Crucificação

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Exploding-head.gif

Cuidado!

As idiotices escritas neste artigo podem esvaziar o seu cérebro!
60px-Bouncywikilogo.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Crucificação.
O objeto de tortura da crucificação, a cruz!

Cquote1.pngExperimente também: Forca Cquote2.png
Sugestão do Google para Crucificação
Cquote1.png Crucifica-o! Cquote2.png
Bando de idiotas sobre um certo crucificado
Cquote1.png Pai, perdoai-lhes, eles não sabem o que fazem! Cquote2.png
A resposta do crucificado
Cquote1.png Crucificação é o ato de pregar uma pessoa numa cruz! Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre crucificação

Crucificação é a condenação à morte mais discutida entre todas as outras formas de condenações, tanto de prisioneiros, quanto as de pessoas consideradas realmente perigosas para a sociedade de antigamente (falo antigamente porque, hoje, tal prática é combatida e somente realizada com forma de manifestação idiota religiosa), devido a sua forma brutal e torturosa para com o réu em seus últimos momentos na Terra. Tipicamente adaptada pelos romanos, a crucificação consistia em (primeiramente) flagelar o condenado à ela e depois pregá-lo em uma enorme cruz de madeira de Lei. A flagelação ocorria pelo fato de que somente a crucificação não mata ninguém (ou não), mas a partir do momento que você já está todo esfolado e é pregado em uma cruz de pau, o trabalho de conseguir viver, respirar, ou pelo menos falar, torna-se bem mais complicado para qualquer um submetido a todas essas sessões de torturas. Duvida? Tenta fazer então pra você ver.

Tabela de conteúdo

[editar] Uma crucificação histórica

Carregar uma cruz não deve ser tão difícil, mas estando todo esfolado e com uma coroa de espinhos deve complicar um pouco.

É claro que, ao falar em crucificação, não poderíamos deixar de falar de uma que ocorreu a mais de oito mil dois mil anos atrás, com um certo senhor de bom coração que ia todos os dias ao bosque, recolher lenha chamado Jesus de Nazaré (ele tinha esse nome pelo óbvio, ele nasceu em Nazaré, ou não), que foi o crucificado mais conhecido do mundo inteiro (você sendo Cristão ou não). Mesmo vivendo uma vida de paz e plena bondade, ressuscitando mortos, curando doentes e alimentando um grande povo no deserto com somente cinco pães e dois peixes (WTF?), Jesus não conseguiu agradar a todos. Desde o momento em que nasceu já tinha conhecimento de seu enfadonho destino e tinha medo do que lhe aconteceria afrente, porém, ele acreditou na bondade de seu Puai e aceitou o caminho que lhe foi planejado, mesmo sabendo que o destino final não seria nada mais e nada menos do que o encontro direto com a morte.

A Crucificação, mas essa é a de Pedro (percebe-se pelo fato dele estar sendo colocado de ponta cabeça)

Durante uma madrugada de sexta para sábado (em pleno final de semana e bem próximo do feriadão prolongado de Páscoa), um de seus doze discípulos (que também estava destinado a lhe passar uma rasteira), Judas Iscariotes, resolveu trocar a vida do Filho do Altíssimo por algumas míseras moedas de prata (como se a vida de Jesus nem ouro sequer valesse). E assim Jesus foi entregue para os Judeus, indo parar nos aposentos de Pôncio Pilatos, o governador da época, que, sem saída alguma (apesar de querer salvar o bom homem), resolveu condenar Jesus a ser crucificado por aqueles que assim o queriam, sendo que entre eles estavam os Doutores da Lei, Fariseus e, até mesmo, o povo que o louvou durante a sua chegada com ramos de oliveira (que ficou conhecido como o nosso famoso "Domingo de Ramos"), pra você ver como esse povo todo não passava de um bando de vira-casacas, que somente acompanhavam os mais poderosos e abanavam o rabo para onde quer que eles os mandassem.

