Death (banda)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Para outros significador de Death veja a desambiguação.


Passarinho.jpg

Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.
Certamente, fãs idiotas alienados odiarão este artigo!!


Death (banda)
Metalmaniacsrevolutionizingdeathband2mk5.jpg
Os "cara" do Death Metal. Nunca haverá igual!
Origem Icons-flag-us.png Americana
País E, U e A
Período 1983 - 2001
Gênero(s) Gore Metal Death Metal
Gravadora(s) Sons Angelicais Records
Integrante(s) Uma porrada, mas só basta esse: Chuck Schuldiner.
Ex-integrante(s) {{{exintegrantes}}}
Site oficial {{{site}}}


Babel fish.gifTraduzindo: Morte
Babel Fish sobre Death (banda)
Cquote1.png Você quis dizer: Death Metal? Cquote2.png
Google sobre Death (banda)
Cquote1.png Minha fonte de inspiração, sem eles não seria ninguém! Cquote2.png
Muhammed Suicmez sobre Death
Cquote1.png Du caralhooooooo!!! Cquote2.png
Qualquer Metaleiro sobre Death
Cquote1.png Fodaaaaaaaa!!! Cquote2.png
Outro Metaleiro sobre Death
Cquote1.png Queria tocar e cantar como ele. Cquote2.png
Você e Eu sobre Chuck Schuldiner, vocalista do Death (banda)
Cquote1.png Spirit Crusheeeeeeeeeeeeeeeeeeeeer!!! Cquote2.png
Chuck Schuldiner em mais um dos seus momentos de god.
Cquote1.png Aaahh....conheço, Death Magnetic né? Do Metallica? Cquote2.png
Idiota Alienado sobre Death
Cquote1.png You know so much about nothing at aaaaaalllllllll!!! Cquote2.png
Chuck Schuldiner sobre o rapazote acima
Cquote1.png Nossos ídolos, mas nós somos melhores... Cquote2.png
Dream Theater sobre Death
Cquote1.png Blasfêmia!! Cquote2.png
Deathmaníaco sobre a citação acima

Death (Vida Eterna), melhor conhecida como Défi, é uma banda de Death Metal americana, que tinha como frontman, líder, dono-proprietário, compositor, empresário ninguém menos que Chuck Schuldiner, o mestre de todos os mestres do Death Metal, e um dos maiores, quiçá o maior, propagadores desta linda e perfeita religião, o Death Metal.

É dessa banda que você vai aprender a gostar, nem que seja forçado!

História[editar]

Este foi o instrumento utilizado para mudar a vida de muitas pessoas, inclusive a minha e a sua!

Em um belo sábado de sol, aluguei um caminhão, pra levar a galera, pra comer feijão... domingo ensolarado, enquanto fazia um churrasco com seus familiares, Chuck Schuldiner, cansado de ser apenas mais um metaleiro qualquer no mundo, resolveu que mudaria para sempre alguma coisa na história da humanidade, mas só não sabia exatamente o que seria. Até que um dia, seu tio, um maconheiro e beberrão viciado em Heavy Metal o presenteou com um instrumento musical, mas não um mero instrumento musical como tantos e tantos espalhados no mundo afora, seria "O" instrumento, e seria através deste instrumento que vidas seriam transformadas, que almas seriam libertas e que pessoas mudariam sua forma de pensar, de agir, de falar, de sentar, de deitar e principalmente, de cantar, tocar e urrar.

Com o passar do tempo, e inspirado em guitarristas como Tom Morello, Juninho Afram, Kiko Loureiro e John Petrucci, Chuck, já com uma técnica infinitamente superior às das suas inspirações, resolveu montar sua própria "bandinha" de garagem, o "Mantas". Por ser um fissurado em anatomia humana, nas doenças que podem matar facilmente um ser humano, nos diversos males em que podemos padecer, e nas diversas formas brutais, sanguinárias e bizarras que todas as pessoas que estavam vivas morreriam, além da própria fragilidade de nosso corpo Chuck viu-se um admirador da morte, e portanto, um autêntico guitarrista de Death Metal.

