Coveiro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Se você procura por um personagem estranho do God of War, veja Coveiro.
Um coveiro.

Coveiro é um nome dado ao ser que convive com coisas mortas e que as vezes resolvem ressucitá-las para realizar algum desejo suprimido. O coveiro pode existir de várias formas e ser desde um simples trabalhador necrófilo até aquele encubado chato que resolve dar pitaco em discussões de fóruns online que já morreram a 400 anos atrás. Estes últimos normalmente costumam ser noobs que sem nada pra fazer em casa acabam se aventurando por onde não deviam, como entrar em discussões que definem o futuro de um jogo ou floodar em debates que definem o futuro de uma organização.

História[editar]

Prêmio concedido aos maiores coveiros da história da humanidade. O Nobel funerário.

A origem do coveiro como estamos acostumados a conhecer remonta aos ano de 0 d.C.. A profissão teria começado com o próprio Jesus Cristo ou seu pai, Deus[carece de fontes] quando naquele ano Jesus morreu e três dias depois apareceu caminhando numa avenida movimentada de Jerusalém. Testemunhas na época disseram ver um homem caucasiano de barba branca entrar com uma pá rústica feita a mão no sepulcro onde Jesus estava preso (ou enterrado[carece de fontes]) e tirar Jesus do local, aproximadamente, 7 horas depois da cerimônia de enterro. A este velho barbudo atribuíram o termo Deus, mas ainda não se sabe bem quem teria sido já que Deus, não teria forma físicaDeve ter algum versículo na Bíblia que diz isso., o que dá a entender que deve ter havido a participação de um outro terceiro e este sim, teria sido o coveiro responsável pela ressuscitação do cadáver de Cristo. Ainda não se sabe bem quem de fato teria dado origem a profissão tão desprestigiada, mas sabe-se que foi um dos dois.

Passado o período documentado no Novo Testamento, a profissão foi solenemente ignorada no período egípcio (por causa da mumificação) restando apenas ao coveiro esperar a era contemporânea para que pudesse reinar. Com isso, a profissão passou mais de 1.800 anos em pleno esquecimento. Com a popularização dos festejos de enterro, os corpos não podiam mais ser jogados nos rios pelo mundo afora, então tiveram que resgatar a profissão do limbo.

Tipos[editar]

Atualmente, possuem diversas modalidades de coveiros. As mais famosas são os tradicionais amantes de caixão e os ressuscitadores de tópicos. Alguns amantes, dependendo de quem ele ou ela esteja ajudando a trair, também podem ser considerados um tipo de coveiro.

Coveiro de internet[editar]

Coveiro forista

Talvez o mais conhecido dos coveiros. Este é o responsável pela restauração de tópicos centenários e renascer debates inúteis na internet. Alguns agem apenas na esfera local, como em fóruns, salas de bate-papo, etc. Alguns outros agem em toda a internet, criando debates que já foram encerrados há muito tempo.

Estes seres costumam ser odiados demais por usar da sua vagabundagem para cavar o mais fundo o possível para encontrar tópico do tempo do Deus nos acuda ou mais antigos ainda, do tempo dos Perdidos na Noite, quando ainda era apresentado pelo Fausto Silva.

Por causa dessa astuciosidade, pessoas que desempenham essa função não costumam ter sua voz ouvida os fóruns e debates on-line, pois todo mundo sabe que aquele merda vai voltar para atazanar de novo ou abrir um novo tópico para perguntar a mesma coisa que já foi decidida antes.

Coveiro, o próprio[editar]

São pessoas que trabalham com mortos e que por alguma razão ainda conseguem dormir a noite. Costumam ganhar um salário razoavelmente bom, pelo menos para alguém que faz o mesmo trabalho que os tatus fazem a milhares de anos e de graça.

A rotina de um coveiro ainda não é tão conhecida, já que as pessoas só o costumam ver quando algum parente vai pro beleléu ou em dia de finados mesmo. Há quem diga que esses trabalhadores tiram acabam com a seca usando alguns dos cadáveres que acabaram de serem enterrados. Outros ainda dizem que os coveiros são responsáveis por desenterrar coisas pessoas consideradas mortas até pouco tempo, como Elvis Presley, Michael Jackson, Gretchen, inflação, surto de caxumba, gripe H1N1, etc.

Amante[editar]

O amante também poderia ser um tipo de coveiro por causa de suas atribuições, que se assemelham bastante com as atribuições do coveiro mencionado na secção anterior.

Este é um tipo de coveiro bem conhecido, pois quando você vira as costas é ele quem enterra o nabo dele na sua esposa, ou caso seja uma raríssima coveira, é ela quem descabaça seu namorado enquanto a senhora fica fazendo cu doce e greve de buceta. Este(a) é quem ressuscita o fogo da paixão (da traidora, claro).

É um dos mais requisitados coveiros no mercado de trabalho. Segundo a Catho®, é uma das profissões com as maiores ofertas de trabalho no Brasil, chegando a contratar milhões por dia, mesmo em tempos de crise. Como se trata de uma modalidade freelancer, a duração dessas ofertas de trabalho costumam durar apenas algumas horas, menos ainda por se tratar de uma profissão de risco[Já pensou se o corno pega o indivíduo?]