Jesus Cristo passou por todos os sofrimentos que um condenado à crucificação passaria, sendo que ainda passou por coisas até mais do que devia. Durante o percurso para o palácio de Pôncio, foi chacotado, surrado, pisoteado e cuspido (só?), depois de sua condenação, foi (bastante) flagelado, recebendo (ainda por cima) uma coroa de espinhos em sua cabeça, isso sem falar em um manto de veludo vermelho que os soldados lhe colocaram. Durante a sua Via Crucis, como todo condenado, teve que carregar sua cruz até o local onde seria a sua final condenação (que nesse caso seria no alto do Monte Calvário). Lá, foi pregado nela com um prego de ferro enferrujado em cada mão e um único para os dois pés. Mesmo todo esfolado, ainda conseguiu resistir por um bom tempo, porém, a exatamente três da tarde, deu o seu último suspiro e o mundo caiu em trevas. Felizmente, para o azar dos inimigos, Jesus era mais do que um homem (era um Deus) e no terceiro dia Ressuscitou, ownando todos.

[editar] E a pena é... crucificação

Antes de chegar até aqui tem que se passar por uns maus bocados

Bom, como já citado acima (acredito que melhor exemplo fica difícil de se encontrar), a crucificação era separada em partes simples e bem determinadas, isso facilitava a vida de todos as pessoas ligadas à pena pena de morte (menos a vida do condenado, claro, afinal a cabeça que iria rolar era a dele), pois seguia-se um padrão de execução (que tentava, pelo menos ser) sem nenhuma falha e bem elaborada, o que acarretava para uma boa admiração, pelos povos advindos de outras localidades para assistir tais homicídios, quanto ao processo de execução de assassinos e delinquentes de uma determinada região, mostrando assim que era bem seguro fazer acordos com aquela localidade que tinha um sistema penal que era organizado e que seguia um padrão em suas realizações execucionais, tornando-a era bem convidativa, mostrando-se assim uma cidade bem representada (quanto ao seu governante que sabia por ordens no barraco) e com um sistema legal que não era fail como a do Brasil de outros locais.

Era basicamente três partes em que a execução se dividia (sendo que, depois que cada uma delas fosse posta em prática, não tinha negócio de repescagem mais tarde, já foi, já foi), sendo as partes dividas em: Julgamento, Flagelação e a Crucificação.

[editar] Julgamento

O julgamento

Geralmente feito dentro do Palácio do Governador, na presença de pessoas importantes da sociedade, o julgamento era precedido pelo Governador, que colocava o réu contra a parede e apresentava os seus crimes. Era o único momento em que o acusado poderia se defender, sendo que (muitas das vezes) nem adevogado ele podia contar e muito menos com amigos, que se vendiam a troco da morte desse sujeito (além de fazerem isso também para não servirem de cúmplices), isso sim que são "amigos de verdade". Claro que nada impedia que também rolasse o julgamento a céu aberto, tornando-se um verdadeiro festival, além de mais "justo", já que quem decidia se o réu era solto ou condenado era a própria população, como no exemplo de Barrabás, que mesmo sendo um bandido de alto escalão (ao melhor estilo Zé Pequeno porra), teve a sua libertação assegurada pela população, que preferiu ver a crucificação de Jesus ao de um criminoso que, provavelmente, voltaria à criminalidade.

[editar] Flagelação

A flagelação

Após a condenação no julgamento, o réu era levado para uma sala especial (quase uma câmara de tortura), onde recebia um "tratamento" digno de um condenado daquela época (nada de "última refeição" antes da morte, rolava porrada mesmo). Com os mais diversos armamentos, os soldados batiam no condenado até que somente sobrasse forças para que ele ficasse de pé (sendo que as vezes nem isso rolava). Chicotes, porretes, dildos, e todas outras armas sádicas eram usadas em tal cerimônia, que não poderia demorar muito, já que o melhor ainda estava por vir, que era exatamente o a crucificação do pobre meliante. No caso de Jesus, foi logo ao término de seu grande flagelo que rolou a parada da "coroa de espinhos", que foi presenteada feita pelos próprios soldados romanos e posto em Sua cabeça com a ajuda de pedaços de madeira, afim de que eles não se machucassem, já que aquela coroa não tinha espinhos que nem os espinhos das rosas, eram bem mais afiadas em perigosas (isso sim que é maldade).