Vendo que ainda não havia influenciado pessoas o suficiente, e que da forma que as coisas estavam acontecendo ele seria apenas mais um bom guitarrista de uma banda fuleira que ninguém conhecia, resolveu se retirar da banda, e ir para uma ilha deserta, onde lá, com a inspiração do Deus Metal, evoluiria sua técnica para um nível ainda não alcançado por nenhum ser até os dias de hoje.

Ao voltar da ilha e descer do navio no porto de Santos, Schuldiner deu de frente (ui!) com um mendigo tocando guitarra, e o convidou para tocar juntos pelos bares desta pacata cidade. Como esse mendigo conhecia mais outros dois mendigos instrumentistas, os chamou para unirem-se à eles, e assim foi feito. Estava formada, por mendigos e um quase mendigo, a banda que iria mudar a vida de muitas crianças, jovens, adolescentes em todo mundo, porém eles ainda não sabiam.

Grande fã da banda ouvindo Death no seu Mp3 Player.

Com os ensaios cada vez mais produtivos, e com muitas músicas excelentes já compostas, eles começaram a tocar nos bares de Metal do Inferno mais undergrounds dos States e assim, foram divulgando suas músicas, e à medida em que tocavam em bares diferentes, começaram a ganhar muitos fãs, ao ponto de já terem um fã-clube formado na sua quinta apresentação. Mas como eles eram metaleiros e metaleiro que se preze não quer saber de fã-clube, eles trataram logo de acabar com essa macacada.

Como a banda ainda não tinha um nome, eles trataram logo de ir pensando em vários e vários nomes, sem que todos chegassem a um acordo. Surgiram muitos nomes como: Odete, Dete, Desce, Fede, Morte,Porra, Caralho e Filhos da Puta. Até que, pra variar, Schuldiner teve a mirabolante ideia de batizar banda de Death, uma vez que suas letras só falam de morte, formas de morte e coisas relacionadas a mesma, além do que, colocar Morte (em português) não era boa ideia, pois em português fica muito sem graça, e em inglês o nome soava melhor. Surgia assim, a maior e melhor banda de todos os tempos, o DEATH.

Já com o nome definido, e com o grande sucesso underground que a banda fazia, a gravação de LP's seu primeiro disco seria uma questão de tempo, bem pouco tempo, muito pouco mesmo. Na verdade, eles já tinham umas 42 fitas demo gravadas. Assim, começaram a enviar essas fitas à todas as gravadoras de Metal do Inferno do Demônio disponíveis no mercado, sendo aceita em todas elas, com isso, tiveram o luxo de escolher a gravadora de seu agrado para começarem a vida como profissionais do Metal, sendo que a gravadora vencedora foi a Sons Angelicais Records.

Com a gravação de seu primeiro disco, o Scream Bloody Gore em 1987, a banda passou a ser conhecida em todo o universo, colocando definitavamente seu nome nos anais da história do metal!!! Hail!!

Discografia[editar]

Scream Bloody Gore[editar]

Capa do primeiro álbum...altamente bizarro e bom!

Scream Bloody Gore é o primeiro álbum de estúdio da banda, gravado em 1987, e que teve a maioria de suas músicas vazadas precocemente no Seu Toba, fato que não impediu que este Cd ficasse marcado para sempre na história do Death Metal, mesmo que de forma negativa. Ele também expressa aquilo que o grande mestre pensa a respeito de morte, sangue, tripas, corpos esfolados e demais brutalidades.

FAIXAS

1 - Infernal Death (Morte Infernal) - Como não podia ser diferente, a banda chega logo dando (dando não, porque Death Metaller não dá porra nenhuma) mostrando o seu cartão de visitas com uma música extramente brutal, masoquista e foderosa.

