, vândalos, sua tia vagabundas, cornos, uma infinidade de marginais gente pobre e tudo aquilo que não presta da sociedade, onde a putaria, bandidagem e desonestidade rolam soltas e em perfeitas condições de segurança e saneamento.

Finalidade[editar]

A princípio, um cortiço deveria funcionar como habitação de miseráveis, porém alguns também servem como redutos de terroristas, terreiros de macumba, fossas sépticas, depósitos de lixo tóxico e até super empreendimentos, competindo inclusive diretamente, em números de clientes satisfeitos, com o antigo Bordel da Dona Nega, a maior casa de massagem, putaria, swing e suruba Clínica de Combate à Hipertensão da periferia. Há também quem suas dependências privadas como escritório para intermediar o tráfico ilegal de drogas e armas, assim como para puxar aquele trago gostoso no cigarrinho do demônio com os trutas mais chegados.

Construção[editar]

Seu vô contrabandeando carregando tijolos antes de Maomé escrever o alcorão.

Logicamente, um cortiço é construído nas coxas por um pessoal altamente qualificado, dispondo de materiais roubados de vizinhos idiotas que largam tudo na calçada e contrabandeados importados ilegalmente da China e do Paraguai ou, na falta de tais, materiais extraídos diretamente da natureza de primeira qualidade como areia de praia (extraída no Piscinão de Ramos ou da praia mais suja próxima do local a ser construído), barro, argila, bambu para enfiar você sabe onde, galhos de árvore (para segurar a laje), folha de bananeira (para o telhado) e urtiga para limpar a sua bunda, porque jornal é caro. É praticamente um baita dum seviço de preto uma maravilha da arquitetura moderna, principalmente no que se diz respeito às gambiarras de improviso aos reparos de manutenção para a porra toda não desmoronar na cabeça de todo mundo.

O Cafetão-mor Dono[editar]

Além da vila do Chaves, Seu Barriga filho de uma puta enriquece cobrando alugel de vários outros cortiços. A imagem mostra sua batalha histórica de um devedor honesto.

Donos de cortiços são políticos brasileiros filhos de uma puta, em geral, presidiários sem-vengoha que comandam tudo dentro da cadeia um bando de trambiqueiros desgraçados e mal paridos que só querem encher o cu de dinheiro e botar pra fuder com todo mundo só aparecem para cobrar o aluguel e que pouco se preocupam em manter a ordem do lugar. Moram em mansões bem longe desse fim de mundo, possuem uma infinidade de gatos persas, diversos espiões e só investem em câmeras de vigilância para criar seu próprio reality show de baixarias. No mais, só assistem ao circo pegar fogo ao estilo barracos de família de camarote.

Biodiversidade[editar]

Típica velha safada e pervertida alma bondosa do pedaço que dá de comer aos pobres.
Mulheris trepadeirae, espécie abundante em cortiços brasileiros.

Em se tratando de fauna, é comum encontrar em cortiços animais como vacas, peruas, galinhas, piranhas, sua mãe de novo, baleias, mulas, antas, perereca, elefantes, cobras, aranhas, gazelas, hienas, veados, pavões, cavalos, burros, jumentos, asnos, jegues habitando normalmente o local. Um cortiço é um dos poucos lugares onde animais aquáticos não precisam de água para sobreviver. Também há a criação de animais para zoofilia exploração da carne e do trabalho como é o caso de pombos-correio (porque nem sinal de rádio pirata chega), ratos e urubus (responsáveis pela faxina), morcegos (vigias noturnos), galinhas pretas (para rituais de macumba) e gatinhos (para cheirar).

Existe também uma riqueza de bactérias, fungos, protozoários que mergulham de cabeça na perversão e se reproduzem na velocidade da luz ao quadrado responsáveis pela disseminação de doenças infecto-contagiosas reciclagem e manutenção do equilíbrio ambiental, convivendo em perfeita simbiose com a população. Supõe-se que a população dessas pragas desses seres microscópicos chegue, às vezes, à quantidade de minutos que Dercy Gonçalves viveu, mas provavelmente isso não passa de uma lenda.

A flora é pouco diversificada, existindo apenas plantas carnívoras que literalmente comem tudo e todos, bambus parecidos com plantas carnívoras, urtigas, bananeiras, marias-sem-vergonha e, prinicipalmente, plantas da família das trepadeiras que trepam na varanda, paredes acima, paredes abaixo, nas pilastras, no telhado e, no porão e, principalmente no sótão, onde os raios solares chegam com mais intensidade e a favela inteira assiste ao espetáculo. Em resumo, estão tão adaptadas ao ambiente que trepam em qualquer lugar à qualquer hora do dia sem se preocupar se há algum nerd filho da puta filmando toda a putaria para por no RedTube. O cultivo agrícola se restringe à produção de cogumelos alucionógenos, maconha, fumo, tabaco e cana que são plantados no vaso sanitário em áreas pré-selecionadas desde os corredores até o olho do cu para maior aproveitamento do pouco espaço disponível. Esta é uma importante fonte de renda do local.


