Descifras:Eduardo e Mônica - Legião Urbana

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.


Nuvola apps kcmmidi.png
Esta página é parte do acervo de Descifras

O melhor lugar para se pegar aquela tradução que você nunca viu.
Publicação 1900 e guaraná com rolha
Artista Legião Urbana
Gênero POP Rock
Duração 4:30
Gravadora EMO
Composição Renato Soviético
Letra
Tradução

Quem um dia irá dizer
Que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração?
E quem irá dizer
Que não existe razão?

Eduardo abriu os olhos, mas não quis se levantar
Ficou deitado e viu que horas eram
Enquanto Mônica tomava um conhaque
No outro canto da cidade, como eles disseram

Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer
E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer
Um carinha do cursinho do Eduardo que disse
"Tem uma festa legal, e a gente quer se divertir"

Festa estranha, com gente esquisita
"Eu não tô legal", não agüento mais birita"
E a Mônica riu, e quis saber um pouco mais
Sobre o boyzinho que tentava impressionar
E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa
"É quase duas, eu vou me ferrar"

Eduardo e Mônica trocaram telefone
Depois telefonaram e decidiram se encontrar
O Eduardo sugeriu uma lanchonete
Mas a Mônica queria ver o filme do Godard

Se encontraram então no parque da cidade
A Mônica de moto e o Eduardo de "camelo"
O Eduardo achou estranho, e melhor não comentar
Mas a menina tinha tinta no cabelo

Eduardo e Mônica eram nada parecidos
Ela era de Leão e ele tinha dezesseis
Ela fazia Medicina e falava alemão
E ele ainda nas aulinhas de inglês

Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
Van Gogh e dos Mutantes, de Caetano e de Rimbaud
E o Eduardo gostava de novela
E jogava futebol-de-botão com seu avô

Ela falava coisas sobre o Planalto Central
Também magia e meditação
E o Eduardo ainda tava no esquema
Escola, cinema, clube, televisão

E mesmo com tudo diferente, veio mesmo, de repente
Uma vontade de se ver
E os dois se encontravam todo dia
E a vontade crescia, como tinha de ser

Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia
Teatro, artesanato, e foram viajar
A Mônica explicava pro Eduardo
Coisas sobre o céu, a terra, a água e o ar

Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer
E decidiu trabalhar (não!)
E ela se formou no mesmo mês
Que ele passou no vestibular

E os dois comemoraram juntos
E também brigaram juntos, muitas vezes depois
E todo mundo diz que ele completa ela
E vice-versa, que nem feijão com arroz

Construíram uma casa há uns dois anos atrás
Mais ou menos quando os gêmeos vieram
Batalharam grana, seguraram legal
A barra mais pesada que tiveram

Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília
E a nossa amizade dá saudade no verão
Só que nessas férias, não vão viajar
Porque o filhinho do Eduardo tá de recuperação

E quem um dia irá dizer
Que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração?
E quem irá dizer
Que não existe razão?


Quem um dia irá dizer
Que você não pode se apaixonar
por uma pessoa totalmente diferente de você?
E quem irá dizer
Que você não pode se apaixonar
por uma pessoa totalmente diferente de você?

Eduardo abriu os olhos
mas voltou a dormir
porque era um vagabundo
Enquato Mônica se embriagava
do outro lado da cidade,
como eles disseram

Eduardo e Mônica um dia
se esbarraram por aí
e trocaram umas palavras
Um inútil do cursinho do Eduardo que disse
"Tem uma rave legal, onde rola várias drogas"

Festa estranha, com gente esquisita
"Eu não tô legal, vou ter uma overdose"
E a Mônica riu
e quis saber um pouco mais
Sobre o carinha que tinha
se aproximado por interesse
E o Eduardo meio drogado
só pensava em ir pra casa
"São quase duas e eu vou me foder"

Eduardo e Mônica trocaram o telefone
Depois telefonaram
e decidiram se encontrar
O Eduardo sugeriu um boteco
Mas a Mônica quis
dar uma de culta e
quis ver o filme do Godard

Se encontraram então
no parque da cidade
A Mônica de moto
e o Eduardo de bicicleta
O Eduardo achou bizarro
mas achou melhor não comentar,
Mas a menina tinha porra no cabelo

Eduardo e Mônica não tinham
porra nenhuma em comum
Ela era de Leão e ele tinha dezesseis
Ela fazia medicina e falava alemão (nerd)
E ele falava mal o português

Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
Van Gogh e dos Mutantes,
de Caetano e de Rimbaud
E o Eduardo era um vagabundo
que só sabia assistir televisão

Ela discutia política,
Também magia e meditação
E o Eduardo era só um vagabundo
que só jogava video-game

E mesmo com tudo diferente, veio mesmo, de repente
Uma vontade de foder
E os dois se encontravam todo dia
e a vontade crescia, como tinha de ser

Eduardo e Mônica fizeram
uma porrada de coisa juntos,
até que os dois resolveram se casar
E a Mônica ensinou o Eduardo
coisas que ele não conhecia

Ele parou de se embebedar e arrumou um emprego
E ela se formou no mesmo mês que ele passou
no vestibular

E os dois comemoraram juntos e também
sairam na porrada juntos, muitas vezes depois
e todo mundo diz que ele completa ela
e vice-versa,
que nem feijão com arroz

Construíram um barraco na favela
a uns dois anos atrás
Mais ou menos quando
os dois filhos vieram
Roubaram, pediram dinheiro emprestado
para pagar as dívidas.

Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília
E a nossa amizade dá saudade no verão
Só que nessas férias, não vão viajar
Porque o filhinho do Eduardo é burro
e tá de recuperação

Quem um dia irá dizer
Que você não pode se apaixonar
por uma pessoa totalmente
diferente de você?
E quem irá dizer
Que você não pode se apaixonar
por uma pessoa totalmente
diferente de você?

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas