Cotas raciais

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Jackie01.jpg Um artigo sem imagens deixa Jackie muito triste :(
Este artigo possui poucas ou nenhuma imagem o ilustrando. Por favor considere adicionar novas imagens para deixá-lo mais interessante.

Cquote1.svg Uma esmola pra quem dá. Um privilégio pra quem recebe. Cquote2.svg
Capitão Óbvio sobre Cotas raciais

Cotas raciais, também conhecidas como esmolas pros negros, são uma bandeira defendida por parte dos capitães do mato do movimento negro como um caminho para uma suposta reparação histórica pelos séculos de escravidão da população negra (como se os indígenas também não tivessem sido escravizados e os imigrantes que vieram depois para trabalhar de meeiro por vezes não tivessem que trabalhar quase em condição análoga as da escravidão) por meio de uma também suposta inclusão do negro na sociedade brasileira, vista como racista por apresentar resistências as proposituras de tal movimento de caráter demagógico, que vive de empurrar as suas demandas goela abaixo da sociedade.

Na atual conformação, não servem para nada a não ser para os neguinhos que se acham a la Spartakus Santiago ficarem falando asneiras sobre o que não entendem.

Origem e Institucionalização[editar]

As cotas raciais começaram a entrar na discussão política no final do governo Fernando Henrique Cardoso, apesar de o grosso dos militantes de tal causa servirem a posições políticas afeitas ao lulismo ou ao marxismo, sendo inicialmente implementadas nas Universidades públicas, sendo a UFRJ a precursora em tal política, que ao fim serviu para mudar completamente o perfil dos alunos que lá entravam, dado que passou a se adotar o critério racial ao lado de outros critérios socioeconômicos, tais como os de renda e da presença do aluno nas sucateadas escolas publicas de Ensino Médio, sendo que isso serviu para piorar ainda mais a qualidade de ensino na UFRJ, que se já não era tida por referência por estar a anos-luz de uma USP, Unicamp ou Unesp da vida.

Só que por conta do poder na mão do Coroné Luiz Inácio, as outras faculdades tiveram de pouco a pouco implementar tal política para ingresso de novos alunos, em troca de recursos para poderem manter as suas atividades, sendo que o clientelismo e o fisiologismo no campo político tiveram grande importância na aplicação de tal política no país, sendo que a mesma se transformou em lei institucionalizada no governo da Dilma Rousseff por meio da mulher do Edison Lobão, parceiro da família Sarney no domínio do Maranhão.

Também no Rio de Janeiro se implementou, de forma escamoteada, o critério de cotas para ingresso nas preciosas vagas preenchidas por meio de concurso público, estabelecendo uma cota de 20% das vagas para o critério racial, sendo que tal política na prática não passou de um mero jogo de cena, dado que tem manobras viáveis tais como a da terceirização para contornar as regras presentes nos concursos públicos, dado que salvo em alguns setores específicos, o efeito da cota racial sobre a seleção de cargos pode ser facilmente limitado, dado que as empresas particulares não tem qualquer obrigação de cota exceto para com os portadores de deficiência, que tem direito a uma cota que quase nunca é preenchida por conta das dificuldades seja de acessibilidade, seja de conseguir a comprovação de sua deficiência por meio do precário atendimento oferecido pelo SUS e pelos convênios médicos em geral.

Critérios[editar]

Inicialmente, o critério era o da autodeclaração, sendo que por isso mesmo, um loiro de olhos azuis e pele clara poderia se declarar como pardo ou negro e teoricamente poderia tirar vantagem da diferença de nota para as vagas abertas pelas quais todos competiam e as vagas direcionadas por critério de raça, que no geral exigiam um nível de nota menor para os eventuais ingressantes por meio de tal critério.

Mas graças ao lobby do Movimento negro, que estava morrendo de medo de perder a mamata, se passou a existir um tribunal de raça, que serve para eliminar da disputa candidatos que não sejam negros o suficiente, podendo eventualmente servir até mesmo como espaço para efeitos de patrulha ideológica de eventuais alunos que entrem por meio de tal critério estapafúrdio.

Efeitos na sociedade brasileira[editar]

As cotas raciais de início serviram para a discussão de outros meios de inclusão, como as cotas sociais, que seriam voltadas a alunos pobres independemente da cor, sendo que no geral tais vagas passaram a ser preenchidas com base no critério do ProUni, que passou a patrulhar as pessoas com base no critério socioeconômico, sendo mais fácil você perder a vaga por meio de tal programa com desvio no seu perfil socioeconômico (onde você perde a vaga caso a renda de sua família ultrapasse o limite em SM quando de seu ingresso) do que por conta de seu mau desempenho (onde você pode pegar DPs a ponto de não alcançar 75% por duas vezes no correr do curso, mas você pode prosseguir com o curso com uma nova vaga pelo programa).

Mas serviram para fortalecer o lobby dos capitães do mato, no sentido de valorizar suas posições em especial no seu lobby dentro do campo político e para acirrar a discussão quanto a questão racial, trazendo o racismo para fora da confortável posição de bastidores, dando espaço para que o mesmo entrasse no protagonismo das discussões, sendo que tal racismo só acirrou graças a tal militância.