[editar] Crucificação

E, enfim, a crucificação!

O chão da cidade não poderia ser sujo com o sangue de um condenado à crucificação, por isso, ele jamais era fixado à cruz dentro dos muros de qualquer localidade, para tal existia um determinado local, próprio para tais execuções, e mais espaçoso para ocupar os curiosos. Levando em consideração à crucificação datada à época de Jesus, o lugar mais conhecido era o Monte Calvário (ou Gólgota sim, eu vou à Semana Santa). Desde os portões do Palácio do Governador até o Monte, o condenado tinha que carregar a sua cruz (sendo que muitos falam que somente uma parte dela era carregada, ah, sei lá), chegando ao topo, era jogado em cima dela e pregado com pregos de cerca de 30 centímetros por aí, sendo cada um em uma das mãos e um somente sobre os dois pés, que ficavam um sobre o outro. Devido aos machucados da Flagelação, e as perfurações sofridas, sem falar das perdas de sangue, o réu acabava morrendo em sua cruz. Caso isso não ocorresse ele era levado a um hospital tinha as suas pernas quebradas, para que a morte fosse agilizada (de uma forma ou de outra ele morria).

[editar] Nem só de Jesus viveu a crucificação

É claro que Jesus não foi unânime no ato da crucificação, mas se bem que os que vieram antes dele pouco importaram para a história. Aqui apresentaremos alguns nomes famosos (ou não) de crucificados na cruz que passaram pelas mesmas coisas que Jesus Cristo, claro que sem toda aquele atenção dada ao Filho de Deus, mas vamos a eles:

Santo André também foi vítima da crucificação, só que de um modo mais diferente e isso a seu próprio gosto
  • Simão Pedro: Discípulo de Jesus, foi considerado o primeiro Papa da Igreja depois de Maria Madalena. Recebeu as chaves do Reino dos Céus das mãos de Jesus e profetizou as mensagens do Altíssimo, mesmo depois de ter negado que o conhecia por três vezes. Além de crucificado, sua humilhação foi ainda pior, pois, segundo o que falam (e quem sou eu para dizer que é mentira), foi crucificado de cabeça para baixo na cruz (isso sim foi bem pior do que a crucificação de Jesus - ou não);
  • Santo André: (não confundir com a cidade e muito menos com o time de futebol) Também discípulo de Jesus, e irmão de Simão Pedro, diferentemente do seu brother, não tem nenhum passado sujo com o Senhor, não o traiu e muito menos negou que o conhecia. Também recebeu uma crucificação diferente, mas isso a seu próprio gosto (sim, ele ainda pode escolher a sua cruz). Ao invés da cruz em forma de T, preferiu morrer em uma em forma de X, pois se achava indigno de morrer da mesma forma que Jesus (isso sim que é discípulo). Atualmente tem uma placa de trânsito em sua homenagem, chamada de Cruz de Santo André, agora você sabe o porquê, não é? Quem disse que a Desciclopédia não é cultura também?
  • Bandidos que foram crucificados com Jesus para que ele não morresse sozinho: Os dois bandidos que foram crucificados com Jesus também tem o seu espaço aqui, afinal não é qualquer um que viu o Filho de Deus tão de perto na hora da sua morte quanto eles. Um deles pediu para que Jesus fizesse um puxadinho para ele no Céu (coisa que ele permitiu que fosse feito), o outro zombou do Senhor e, como castigo, teve os olhos perfurados por um corvo (é o que dá), ou seja, além de morrer ainda ficou cego antes.

[editar] Ver também


Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas