Sebastião de Portugal

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de D. Sebastião)
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Cuidado: Ä qualquêr mumento, Napolião podə quirer-tə invədir

Cquote1.png É claro que eu desapareci de Portugal! Ó gajos, acham que vou ficar a andar pelo Reino com essa saia de ferro?! É uma vergonha opá! Cquote2.png

Cquote1.png D. Sebastião? Vocês colocaram a foto dele em caixinhas de leite? Isso ajuda muito na busca Cquote2.png
Interpol sobre sumiço de D. Sebastião
Cquote1.png Hei, nem vem... esse daí não fui eu! Cquote2.png
Kira sobre sumiço de D. Sebastião
Cquote1.png Sou apenas um rapaz que é a Reencarnação de D. Sebastião! Cquote2.png
Belchior sobre sumiço de D. Sebastião
Cquote1.png Avião sem asa, fogueira sem brasa... Sou eu assim sem você! Cquote2.png
Portugueses sobre D. Sebastião

D. Sebastião de Avis, também conhecido como: D. Sebastião, o Desejado; D. Sebastião, o Imortal; D. Sebastião, o Desaparecido; D. Sebastião, o MIA; D. Sebastião, o AWOL; D. Sebastião, o Away; entre inúmeros títulos, foi o 16º Rei de Portugal.

Após sua morte, desaparecimento, abdução, rapto, sequestro fuga os eventos da batalha de Alcácer-Quibir, seu nome passou para a lenda dando origem ao Sebastianismo, ou seja seus tolos incrédulos, El Rei vai voltar! Ele voltará com o Fogo Santo e purificará a Terra!. Depois de seu sumiço, instala-se uma desordem enorme, que culmina na sodomização total de Portugal, que passa a pertencer à Espanha.

Juventude[editar]

A vida de El Rei, no começo, não foi muito interessante. Como todo personagem lendário, ele foi um homem, antes de ser homem foi menino, antes de menino foi um bebê, antes de ser um bebê um feto, e antes de ser um feto... Bom, já deu para vocês entenderem.

É consenso entre os historiadores que, quando jovem, D. Sebastião possuia uma inteligência e astúcias nunca vistas em todo o Portugal. Esse foi começo da sua lenda, O Português Inteligente.

Reinado[editar]

Ao suceder o rei D. João III, Sebastião mostrou-se um rei inovador e sábio, um tanto heterodoxo, ao ser questionado que nome assumiria ao ascender ao Trono ele respondeu:

Cquote1.png Chega de Jóões e Mánuéis, nem Jósé ou Mâria, serei Sebástião! Eu sou seu Sebastokrator! Cquote2.png
D. Sebastião

Como nenhum português tinha a mínima noção de grego, (os últimos tinham morrido no tempo de Vespasiano) ficaram com o Sebastião mesmo.

Desejoso em expandir o poder "Purtuguêis", El Rei lançou uma campanha expansionista, a operação "Pasteizinhos de Bélem-Bacalhau do Porto", com objectivo de conquistar de facto todos os territórios do seu título real, resolvendo começar com África. E assim começou sua campanha e a Batalha de Alcácer-Quibir.

A Batalha de Alcácer-Quibir[editar]

O que D. Sebastião planejava ser a primeira batalha de uma campanha gloriosa, o pavimento para o caminho do César Luso, foi seu maior fracasso. Um rei que ansiava conduzir legiões devotas esqueceu que comandava um exército de portugueses e mercenários maltrapilhos. A estratégia de lançar coquetéis do Porto inflamáveis aparentemente não deu certo.

D. Sebastião desapareceu ou foi morto nesta batalha. Portugal foi lançado no Caos. Seu primeiro, e único como a história demonstraria, rei definitivamente inteligente sumira na batalha.

Sebastianismo[editar]

Pesquisador analisa lista de farsantes que querem se passar por D. Sebastião

Esse não seria o fim para D. Sebastião, não meus amiguinhos, o homem deveria morrer para a Lenda nascer. E nasceu, nasceu a Lenda de D. Sebastião, Aquele que Voltará, Aquele que Dorme mas Irá Acordar. Diz a lenda que o Rei mais Inteligente ira voltar e levar os Lusos a idade D´Oro.

Durante os séculos surgiram várias teorias e suposições do que acontecerá com D. Sebastião, eis algumas:

  • D. Sebastião fugiu para o interior da África, tornando-se D. Sebastião, o Africano. Ele, sob essa condição, seria ancestral do Sebastian e da Vera Verão, herdeiros legítimos do Trono Português.
  • D. Sebastião foi para a Índia, onde virou um guru
  • D. Sebastião era um agente dos reptilianos, toda a batalha de Alcácer-Quibir seria um teatro para facilitar sua extração
  • D. Sebastião seria o Muad'Dib e teria bandeado para o lado dos marroquinos.
  • D. Sebastião era gay e aproveitou para fugir do reino após a batalha, pois não aguentava mais as piadinhas.
  • D. Sebastião fugiu para o Marrocos, pois ficara encantado com essa história de harém e queria ver um de perto.
  • D. Sebastião fugiu para não pagar a pensão de seus 73,5 filhos bastardos.
Ptbosta.gif
Alien.gif

Este artigo trata de conspirações e seu autor sumiu misteriosamente enquanto o escrevia.
Seja útil pelo menos uma vez na vida e em nome de D. Sebastião ajude a escrever mais artigos!
Senão você poderá ser o próximo...

Até hoje existem seguidores do finado-desaparecido-fugido-abduzido El-Rei, em geral são poucos, mas ruidosos, eis um exemplo: óóóóó panhonhas!!! Se é pra escreveres bostas á cerca dos reis Portugueses NAO ESCREVAS SIM?! Nao tem piada nenhuma!!! Os portugueses nao gozam com outros povos e é má educaçao tarem a gozar a sua historia...!!! --' Bazaaaa.

Pela assinatura, pesquisadores aventam a hipótese do culto ter se espalhado pelas colônias portuguesas, já que Bazaaaa é um típico nome africano. Sem contar que a grafia errada de a cerca, que não tem crase, sem contar que o OOO é fechado (na mistura luso-índia que falam lá no Brasil, pois em português correcto, o falado em Portugal, a vogal é aberta, diz-se Ó e não Ô! Aprendam a falar que não vos fazia mal absolutamente nenhum), portanto seria ÔÔÔÔÔ Panhonhas. Tudo indica que é um remanescente sebastianista de um enclave perdido em que a língua portuguesa está se transmutando em uma variante, como no caso sebastianês. Estes cabrões são mesmo ótarios.

Farsantes[editar]

Após seu desaparecimento, diversos impostores vieram a público alegando ser D. Sebastião, eis alguns deles:


Precedido por
D. João III
Rei de Portugal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor do Comércio, da Conquista e da Navegação da Arábia, Pérsia, Índia, Aquele que Tentou e Não Consegui, Ai Jisuis!
1557 - 1578
Sucedido por
Cardeal D. Afonso Henrique