D. Sancho II

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Se vəndalizarish, um bäenfiquista vai atrás də tua mãe

Cquote1.png 4º rei, Sancho II. Cquote2.png
Mensagem Subliminar sobre D. Sancho II

D. Sancho II foi o quarto rei de Portugal, mas se tornou mais conhecido por ter percorrido a Europa com seu amigo de infância e ditador espanhol, D. Quixote. Ele foi precedido pelo pai e sucedido pelo filho irmão.

Infância[editar]

Jesus D. Sancho II, regendo a ópera.

D. Sancho II é filho de D. Afonso II, que resolveu homenagear o pai D. Sancho I, que vivia perseguido pela maldição do número 42 2. Então ele foi batizado como Sancho. Ele nasceu em 1209, na Universidade de Coimbra, pois a mãe, Dona de casa Urraaaaaca! de Castelo Castelha, participava de um curso de alfabetização para adultos.

Como tinha uma mãe espanhola, ele conviveu bastante com a corte daquele país, especialmente com o herdeiro do trono, o infante Quixote, e passavam horas lendo histórias de povos mágicos e contos de fadas, especialmente daqueles caras que não tinham nada pra fazer e saiam mochilando pela Europa em cima de um cavalo com a desculpa de salvar donzelas, combater dragões e etc, também chamados de cavaleiros, e se encantaram com a possibilidade de virarem um desses.

Adolescência[editar]

Agora mais velhos, começaram a treinar para virarem soldados e poderem percorrer todo o continente. Esse treinamento consistia de ler livros, ler livros, imaginas e ler livros; para não mencionar as horas de leitura.

Contudo, eles não passaram no treinamento militar do exército português e espanhol, mas especificamente no teste escrito, mas mesmo assim pegaram um cavalo qualquer, um jumento e saíram Europa afora(eles se demoraram mais especificamente na República Checa), libertanto ladrões, vandalizando moinhos de vento e demais cagadas.

Foi na adolescência que Sancho assumiu o trono português, em 1223, depois de voltar de viagem da República Checa, ao saber que seu pai tinha morrido de doeças venéreas adquiridas na relação sexual com a mãe de Sancho. Então ele assumiu a responsabilidade com o nome de Sancho II, fazer o quê? Logo ao virar rei, ele já teve que arrumar problemas com o Vaticano, pois o papa não botava nenhum pedido de "botar na conta" do rei anterior. Sancho II afirmou que seu pai(o dele, não o seu) tinha razão, e se recusou a negociar com o Vaticano sem botar na conta ou poupança de ninguém. O papa, com medo, aceitou negociar.

Tentativa da Conquista dos Algarves[editar]

Cruzeiro do Sul tosco Bandeira de Portugal no tempo de D. Sancho II

Durante esse reinado, Portugal tentou tomar os Algarves, uma província ao sul de Portugal que pertencia aos mouros. Como qualquer coisa árabe, os Algarves estava afundando em petróleo, e os gajos estavam de olho nisso. Contudo, a campanha militar seria um desastre, pois os soldados não estavam preparados para combater homens bomba,aviões desviados da rota orginal e coisas relacionadas.

Ainda assim, os portugas combateram corajosamente um exército estando em número inferior, usando armas de qualidade inferior, enquanto o rei permanecia seguro no castelo. Revoltados, os soldados... se revoltaram, ora! Assim, a força que deveria ajudar o rei a espandir o império português estavam agora tentando realizar um golpe militar.

D. Sancho II, nome verdadeiro "gey da rua da alegria", foi conhecido pela merda que fez ao ajudar a genoveva no roubo do secador do gocu. Infelismente para ele foi enforcado e torturado na prisão das conas mal lavadas.

Velhice e Morte[editar]

Abalado pelas derrotas militares em Algarves, Sancho II conseguiu se manter no poder, graças a seu velho D. Quixote, agora rei da Espanha. Traumatizado pelo fracasso militar, D. Sancho II nunca mais tentaria se intrometer novamente em assuntos externos, deixando essa missão para seu Ministro das Relações Exteriores e futuro sucessor, seu irmão D. Afonso III.

Contudo, o próprio irmão estava cansado de servir ao rei. Ao saber disso, Sancho II enviaria o irmão para ser diplomata na França, para afastá-lo de Portugal. Contudo, Afonso voltaria e derrubaria Sancho do trono e o exilaria na Terra do Nunca, onde Sancho morreria em 1248.


Precedido por
D. Afonso II
Período em que D. Sancho II I foi Ditador Padeiro Rei de Portugal
1223 - 1247
Sucedido por
D. Afonso III
v d e h
Grandes Padeiros de Portugal