Economia[editar]

Até suas irmãs galinhas são produtos de tráfico.
Você servindo de transporte privativo.
Moradores carregando móveis e botijões de gás para fazer sinal de fumaça, sofisticado meio de comunicação de alta tecnologia disponível no lugar.
Sua mãe brincando na praça quando era mais novinha.

Além da venda do próprio corpo venda de produtos diretamente extraídos da natureza nas feiras da pechincha, há, nos cortiços mais desenvolvidos, os laboratórios de processamento de matérias-primas e destiladores de cana, que valorizam os produtos agrícolas em até [idade do capeta]³%. Alguns cortiço funcionam como escritório de contrabando de armas, dorgas e quartos de motel, completando a economia da população local.

Religião[editar]

A crença religiosa dos habitantes de cortiços é muito forte, pois só com muita urucubaca e reza brava para o gato na rede elétrica não pegar e incendiar a favela toda. Existe ainda o risco de cortarem o fornecimento de água por pura sacanagem falta de pagamento, de três gotas d'água levarem tudo barranco abaixo e de contaminação com DSTs, já que existem poucas televisões por lá camisinha é coisa de genti shique. Responsabilidades menores jogadas nas mãos divinas constam em pedidos para atrair mais clientes e se safar vivo das baixarais dos barrcos que acontecem diariamente, porque afinal, trata-se de um aglomerado de filhos da puta gente trabalhadora tarados por pura libertinagem que procura diversão acessível.

A macumba, a bruxaria e diversos rituais de magia negra são comumente praticados dentro e fora dos cortiços. E no meio desse vai e vem selvagem, há também aqueles devotos de orixás e de santos não muito conhecidos, com destaque especial à Santa Periquita das Pernas Arreganhadas, preferida pelas prostitutas mulheres virgens, e Santa Erva, dos maconheiros curandeiros de plantão. Há também os seguidores das profecias de Jesus Negão, figura bem popular da cohab do conjunto habitacional, e adoradores do próprio demo. Sessões de exorcimo são raros, mas podem ocorrer (ou não) dependendo da incompatibilidade do corpo da vitima com a alma endemoniada.

Entretenimento[editar]

Há quem diga que alguns favelados da casa do caralho habitantes de cortiços primitivos tenham se inspirado na cultura milenar da República Tcheca para dela trazer o que havia de melhor em diversão e entretenimento barato para comunidade, pois, afinal, a tecnologia importada é tamanha que nem há necessidade de roupas para participar da sacanagem, mesmo com poucos recursos, dá para alegrar a comunidade inteira.

Personalidades[editar]

Pessoas que moraram ou ainda moram porque não enriqueceram com sua ignorância ou são procurados pela polícia:

  1. Bruna Surfistinha: como você acha que tudo começou?
  2. Débora Secco: a cópia falsificada boazuda;
  3. Aluísio Azedo Azevedo: dono cortiço mais famoso, relatado em seu livro de mesmo nome através da observação de seus inquilinos 24 horas por dia, sendo também criador do sistema precursor ao do BBB antes do Pedro Bilau ter dúvidas sobre sua sexualidade;
  4. Bandido da Luz Vermelha;
  5. Maníaco do Parque, Maníaco da Calcinha, Maníaco do Méier e do quinto dos infernos.;
  6. Dona Nega, a dona daquele bordel;
  7. Richarlyson, Neymar, Ronaldo e demais jogadores de futebol (óbvio, não?);
  8. Sua mãe e o resto da sua família, por razões óbvias;
  9. CUrintianos, framenguixtas, vaxcaínos, boxtafoguenses e torcedores de times fracassados que gostam de ver 22 homens correndo atrás de uma bola.
  10. MC Catra, MC Sapão, MC Fudeu, Mc Donald's, MC Titica de Galinha;

Veja Também[editar]

  1. O Cortiço. (Se leu esse artigo achando que encontraria o resumo do livro que aquela vadia sua professora pediu para você desgraçado ler, se fudeu! Vai continuar burro procurando.)
  2. CDHU;
  3. Boca de fumo;
  4. Cohab;
  5. Favela;
  6. Casa da Mãe Joana;
  7. Casa do Caralho.