D. Fernando I

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Se vəndalizarish, um bäenfiquista vai atrás də tua mãe

Cquote1.png Já pode tirar a máscara, D. Fernando I. Isto não me assusta Cquote2.png
Chaves sobre D. Fernando I

Cquote1.png Não estou usando máscara Cquote2.png
D. Fernando I sobre comentário acima
Cquote1.png Papi Cquote2.png
D. Fernando I sobre concurda de Notre Dame

Corcunda de Notre Dame, mais conhecido como "Papi" por D. Fernando I

D. Fernando I foi um rei português famoso por sua filosofia de relações internacionais caprichosa, fonte de inspiração para Hugo Chaves.

História[editar]

Com esta máscara se vence qualquer festa a fantasia de Haloween

Filho do Quasimodo (Corcunda de Notre Dame), fez justiça a seu dia de nascimento, 31 de Outubro, ou seja, Halloween e nasceu com uma beleza rara, tão rara que era, e é imperceptível, nada que pintores bem remunerados, o que era raro na época, ou melhor até hoje, e algumas pinceladas não conseguissem consertar.

Esta forma apresentável de ser, lhe rendeu o título de melhor fantasia por diversas vezes em concursos disputados por toda Portugal, mesmo não estando fantasiado. Além disto, Fernando I angariou o codinome O formoso, que mostra que encontros sociais, em Portugal, no século XII eram regados a muito alcool causando distorções enormes no bom-senso.

Chegou ao trono por uma combinação de resultados, pois era primo-irmão-bisneto-torto, e põe torto nisto, de Dom Sancho Pança IV e, desta forma, disputava o reinado diretamente com algum transeunde que passava no momento e se elegeu. Após vencer a disputa melhor-de-três no par-ou-ímpar, foi declarado o rei e logo foi ao trono, resultado de comidas estragadas daquela época - vide especiarias.

Reinado[editar]

O reinado de D. Fernado I mostrou que este foi um homem a frente de seu tempo, o que não significa muito, pois qualquer animal minimamente capaz dos dias atuais estaria a frente de alguém que viveu no século XII, mas se compararmos com um "alguém" português e rei, a diferença de intelectos fica discrepante.

Voltado à diversas áreas da economia, criou o primeiro seguro obrigatório para embarcações, conhecido como Companhia das Náus, sem a necessidade de ter que utilizar o dinheiro recolhido para a pavimentação das estradas, ou melhor, do mar, mas que ele, como homem a frente do tempo, não tenha dúvidas.

Veja também[editar]


Precedido por
D. Pedro I
Rei de Portugal e Algarves
1367 - 1386
Sucedido por
D. João I


v d e h
Grandes Padeiros de Portugal