2 - Zombie Ritual (Ritual dos Zumbis) - Essa faixa diz um pouco sobre o ritual de iniciação de um zumbi na magia negra, e como transformar um cadáver em um zumbi para que este venha a destruir a humanidade. Como não podia ser diferente, esta música é igualmente brutal e impiedosa com nossos ouvidos.

3 - Denial Of Life (Negação da Vida) - Assim como as guerras matam, as doenças matam igualmente. Porém, nesta música, as mortes são brutais (pra variar), e as doenças dilaceram o corpo do indivíduo, reduzindo-o a pó.

4 - Sacrificial (Sacrificante) - Diz sobre coisas que você pode oferecer em sacrifício ao seu deus, como por exemplo: gatos, cachorros, coelinhos, jovens virgens, sua mãe e você mesmo.

5 - Mutilation (Mutilação) - Descreve as diversas formas que um corpo pode ser mutilado, como eram feitas as mutilações na Idade Média, as formas de torturas que levavam à mutilação, e as doenças que nos fazem perder membros do nosso corpo.

6 - Regurgitated Guts(Vomitando as Entranhas) - É morte na certa. Pode ter certeza. Uma música com níveis elevados de brutalidade e psicopatismo. Use sua criatividade para imaginar o que pode ter sido escrito e cantado nessa música.

7 - Baptized In Blood (Batizado em Sangue) - É o batismo que todos os jovens que querem fazer pacto com o diabo fazem para selar suas almas ao inferno.

8 - Torn To Pieces (Transformado em Pedaços) - Traduzindo, esquartejamento. Uma forma antiga de tortura e morte. É a mesma coisa que Chuck fez com seu gatinho quando este tinha pouco mais de 3 anos de idade. Amarrando o pobre felino em seus carrinhos de controle remoto, e acelerando-os simultaneamente, Chuck pode perceber como pode ser legal ver um gato divido em 5 partes.

9 - Evil Dead (Morto DUMAU!!!) - É o demônio responsável por matar aqueles jovens batizados no sangue no ritual descrito na faixa "7".

10 - Scream Bloody Gore (Gritando Mutilações Sangrentas) - Imaginem o grau de psicopatia nesta música. O cara era um enlouquecido por todo o tipo de mortes, e tudo mais, e ainda conseguia ouvir o barulho que fazia o sangue coalhado de um cadáver recém-morto e falecido.

BÔNUS

11 - Beyond The Unholy (Além do Profano) - Sugere outras coisas que podem ser feitas ao profanar túmulos, igrejas, cadáveres entre outras coisas.

12 - Land Of No Return (Terra sem Volta) - Claramente se refere à ilha de Lost. Mas claro, com pequenas pitadas de psicopatia e com mortes altamente brutais, sanguinárias e impiedosas.


Integrantes[editar]

O mestre dos magos dos mestres. Toda reverência seja dada à ele!!!

Como os membros da banda eram ex-mendigos, estes tiveram uma pequena recaída e sumiram durante dois dias, sendo encontrados numa feira a pedir esmolas para voltar pra casa (sim, agora eles tinham casas!), Chuck teve que assumir tudo durante as gravações, menos a bateria, qua já havia sido gravada dois dias antes do sumiço de todos os integrantes. Então, ficou assim nos créditos:

Leprosy[editar]

Segundo álbum..o retrato da Lepra.

Segundo álbum da banda, lançado em 1988. Como este álbum foi gravado no mais absoluto sigilo, não vazou nenhuma faixa dele pela internet, e quando foi lançado, foi um sucesso. Undergroundmente falando, claro. E para a surpresa de todos, este álbum, ao contrário do primeiro, não fala tanto em morte, sangue, esquartejamento, entre outros, trás alguns relatos de pessoas que passaram por situações difíceis na vida, e seus conselhos pra quem ainda não passou e pode passar por tais situações.

FAIXAS

1 - Leprosy (Leproso) - Diz a respeito da lepra e os males que ela causa ao corpo, como feridas expostas rodeadas por moscas, escorrendo coisas nojentas dela, entre outras coisas.

2 - Born Dead (Nascido Morto) - Essa música é o triste depoimento de uma pessoa após nascer morta. O que ela sentiu, coisas que ela viu no momento em que havia nascido morta, e o principal, sua experiência em nascer morta e o que ela aconselha a todos os que porventura nascerem mortos.

3 - Forgotten Past (Passado Esquecido) - A continuação do depoimento desta pessoa que nasceu morta, aqui ela dá os conselhos, e mostra que tipo de atitude deve ser tomada se uma pessoa nascer morta.

4 - Left To Die (Deixado para Morrer) - Essa é a história de um jovem abandonado por seus pais no campo de guerra. Diz sobre o que ele passou ao acordar pela manhã e ver sua cidade sendo destruída pelos americanos, e o seu sentimento ao ver que sua família o havia abandonado com uma placa escrito "PAZ e AMOR" pendurada em seu pescoço, que mais tarde seria decepado por um Samurai.

5 - Pull The Plug (Puxe o Plugue) - E você pensava que Matrix era um mero filme de ficção científica? Antes mesmo de ser lançado, Chuck teve um sonho no qual descrevia uma experiência similar a do filme. O tal sonho transformou-se nessa música.

6 - Open Casket (Caixão Aberto) - Voltando aos velhos costumes, Schuldiner descreve o sentimento e reação de algum curioso ao tentar ver dentro de um caixão aberto.

7 - Primitive Ways (Caminhos Primitivos) - Se hoje há uma reclamação de como os pais corrigem seus filhos, deveriam ouvir essa música e entender que antigamente as coisas eram muito piores. Se um filho respondesse, tinha um dente arrancado sem anestesia, se uma criança mexesse onde não devia, tinha as unhas arrancadas e era jogado sal no local, entre outras coisas que se fossem praticadas hoje em dia, o mundo seria diferente.

8 - Choke On It (Estrangulamento) - Descreve o tipo de morte mais comum nas cadeias, quando o preso não tem nenhuma expectativa de vida, sem nenhum motivo para viver, ele toma atitudes drásticas, como o estrangulamento de si próprio, vulgo suicídio.

FAIXAS AO VIVO

São algumas músicas deste cd, só que tocadas ao vivo (O rly?).

09 - Open Casket

10 - Choke On It

11 - Left To Die

12 - Pull The Plug

13 - Forgotten Past

Integrantes[editar]

Neste álbum, diferente do anterior, teve a participação de alguns integrantes da banda no processo de gravação, porém o baixista, pra variar, estava sumido a pouco mais de 2 semanas, sem dar notícias. Então, ficou assim nos créditos do cd:

Spiritual Healing[editar]

Capa do terceiro álbum, mostrando o pastor prestes a acertar um pescotapa no sujeito da cadeira de rodas. Legal, né?

O terceiro álbum de estúdio da banda, é uma crítica aos idiotas que tentam buscar a cura de sua doença incurável nas reuniões da Igreja Universal. E este álbum tem uma novidade, algo raro de acontecer com a banda. Logo depois das músicas vocês saberão quais são.

FAIXAS

1 - Living Monstrosity (Monstruosidade Viva) - Essa música diz a respeito das deformidades causadas por doenças, coisas extramentes bizarras, como um olho na testa, pessoas sem braços,etc.

2 - Altering The Future (Mudando o Futuro) - Como o destino de todas as pessoas é a morte, essa música mostra que muitas religiões tentam mudar o rumo da vida (ou da morte) ressuscitando os seus mortos. Isso quase sempre é frustrado pois os mesmos não têm o suficiente pra isso.

3 - Defensive Personalities (Personalidade Defensiva) - Uma autocrítica às pessoas sem opinião própria, idiotas, estúpidas e burras, que buscam na religião uma forma de combater os seus medos, não de superá-los.

4 - Within The Mind (Entrando na Mente) - A lavagem cerebral feita pelas religiões de todo o mundo é também exposta, bem como os seus métodos e todos os seus segredos.

5 - Spiritual Healing (Cura Espiritual) - Na verdade, essa música é uma tiração de sarro. Diz que cura espiritual não existe, que não existe Deus, que os pastores são mercenários e que todo mundo se foda! Chega quase a ser uma música punk!

6 - Low Life' (Vida Baixa) - Uma música composta quando Schuldiner estava jogando Mortal Kombat, e trouxe para a nossa realidade o termo Low Life, comparando a hora da morte na vida real com a hora em que você morre no jogo e leva um Fatality.

7 - Genetic Reconstruction (Reconstrução Genética) - A explicação para as "Curas Espirituais" está nessa música, simples não?

8 - Killing Spree (Matança) - Deve ser uma das melhores mortes de alguém pode ter. E foi baseado nessa filosofia que Schuldiner compôs esse som da pesaaaaada!

Integrantes[editar]

E um milagre aconteceu!!! Todos os integrantes participaram da gravação deste CD, claro, pois como estava cansado de levar bolo dos antigos integrantes, Schuldiner deu as contas aos bebuns que faltaram na gravação dos CDs anteriores e chamou profissionais de verdade.

E você me pergunta, o que aconteceu com os outros? E eu lhe respondo: Não sei... acho que já morreram.

Segue os integrantes que gravaram o CD:

Human[editar]

O ser humano como ele é por dentro.

Para muitos, inclusive para mim, um dos melhores cd's desta banda. Altamente foderoso!

FAIXAS

1 - Flattening Of Emotions (Achatamento das Emoções) - Na verdade ele quiz dizer: Aguenta Coração, mas como esse jargão é muito utilizado por um tal de Galvão Bueno, ficou como tá mesmo.

2 - Suicide Machine (Máquina de Suicídio) - Conta a história de um jovem que perdeu o emprego, a família, a namorada, o cachorro, a carteira e a cueca e se matou mais de 34 vezes.

3 - Together As One (Juntos como um) - Música positivista (que por incrível que pareça não fala de mortes) que faz um apelo para que a humanidade se junte em prol da melhoria das condições de vida dos menos favorecidos. Precisamos ser um, para que todos sejam iguais!!!!

4 - Secret Face (Face Secreta) - Dentro de todos nós, existe um monstro pronto para matar e sodomizar! Somos todos maus, e todos vamos para o inferno e para a puta que pariu.

5 - Lack Of Comprehension (Falta de Compreensão) - Isso realmente é o que falta para entendermos os problemas do próximo, saber o que ele precisa antes de chingá-lo ou bater nele, temos que entender os motivos psico-sociais que os levaram a tomar qualquer tipo de atitude. Depois de entendido isto, podemos bater e sodomizá-los.

6 - See Through Dreams (Ver através dos Sonhos) - O espiritismo baixou em Schuldiner, que compos esse som sem noção e nem um pouco legal, se tratando da letra, pois o instrumental sempre é diferenciado.

7 - Cosmic Sea (Mar Cósmico) - Em uma de suas recaídas, Schuldiner estava chapado de tanta cana e compos essa música estilo anos 70, com muito sexo, drogas e rock'n roll. Yeah!

8 - Vacant Planets (Planetas Bagos Vagos) - O que sobrou do efeito das drogas foi usado nesta música.

Integrantes[editar]

Novamente, todo mundo levou um na bunda, e Schuldiner gravou esse CD com novos integrantes. Foram estes os músicos participantes:

Fate: The Best Of Death[editar]

Aqui, a capa da coletânea.

Entre o Human e o próximo cd a ser lançado, foi lançada esta coletânea com as melhores músicas do Death. Como era impossível colocar todas as músicas já que todas são excelentes eles foram eliminando-as no par ou ímpar.

As músicas deste cd eram:

01 - Zombie Ritual

02 - Together as One

03 - Open Casket

04 - Spiritual Healing

05 - Mutilation

06 - Suicide Machine

07 - Altering the Future

08 - Baptized in Blood

09 - Left to Die

10 - Pull the Plug


Individual Thought Patterns[editar]

Capa do referido álbum.

Neste álbum, Chuck Schuldiner está mais solidário e divide alguns solos de algumas músicas com o outro guitarrista. Esse Cd entrou na lista dos melhores cd's de metal da revista Guitar Hero Guitar Player e teve um clipe na MTV, para a tristeza dos fãs mais undergrounds da banda.

FAIXAS

1 - Overactive Imagination (Imaginação Hiperativa) - A mente de um psicopata está descrita aqui (talvez a própria mente do autor dela), uma pessoa sádica, maliciosa, mal, que toca o terror com as suas vítimas.

2 - In Human Form (Em forma humana) - Aqui, toda o tipo de maldade e "capetismo" está descrita. Formas de assassinatos, modos de tortura, entre outras atrocidades são comentadas.

3 - Jealousy (Inveja) - O mesmo sentimento que habita em todos nós, Schuldiner também sentiu. Mas aqui, ele fala em terceira pessoa, dizendo como faria e que tipo de atitude tomaria se tivesse ciumes de alguém. Podemos perceber que esse cd, poderia ser uma continuidade do Human", (ou não).

4 - Trapped in a Corner (Encurralado Em Um Canto) - Composta para os lobos e ursos, na tentativa de ensiná-los a como escapar das armadilhas deixadas pelos cruéis caçadores, uma música muito triste, que diz o que acontece com os animais após eles serem capturados por tais seres malignos.

5 - Nothing Is Everything (Nada é tudo) - Se você não tem nada, tem tudo, se não tem tudo, não tem nada. Pois que tem tudo, não tem nada e tem tudo, ao contrário de quem não tem nada que tem tudo porque não tem nada. Né?

6 - Mentally Blind (Mentalmente Cego) - Quem não consegue ver nada além das suas prórpias convicções está cego mentalmente. Você tem que ser mente aberta, aceitar as coisas como fruto da mudança da sociedade do mundo atual em que vivemos.

7 - Individual Thought Patterns (Padrões Individuais de Pensamento) - Faixa título do Cd, é mais uma crítica social aos egoístas que só querem matar os outros sozinhos. Assassinos solitários, psicopatas anti-sociais, todos estes são veementemente criticados por Schuldiner, que acha que todos que dividem do mesmo ideal devem compartilhá-lo, mesmo que seja pra matar os outros.

8 - Destiny (Destino) - De acordo com esta legra, o que você acha que é destino nada mais é do que as escolhas feitas são originárias de um HD que tem de tudo. Na verdade você não existe, é um fruto da imaginação de algum programador nerd e gordo que não tem mais o que fazer da vida.

9 - Out of Touch (Fora do Toque) - Música composta por todos da banda, diz que ninguém irá a merda nenhum de urologista, e que eles preferem morrer à ter q mostrar o pra algum macho.

10 -The Philosopher (O Filósofo) - Aqui, Schuldiner ataca de filósofo e diz o que acha sobre o motivo de estarmos aqui fazendo merda, ao invés de fazer música, como poderemos morrer e como ele acha que será sua morte.

Integrantes[editar]

Na gravação desse cd, o antigo guitarrista foi demitido, pois não sabia fazer solos, e Chuck estava cansado de fazer sempre os mesmos solos sozinhos. Então, contratou outro guitarrista pra dividir a responsa. Foram estes os que gravaram:

Symbolic[editar]

A capa do álbum, eu também não entendi, parece coisa do cão!!!

Lançado em 1995, foi composto, masterizado, remasterizado, mixado, divulgado e vendido por Chuck Schuldiner. Que estava muito puto com a equipe da gravadora que só queria saber de outras bandinhas da moda, e resolveu por a mão na massa neste álbum. Também considerado um dos melhores junto à crítica.

