Deslistas:Bairros do Rio de Janeiro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deslistas.gif

Este artigo é parte do Deslistas, o sumário livre de conteúdo.

Bandeira rj.jpg "Coé, merhmão, eshte arhtchigo foi erhcrito porh CARIOCA!"

Não vandaliza, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia
pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.


Esta é uma lista de bairros da cidade do Rio de Janeiro.

Tabela de conteúdo

[editar] Zona Central

  • Centro da Cidade: Habitado de segunda a sexta por executivos e secretárias que movem a economia usando motéis no horário de almoço, no fim de semana apenas pivetes viciados em cola de sapateiro utilizam a região. Dominado pelo tráfico.
  • Estácio, Cidade Nova e Catumbi: Três bairros merdas que ninguém sabe que existe - pelo menos não de nome. Ficam entre a Tijuca e o Centro da Cidade. Na verdade, as únicas provas de sua existência são o metrô (responsável por parte da favelada população carente que desce da Baixada para ir à Zona Sul, uma vez que essa estação é que integra a Linha 1, da Linha Suja, também conhecida por Linha 2), a prefeitura (também conhecida como Antro do César Laranja Maia (agora Eduardo Paes)) e, claro, o sambódromo. Esse último é responsável, no Carnaval, pela concentração de bichas, prostitutas, gringos infelizes e políticos safados numa única área. Havia um presídio também, o que melhorava o status do local, mas infelizmente ele foi desativado, atrapalhando o comércio local de quentinhas e drogas, além de acabar como o estande de tiro ao alvo dos traficantes locais. Dominado pelo tráfico.
  • Lapa: Historicamente ocupado por prostitutas, drogados, mendigos, travestis e cafetões. Hoje em dia é ocupado por intelectuais, jovens metidos a estar na onda, pseudoprostitutas, drogados, mendigos, travestis e cafetões, mas limpinhos e de boa família. A Lapa faz parte da boemia carioca, onde existe de tudo lá, seja de pessoas ou de ritmos. Faz fronteira com a Glória (bairro do subúrbio da zona sul) e Santa Teresa. Dominado por putas, vagabundos, menores cheiradores de cola, travecos, assaltantes e obviamente pelo tráfico.
  • Santa Teresa e [Rio Cumprido] é Comprido ô analfabeto!: Lugares desertos, sombrios e decadentes. Já foram lar de uma classe média-alta, mas hoje são lar de uma classe média-miserável que habitam os milhares de morros do lugar. Os moradores do Rio Comprido insistem que moram, na verdade, na Tijuca (coitados). Dominados pelo tráfico.

[editar] Zona Sul


  • Flamengo: Flamengo é um bairro onde as pessoas pensam que vivem bem, quando na verdade vivem em meio a violência e ao lado de uma praia suja e fedorenta, apelidada carinhosamente por seus moradores de "Brejão". Geralmente as pessoas só passam por esse bairro quando querem ir a Copacabana ou para ver o Pão-de-Açúcar. Um dos sete bairros que formam o famoso "subúrbio da Zona Sul", que é composto dos bairros que ficam "além-túnel", onde só moram pessoas que nao possuem dinheiro para morar em Ipanema, Leblon, Lagoa, Joá, Barra, etc., mas querem poder dizer que "moram bem".
  • Bostafogo Botafogo: Idêntico ao Flamengo, só que aqui se concentram botafoguenses. O cheiro das praias remete a bosta, por isso é também chamado de Bostafogo. O cheiro se espalha também pelo interior do bairro, com a bosta dos zilhões de mendigos ali residentes sob as marquises. Se botá fogo num prédio, lambe tudo. Prédios velhos, apertados, cacarecos escuros e sufocantes. Paraíso da fumaça negra. Tem pardieiros, digo: favelas verticais, digo: prédios "famosos", sobretudo na orla, a começar pelo Rajá, atual Solimar (como se mudar de nome constantemente aplacasse a péssima fama), onde até morte por atropelamento no corredor do oitavo andar e operação policial com troca de tiros para prender o chefe do tráfico no prédio já aconteceu. Um verdadeiro caos. O trânsito sempre parado deixa traumas em qualquer um. A sujeira nas ruas é incomparável. Se realmente "botassem fogo" no bairro, a humanidade agradeceria. Um dos sete bairros que formam o famoso "subúrbio da Zona Sul"(vide explicação em "Flamengo"). Dominado pelo tráfico.
  • Copacabana: Copacabada é um bairro pra lá de decadente habitado por um bando de velhos que tentam fingir para si mesmos ainda serem da alta sociedade, junto com milhões de ferrados que moram lá em cabeças-de-porco, e prostitutas e travecos que moram em seus "privês". Apenas 1% da população de Copacabana não é miserável e mora num cacareco, digo: apê velho mas limpinho. A área é dominada por gays, lésbicas e mauricinhos que não querem ir para o subúrbio da zona norte. Habitam também a região anciões quase-mendigos esnobes, que fazem compras diárias na Av. Nossa senhora de Copacabana, onde qualquer cidadão que passa por ela exerce o direito democrático de ser assaltado por pivetes. Conhecido também pelas peruas velhas que passeiam (e são assaltadas) com poodles nas ruas e praças do bairro. Também é conhecida como Coca-bacana devido ao Copacabana Palace, hotel que num passado foi cassino/puteiro de luxo que já recebeu mais drogas que todo Complexo do Alemão. Dominado pelo tráfico, pela prostituição, por drogas e violência.Leia mais no artigo principal
  • Gávea: Acesso para Distrito da Rocinha, habitado por alunos da PUC, o bairro da Gávea é conhecido por ter 6 teatros vazios mas nenhum McDonald’s. Em breve terminará de ser engolido pela Rocinha. Neste bairro está situada a sede do Clube de Regatas do Flamengo; consequentemente, o local é completamente dominado não apenas pelo tráfico mas por todo tipo possível e imaginável de bandidagem.
Típico bairro residencial do Rio,
  • Glória e Cacete Catete: Num passado distante, já foram bairros muito nobres. Mas, com o passar dos anos, tanto luxo e requinte esvaíram-se e hoje os bairros se resumem a um corredor de passagem entre a zona sul e o Centro e a um dormitório de mendigos. Graças a eles e principalmente aos inúmeros favelados da região e aos bêbados dos bares ou Kombis com cerveja em isopor, os bairros têm aquele cheirinho de merda e principalmente mijo em todo canto, principalmente nas bancas de jornal no lado direito da Rua do Catete e na Silveira Martins perto ao bar Getúlio. Além dos mendigos e favelados (que respondem por 97% da população desses bairros), os outros 3% se dividem em: 1% - velhos falidos, principalmente portugueses, que empobreceram junto com o bairro e suburbanos que vão morar lá em vilas antigas, cortiços e quitinetes só para dizerem que moram na zona sul e não precisarem aguentar horas de trem ou ônibus até o trabalho, no Centro da cidade (mas na verdade os bairros destes suburbanos certamente estão menos degradados que a Glória e o Catete.); 1% - lésbicas aos montes andando de mãos dadas, carros antigos como a Ford Rural, lambretas, malucos e viados velhos; 1% - travestis, que fazem ponto na Glória e de vez em quando dão um passeio no Catete. Além das calçadas mijadas e lotadas de camelôs há que se notar a as fezes de cachorros pelo chão todo. Outro detalhe que você irá notar é que nas favelas da região só tem paraíba. Dois dos sete bairros que formam o famoso "subúrbio da Zona Sul"(vide explicação em "Flamengo").Dois bairros dominados pelo tráfico, pela camelotagem, pelo homossexualismo, pivetismo e travestismo.
  • Humaitá: Onde Adnet mora, e faz o programa 15 minutos. E também idêntico a Botafogo, que por sua vez é idêntico ao Flamengo. Mesmo assim seus moradores insistem em dizer que é melhor que Botafogo, como se isso significasse alguma coisa positiva. Um dos sete bairros que formam o famoso "subúrbio da Zona Sul"(vide explicação em "Flamengo"). Dominado pelo tráfico e pelo Marcelo Adnet.
  • Ipanema: Bairro da zelite decadente carioca e de turistas americanos e europeus atrás de sexo, drogas e pagode. Abriga as mulheres mais gostosas da cidade. Só que elas não moram no bairro, mas vêm da Tijuca, Méier, Campo Grande, atrás de um mauricinho com um carro bacana. Também frequentado por lutadores de jiu-jítsu e seus pit-bulls. Parece um grande estacionamento porque o trânsito fica parado das 8 às 23h. Como todo bairro da zona sul, foi criado originalmente para pobres sem carro, que agora estacionam seus "possantes" junto com os chevelhos e fuscões dos porteiros nas calçadas, em filas duplas, piorando o transito desse estacionamento a céu aberto, mas fazendo a festa dos habitantes mais comuns no local: os flanelinhas. Os moradores são neuróticos por causa dos buzinaços intermináveis. Já está sendo apelidado de Nova Botafogo. Concentra uma grande quantidade de drogados e gays em geral (nenhum outro bairro do RJ possui tantos boiolas, nem mesmo Copacabana com seu exército de travecos). Todos estes seres de sexualidade duvidosa encontram-se para fumar maconha na praia do bairro, mais precisamente em frente a Rua Farme de Amoedo. Dominada pelo tráfico e pelo mundo gay.
  • Laranjeiras: É tão ruinzinho que tem um palácio que nem o governador quer morar. O filme Melhor Impossível com Jack Nicholson foi inspirado nos moradores de Laranjeiras que andam nas ruas se desviando de cocô de cachorro. Habitados por gentinha (isso mesmo, gentinha) que adora contar uma vantagem, mas estão na verdade com o nome sujo em todas as financeiras cariocas. Cercados por favelas inimigas (Dona Marta e Morro Azul) e abrigando uma das favelas mais bravas da cidade (Cerro Corá, que na verdade fica no Cosme Velho, mas é tudo a mesma merda), é um bairro que pelo menos dá aos seus moradores muita emoção, digamos assim. Bairro de edifícios apertados e velhos de ex- moradores da Vila da Penha. A única vantagem do bairro é que os flamenguistas só o frequentam para zoar os tricolores, quando eles perdem. Aqui temos acúmulo de tricolores e viados (3 por quilômetro, mas pra eles é muito). Se você mora lá, acostume-se a ter seu pedido de carona sempre recusado: é fora de mão para qualquer lugar (seja mais educado e nem peça!). Abriga o Liceu Franco-Brasileiro, que é mais um lar de pseudo-prostitutas e pseudo-drogados. Um dos sete bairros que formam o famoso "subúrbio da Zona Sul"(vide explicação em "Flamengo"). É um bairro dominado pelo tráfico porque fumar, beber, cheirar e sentar são coisa de viado.
  • Leme: Um bairro fudido vizinho de Copacabana, cercado de pensionistas que residem lá há mais de 100 anos, prostitutas e travecos que à noite seguem para Copacabana, alguns velhos tarados e mulheres mal-amadas que tentam sobreviver as custas do dinheiro público, é comum se ver moradores de ruas desequilibrados fazendo suas necessidades no chão, os bares são centros de fofocas e a praia é uma concentração de sufistas maconheiros com pobres farofeiros com 4 ou 5 filhos. Seus prédios são cacarecos velhos mais degradados que barracos das favelas. É dominado pelo tráfico.
  • Leblon: É um bairro de zelite carioca que tenta imaginar que o Rio é só aquele pequeno trechinho de Ipanema até o Leblon e tentam não olhar para o lado, pra não verem as vizinhas favelas do Vidigal e Chácara do Céu (que está engolindo o bairro), nem pra dentro, pra não verem a Cruzada São Sebastião, os mendigos, flanelinhas, etc. Aliás, é melhor não olhar para lugar algum nem sair de casa, pois pode sobrar uma bala perdida! O Leblon já não tem o mesmo glamour, já que suas ruas foram invadidas por mendigos, paulistas, angolanos e cariocas do "Subúrbio da Zona Sul". Dominado pelo tráfico.
  • Lagoa: Bairro residencial carioca, tem vista exclusiva para uma bela poça d’água suja com direito a festival de mortandade de peixes e podridão. Por causa das duas bocas do Rebouças fica inacessível das 8 às 23 h. Conhecido como a Abaeté carioca. A lagoa tem a água escura e podre. Se você molhar as mãos na água pode escolher: tifo ou hepatite. Há poucas pessoas que moram no bairro, sendo parte deles astrônomos estudiosos do "buraco negro da Lagoa", onde desaparecem as bicicletas de todos aqueles que se atrevem a "dar uma voltinha na Lagoa". Por ser formado apenas de uma avenida não tem comércio, não tem opções de lazer, não tem shopping, não tem nada. Ah, tem tráfico. Na verdade se resume a uma avenida circular, com uma periferia de frustrados por não morarem nessa avenida podendo cheirar peixe morto de perto, que ainda assim dizem também morar na Lagoa. Os moradores passam a maior parte do tempo em outros bairros... Dominada pelo tráfico e mau cheiro.
  • Jardim Botânico: Bairro comercial e residencial, abriga a sede do Império Maligno da Rede Globo, é uma merda para morar, pois você tem de aguentar o fedor dos gambás do Jardim e não tem nada pra fazer, mas há quem diga que é melhor do que a Gávea (distrito da Rocinha). Como tem muito verde, o povo de lá só faz queimar o verde... Dominado pelo tráfico.
  • São Conrado: O bairro é dividido em duas partes, a oeste e leste, tendo no centro o Shopping Fashion Mall. Ainda há moradores da zelite carioca na parte oeste do bairro, mas estão todos migrando para a Barra. Bem, os apartamentos dessa zelite, de frente pro mar não dão vista pra Rocinha. Só pros seus moradores que pela manhã tomam sol, à tarde assaltam turistas e à noite se acasalam nas mornas areias do Pepino. Tem a maior favela do mundo, a Rocinha de um lado e do outro uma bem grande também, o Vidigal, que logo engolirá o resto do bairro. Dominado pelo tráfico.
  • Urca: Único bairro aposentado do mundo. Fora esse "detalhe", tem jeito de subúrbio com cheiro de subúrbio. Na verdade basta olhar pras ruas e casas velhas que se constata que é um subúrbio xexelento mesmo, inserido de penetra na zona sul. Está em estágio avançado o projeto para fundar uma favelinha ali no morro do Pão de Açúcar. O único passatempo dos moradores é tentar entrar na boate Noites Cariocas (dominada pelo tráfico) sem pagar a entrada ou o bondinho. Dominado pelo tráfico (Prova: Tropa de Elite)
Homens brincando de policia e ladrão

[editar] Zona Norte

  • Abolição: Um minúsculo bairro encravado entre Pilares, Piedade, Encantado e Engenho de Dentro(um eixo do mal entre esses bairros), conhecido pela putaria ao ar livre festa de rua que acontece anualmente no mês de julho e atualmente todo final de semana e atrai suburbanos de diversos bairros que buscam músicas(se é que se pode chamar de música) como funk e pagode. Dominado pelo jogo do bicho pela família escafura do bicheiro Piruinha, é cheio de policial baba-ovo do bicheiro para pegar dinheiro, tem também muito matador a serviço do bicheiro que com o tempo acaba indo pro saco também, não tem muito traficante, porque está cheio de moto-taxista que faz aviãozinho para pegar a droga. Muitos já são velhos e continuam vivendo disso. Como o vulgo Lionman.
  • Andaraí: Espremido entre a Tijuca, Maracanã, Grajaú e Vila Isabel, o bairro do Andaraí teve seus momentos de glória ao ser retratado na novela Celebridade, mas, atualmente, voltou a ser o que é na realidade: porra nenhuma. Confundido diversas vezes por seus limites, seus moradores admitem morar em todos os lugares adjacentes, menos no Andaraí (de preferência dizem morar na Tijuca, para ganhar um falso status de classe média incompreendida). Dominado pelo tráfico.
  • Bonsucesso: o bairro mais mal localizado da cidade, conseguindo a façanha de ser cercado por 17 favelas, e ainda sim ser o bairro mais evoluído da Leopoldina (nem queira saber como são os outros...). Bonsucesso é o bairro dos favelados emergentes, que querem ficar perto do trabalho e da família. Além disso, tem um comércio muito diversificado, com lojas de 1,99, financeiras, puteiros e diversos camelôs imundos e fedorentos além de um desfile diário de kombis podres e gente mais podre ainda dentro. Dizem lendas urbanas que ainda existem uns 142 moradores do bairro por lá, a maioria de classe mérdia, contra as 293.333.344.212,05 favelados que dizem morar lá quando na verdade moram em "comunidades da casa do caralho". Interessante notar também que Bonsucesso é o bairro com a maior concentração de viados do Subúrbio, tendo desfile noturno de bichas e a única sauna gay da região. Obviamente dominado pelo tráfico.
  • Brás de Pina: O bairro (desculpe, favela) com a maior concentração de analfabetos da Leopoldina, é um dos mais fudidos da cidade. Nem os moradores sabem dizer se o nome do bairro é "Bras, Brás ou Braz". Dominado pelo tráfico.
  • Campinho Bairro pobre e ferrado, fica espremido entre Cascadura e Madureira. Lá só tem lugares desertos e sombrios, e o que mais se vê lá só é morro, e no asfalto, umas pequenas e quebradas kitnets, fora a escola de samba Tradição, que só sabe repetir os enredos das outras escolas na avenida, e em seu pavilhão leva uma cacatua, que seus diretores e comunidade juram de pés juntos que é um condor, mas de condor não tem absolutamente nada, como já se comprovou. Quem mora lá diz que mora em Cascadura(como se fizesse diferença), dominada pelo tráfico. Seus moradores se orgulham de dizer que a Fernanda Montenegro nasceu lá, mas a atriz nem deve se lembrar desta tragédia em sua vida. Por incrível que pareça lá tem uma maternidade particular, vagabunda e bem barata: Maternidade Campinho.
  • Cascadura: O bairro (se é que se pode chamar de bairro) é composto por favelas e prédios estilo "retrô" (retrocedendo à cultura medieval). A única coisa boa de Cascadura é que a segurança é bem estabelecida, uma vez que os sequestros-relâmpago são abafados pela maioria da população vizinha (Madureira e Campinho) que tem coisa pior pra contar. Possui cerca de 1527 ônibus por habitante. Diariamente, é infestado por moradores da Baixada Fluminense que fazem a integração Ônibus-Trem. É um bairro dominado pelo tráfico.
  • Cachambi: Quer a todo custo fazer parte do Méier para se passar por nobre, embora nem o Méier seja isso. É basicamente constituído pelo Norte Shopping e por vilas e conjuntos condomínios, onde a fofoca rola solta.
  • Cavalcante: Bairro q abriga a tradicionalíssima escola de samba GRES Em Cima da Hora,mas na verdade seus integrantes só chegam atrasados para o desfile. Atualmente se desconhece o atual dono do bairro já q o antigo dono da boca foi morto numa ação da polícia
  • Colégio: O quê??? Tá de sacanagem que existe bairro com esse nome!!! (Ok, ok, ele existe mesmo, embora pudesse ser chamado de Ciep). Na prática é um bairro cortado em duas partes pela Estrada do Colégio: de um lado vive a parte mais pobre do bairro, e do outro a parte totalmente fudida. Consegue ser pior que Rocha Miranda (vide abaixo). Dominado pelo tráfico.
  • Del Gatilho Castilho: Se resume a algumas coisas: O shopping Nova América,pequenas favelas, Catedral da Igreja Universal do Reino do Dinheiro, ao grandioso rio Faria Timbó e ao maior matadouro do município do Rio de Janeiro – o PAM de Del Castilho. Temos dois conjuntos habitacionais principais: IAPI, onde os menos afortunados moram e é dominada por moradores que entraram para a PM e se acham alguma coisa; e o IV Centenário, onde os mais afortunados entre os menos afortunados vivem achando que são a ultima bolacha do pacote. Lá temos pagode aos domingos no Campo do Náutico, e cerveja bem gelada e com preço justo no Bar do Adriano, que ainda possui SKY (não é 'GATO' não). O domínio do tráfico fica nas pequenas favelas do bairro.
  • Encantado: É um bairro que não existe, está cadastrado por engano pela prefeitura. Prova disso é que sua maior referência é o Colégio Nossa Senhora da Piedade. Na verdade é a remanescência de um incidente entre o recém-empossado prefeito do Rio em 1879, o Campinense Barão do Anel Frouxo e o cartógrafo ex-escravo carioca João Pé de Mesa. Quando viu o mapa da cidade que o Pé de Mesa tinha feito, havia uma pergunta do cartógrafo destinada ao prefeito no topo: "Como você está meu amor?", ao que este escreveu: "Encantado!" Dominado pelo tráfico.
  • Engenho de Dentro: É um pardieiro onde a única coisa que presta é o recém construído Engenhão, Estádio de sétimo mundo que agora pertence ao Botafogo (um time pequeno, com uma torcida que não chega a 10 pessoas). O passatempo de seus moradores é ficar fofocando na fila do Guanabara (lembra muito Quintino). Atualmente é possível ver ervilhas sobre rodas circulando pelas ruas do bairro com o nome Mathias e o número 606 estampado nelas. Dominado pelo tráfico.
Cquote1.pngVocê quis dizer: InhaúmaCquote2.png
Google sobre Engenho da Rainha
É um bairro pseudo bairro sem graça, que tenta ganhar sobre fama os bairros de Inhaúma e Pilares(mesmo que não tão positiva), e moradores que brigam dizendo que certas ruas de Pilares e Inhaúma faz parte do Engenho da Rainha. O bairro tem 2 avenidas principais: a Estrada Velha da Pavuna, onde está a classe baixa do bairro, e Av. Automóvel Club, onde fica a parte miserável do bairro, onde encontramos o morro do Engenho da Rainha, onde só tem favelados metidos a ricos, tem um bailezinho funk e dizem que é uma festa rave.
  • Grajaú: Ideal para brigas em saída de festa, a definição correta para este lugar é "porra nenhuma", pois todos o consideram Grajaú um sub-bairro (mas não é da Tijuca, nem de Vila Isabel, não consegue nem ao menos ser do Andaraí). É habitado por poetas e músicos falidos, pessoas de classe média-alta (mas que estão igualmente falidas, e que por estarem falidas não podem mais pagar por jantares de luxo, e então se contentam em comer um churrasquinho na av. Júlio Furtado pra ficar se vangloriando de suas casas de praia em Araruama ou Cabo Frio que não possuem mais), além de bichas velhas torcedoras do Fluminense e, claro, traficantes. Nem precisa dizer que é dominado pelo tráfico.
Cquote1.pngVocê quis dizer: BonsucessoCquote2.png
Google sobre Higienópolis
Cquote1.pngVocê quis dizer: Cracolândia cariocaCquote2.png
Google sobre Jacaré
Cquote1.pngVocê quis dizer: Oasis do tráficoCquote2.png
Google sobre Jacaré
É uma favelona um bairro onde mendigos andam pela rua consumindo seu produto preferido, o Crack, onde também passa a temida linha Meia Vinte Morte 629, onde você não precisa pagar passagem para entrar. E mais do que óbvio... dominado por completo pelo tráfico!
