D. Luís I

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

D. Luís I, nome de batismo Luís Filipe Maria Joaquim Manuel Luis Fernando Pedro de Alcântara António Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Manuel Xavier Francisco Joaquim Joaquim de Assis João Manuel Augusto Maria Júlio Valfando Manuel de Bragança foi um visionário e coadjuvante de galã de novela mexicana que tinha extrema dificuldade de assinar o nome corretamente.

De vez em quando recebia alcunhas como O Popular, O bom e O Sem Graça.

Vida[editar]

D. Luís I em seu traje de padre careta.

Depois de conspirar secretamente o assassinato por envenenamento do irmão e antecessor do trono D. Pedro V, D. Luís I se tornou Rei de Portugal.

D. Luís I , possuia uma cultura acima da média normal e aceitável para um português. Certa vez foi convidado a participar de uma disputa intelectual em um estádio de futebol lotado, os árbitros questionaram a Luís I, quanto era a soma de 2 mais 2, ele respondeu prontamente 3. O estádio inteiro aclamou "Outra chance! Outra chance!". Foi feito então o questionamento, quanto era a soma de 1 mais 1, D. Luís I respondeu 2. O estádio inteiro aclamou "Outra chance! Outra chance!".

Durante seu reinado, a França desenvolveu o Mapa Cor-de-Rosa (em outras línguas de macho Partilha da África), como o governo português nunca sabe aonde está se metendo assinou esse mapa que representava a partilha da África (o mapa recebeu esse nome pois delimitava em que localidades na África iria ser pintada de rosa, ou seja, os territórios franceses). Por causa das péssimas habilidades de negociação de Luís I, Portugal ficou apenas com as regiões africanas mais miseráveis e desgraçadas. Moçambique, Guiné-Bissau e companhia lamentaram profundamente.

Durante seu governo, assinou sem ler montanhas de acordos com potências como Reino Unido, Espanha e Holanda pois acreditava ferrenhamente na boa fé de seus parceiros. Por causa de toda sua bondade é considerado até hoje um dos mais mal sucedidos reis de Portugal, durante sua regência nenhum árabe foi caçado e os ingleses cansaram de passar a perna em Portugal.


Precedido por
D. Pedro V
O rei bonzinho demais para ser rei daquém e dalém-mar em África
18611889
Sucedido por
D. Carlos I
v d e h
Grandes Padeiros de Portugal