FAIXAS

1 - Symbolic (Simbólico) - O cd começa com os caralho. Uma porrada pra ninguém botar defeito. Chuck chinga a mãe de todo mundo e manda todo mundo ir tomar no cú.

2 - Zero Tolerance (Tolerância Zero) - Mais uma música mandando todo mundo que erra na vida ir tomar no . Ele tá muito puto com os ex-integrantes e resolve jogar indiretas para esses palhaços cachaceiros. Uma curiosidade: Schuldiner compôs esta música inspirado num famoso quadro do Zorra Total.

3 - Empty Words (Palavras Vazias) - Tais "Palavras Vazias" foram proferidas em uma declaração de amor. Como ele não tem nenhum tipo de aptidão pra esse sentimento, essa declaração ficou uma bosta e ele perdeu a mulher.

4 - Sacred Serenity (Sagrada Serenidade) - Ser sereno é mais que um dom, é uma coisa sagrada. E por ser sagrado, não faz parte das principais características de um metaleiro de verdade, visto que todos deve ser satanistas.

5 - 1,000 Eyes' (1.000 Olhos) - Conta a história de uma deusa que tinha mil olhos, mas era cega de todos eles. E nos ensina uma valorosa lição. De que adianta ter 1.000 olhos e ser cegueta? Porra nenhuma!.

6 - Without Judgement (Sem Jugamento) - No apocalipse, esse é o plano de Schuldiner: se esconder embaixo da sua cama para não correr o risco de ser jugado por Deus e ir para nas mãos do Capeta para ser atormentado eternamente.

Gene Hoglan após saída da banda

7 - Crystal Mountain (Montanha de Cristal) - Foi dessa música que a Xuxa plagiou seu grande sucesso, Lua de Cristal. Mas, ao contrário da versão da rainha dos baixinhos, essa música não é nem um pouco otimista e fala da montanha como sendo o lugar de onde começaria a destruição da humanidade, por Sara Connor.

8 - Misanthrope (Misantropo) - Mostra a aversão de Schuldiner à natureza humana em geral. Diz que se pudesse não seria um ser humano, mas sim, um ser superior. Se bem que ele já estava um patamar acima do grau de humanidade.

9 - Perennial Quest (Busca Inacabável) - O que ele buscava? Nem eu sei. Só sei que essa busca nunca terá fim.


Alguns anos depois, estas faixas foram gravas de forma instrumental, ou seja, sem os vocais (O RLY?).

Integrantes[editar]

Mais uma vez, foi demitido o guitarrista, o que mostra a insatisfação de Schuldiner em econtrar algum guitarra que preste! Participaram da gravação deste Cd:

The Sound of Perseverance[editar]

O ultimo trabalho gravado em estúdio! O melhor de todos os tempos!!!!

Este é o ultimo álbum oficial de estúdio da banda, pois um fim trágico anunciava-se e todos resolveram fazer deste, o melhor cd já lançado por eles, mas só não imaginavam que este seria um dos, senão o, melhor cd de Death Metal de todos os tempos. Senhoras e senhores, eu lhes apresento: The Sound of Perseverance.

FAIXAS

1 - Scavenger of Human Sorrow (Escavador da Tristeza Humana) - Por saber de sua grave doença, Chuck começou a ter outro pensamento sobre a vida, e o sentido de viver. Porém, não deixou de escrever suas letras sanguinárias e estupradora de vidas. Varredor das Tristezas Humanas nada mais é do que a Dona Morte em pessoa.

2 - Bite the Pain (Morda a Dor) - Masoquista por natureza, essa puta música (pra variar) fala a respeito da dor e as diversas formas de acabar com ela. Uma delas é mordendo-a até não sentir mais nada.

3 - Spirit Crusher (Esmagador de Espíritos) - Depois de sentir tanta dor, é neste ponto que fica teu espírito, triturado, moído, acabado. Mas ainda não é o fim, ainda tem muito, muito mais pra você!!!

