Dólmens de Antequera

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Dólmens de Antequera são um grupo de monumentos megalíticos (construídos por Obelix) que consiste em tocas enfeitadas com pedras em formato de pirocas gigantescas, localizados na região de Antequera, um vilarejo espanhol que quase foi cenário de Resident Evil 4.

Sítio[editar]

O maior e mais antigo dildo do mundo está localizado em Antequera, motivo mais do que suficiente para a UNESCO considerar a região um patrimônio mundial.

Os dólmens de Antequera são um sítio neolítico de atividades datadas de 3.000 a.C., ou seja, quando a humanidade ainda estava na Era do Bronze. Nestes locais é possível observar como os espanhóis sempre foram preguiçosos desde sempre, pois não há absolutamente nada de espetacular ou misterioso, só umas cavernas extremamente mal feitas, e que só não caíram ainda porque a região não é atingida por vendavais, terremotos, vandalismos, estas coisas. Outra característica peculiar é a ausência total de pichações (a tal arte rupestre), sendo um sinal claro de que a região era tão ruim e sem graça que nem mesmo os vândalos se atreveram a invadir e ocupar para fazer as características pinturas de boneco-palito.

O sítio constitui-se como o mais bem conservado exemplo da arquitetura pré-histórica europeia, no qual pedras empilham-se sem organização e sem qualquer noção de estruturamento ou materiais corretos.

Covas[editar]

  • Dólmen de Menga - Construído com um total de 32 obeliscos (dildos gigantes de pedra maciça), é o mais famoso dólmen do sítio porque é o menos fedido, popis ao ser descoberto e aberto no século XIX, os arqueólogos profanara os esqueletos do local, deixando-o mais limpo e arejado.
  • Dólmen de Viera - Só um corredor de pedregulhos empilhados que levam os curiosos para uma câmara funerário, mas ninguém mais é morto ou sepultado por ali. A porta da entrada é aberta num ângulo tal que o interior é iluminado apenas nos dias de solstício, o que é uma prova irrefutável de porra nenhuma acerca dos espanhóis da pré-história.
  • Tholos de El Romeral - Um grupo de cavernas subterrâneas bem sinistras que parecem que vão desabar a qualquer instante, mas estão ali já a milhares de anos graças à engenhosidade dos espanhóis da Idade do Bronze que descobriram como fazer tocas apenas observando e imitando toupeiras, sendo este local um exemplo nítido de arquitetura pré-histórica e uma prova irrefutável da existência dos Flinstones.

Monumentos naturais[editar]

  • Peña de los Enamorados (o pênis do namorado) - Até o século VII, apenas um morro, que é bem feio por sinal. Mas então, com o estabelecimento do Al-Andalus (quando mouros declararam em bom portunhol "Todas su bases pertence à nós"), grandes rivalidade começaram a surgir, até que num dia, conta a lenda, um casal apaixonado fugia de um corno bravo que jurou matá-los, mas para não dar tal prazer ao corno, o casal se jogou do topo do morro.
  • El Torcal - Um morro de pedregulhos de onde os antigos homens das cavernas retiravam os seus monolitos (pirocas gigantes de pedra) para ir colocar em suas bizarras construções. Tal extrativismo de pedras criou uma paisagem de várias depressões naturais em formato de vagina ao longo dos séculos, criando o El Torcal.