4 - Story to Tell (História para Contar) - Todos nós, antes de morrer, temos nossas histórias para contar. Sejam elas boas ou ruins. Essa música é um meio resumo da vida deste grande músico, que agora convive com uma doença cruelmente mortífera.

5 - Flesh and the Power It Holds (A Carne e o Poder que ela Possui) - Como diz na bíblia: a carne é fraca. No caso desta música, é explicado o poder que a mesma possui sobre todos os que tem carne. Claro que os esqueletos não tem, logo eles não são dominados pelo poder da carne. Mas isso são outros 500.

6 - Voice of the Soul (Voz da Alma) - Completamente alucinado por sua doença, Schuldiner começa a compor músicas que antigamente não compunha. Mas nem por isso deixa de ser altamente magnífica. Esta é uma música instrumental onde o podemos claramente ouvir depois de muita maconha no rabo os sons da alma.

O baterista Richard Christy

7 - To Forgive Is to Suffer (Perdoar é sofrer) - Este som diz o quanto é dificil, praticamente impossível você perdoar alguém que lhe tenha feito um mal. E aconselha, já que você não consegue perdoar, foda-se, não precisa perdoar.

8 - A Moment of Clarity (Um Momento de Clareza) - De cara limpa (sem efeito de medicamentos ou drogas), essa música foi composta por todos da banda.

9 - Patokiller - Cover de Judas Priest, na verdade essa música podia ser do Death mesmo, já que ela é tocada tão bem, mas tão bem, que faz parecer que o Judas Priest é quem fez cover dessa música.


Integrantes[editar]

Pode-se dizer que esse é o Dream Team de qualquer fissurado em metal. Só músicos de primeira, um cd de primeira e claro, músicas de primeira categoria. Talvez tenha sido por esse motivo, por tão elevado grau de excelência que que Chuck Schuldiner morreu, visto que ele já não pertencia mais à raça humana. Componentes:

Live in L.A. (Death & Raw)[editar]

O cd beneficente lançado para agariar fundos ao tratamento de Chuck.

Um álbum de Death Metal lançado por uma boa causa, a tentativa de evitar a morte de Chuck Schuldiner. Todas as melhores músicas (de acordo com a revista Veja) de todos os álbuns tocadas ao vivo. Por uma boa causa, esse cd foi a grande despedida de nosso ídolo e herói eterno.

FAIXAS

1 - Intro / The Philosopher

2 - Spirit Crusher

3 - Trapped in a Corner

4 - Scavenger of Human Sorrow

5 - Crystal Mountain

6 - Flesh and the Power It Holds

7 - Zero Tolerance

8 - Zombie Ritual

9 - Suicide Machine

10 - Together as One

11 - Empty Words

12 - Symbolic

13 - Pull The Plug

O FIM[editar]

O discípulo tocando e pensando no mestre supremo!

Como tudo o que é bom acaba rápido, com o Death (banda) não foi diferente. Por volta de 1998, ano de lançamento do The Sound of Perseverance foi descorberto que o semi-deus do Death Metal Chuck Schuldiner estava com câncer no cérebro devido ao alto grau de inteligência e sabedoria do mesmo.

Foi feito de tudo para reverter esse quadro, sessões espíritas, macumba, oração na Igreja Universal, e por ultimo, um tratamento médico. Mas como era a vontade dos deuses maiores do Death Metal, em 2001 Chuck foi levado para outra dimensão onde somente os maiores de todos os tempos estão. Para tristeza de milhões de fãs.

Com a morte de seu líder supremo, a banda também acabou, mas foi deixado um legado de virtuosismo e técnica nunca vista e que muitos tentam fazer igual, mas não conseguem.

Mas Chuck deixou um herdeiro, uma pessoa que podia representá-lo na terra, não substituí-lo, pois substituir Chuck Schuldiner é praticamente impossível esse ser se chama Muhammed Suicmez, da banda Necrophagist.

Vejam e Babem, Mortais...[editar]

Ver Também[editar]