Cquote1.pngVocê quis dizer: Cracolândia cariocaCquote2.png
Google sobre Manguinhos
Cquote1.pngVocê quis dizer: Faixa de GazaCquote2.png
Google sobre Manguinhos
Assim como o Jacaré, é uma favelona um bairro onde mendigos andam pela rua consumindo seu produto preferido o Crack, Por lá passam a Avenida Brasil e a Rua Leopoldo Bulhões, que dividem espaço com valões, que por sua vez disputam espaço com barracos e mais barracos...
E dominado... Pelo tráfico!
Cquote1.pngVocê quis dizer: WTF?Cquote2.png
Google sobre Triagem
Triagem é apenas um sub-bairro do Rocha, outro bairro falido. Triagem só é conhecido pela sua estação de metrô (ninguém embarca e ninguém desembarca) e pela sua estação de trem da Lixovia Supervia. A área também é dominada pelo tráfico, mas nem os traficantes sabem que o nome daquilo ali é Triagem. Muitos que moram lá dizem: "MORO PERTO DE SÃO CRISTÓVÃO", mas não mora merda nenhuma.
Cquote1.pngVocê quis dizer: Bairro falidoCquote2.png
Google sobre Maria DesGraça
Cquote1.pngVocê quis dizer: Bairro fantasmaCquote2.png
Google sobre Maria da Graça
Você deve está se perguntando "Que merda bairro é esse?". Ou "Esse bairro existe?". É do tamanho do cérebro de uma loira, pois é tão pequeno que você acha que está em qualquer bairro do Rio, menos em Maria Desgraça, digo: da Graça. Pois saiba que ele existe, e que foi palco de grandes indústrias no passado que faliram, e por isso esse bairro se tornou uma pequena merda. A única casa mal assombrada, ou melhor indústria que restou, foi a GE (General Eletric), grande bosta. Maria da Graça fica perto do Méier, e entre o Cachambi, Jacaré, Del Castilho, Favela do Jacarezinho e a Avenida Suburbana, Fim de Mundo. O bairro é tão esquisito que existe desconfianças que o filme "A Vila" (The Village) foi inspirado nele. Eventos que ocorrem com frequência nessa merda: tiroteios, assaltos, tragédias, blitze, e mais algumas coisas que garanto que você vai querer muito participar, ou não.
  • Ilha do Sequestrador Governador: É um monte de terra no meio da Baía de Guanabara. Descoberta e explorada pela Ministra Marta Suplicy, que andava pela Ilha procurando relaxar e gozar, enquanto seu voo não chegava no Aeroporto Internacional Tom Jobim. A Ilha é sub-dividida em dezenas de sub-bairros e não irei perder tempo aqui descrevendo-os. Digo apenas que todos são dominados pelo tráfico. Pra chegar, sair e até para se locomover na ilha deve-se sempre saber que se está em território perigoso, sempre há o risco de dar dois passos e entrar numa favela desconhecida. Aliás, parado já se está numa favela. A Ilha é a única favela do mundo cercada de água por todos os lados. Se um de seus moradores tira a sorte grande na loteria ou enriquece com o tráfico (únicos meios de ascensão social no local), é expulso para a Barra da Tijuca ou Recreio. Bairro 100% dominado pelo tráfico.
  • Inhaúma: Se o nome já é feio, imagina o bairro...seu maior ponto turístico é um cemitério onde pervertidos se encontram a noite para fazer sexo. Destaque no século XIX agora não passa de um bairro esquecido, acabado que ninguém mais liga, não passa de uma sombra do Complexo do Alemão (pois foi estragado por ele). Possui um cemitério de putas polonesas judias do início do séc.XX, o primeiro cemitério judeu da cidade logo de putas. Hoje associações judias querem construir um muro para separar os judeus descentes dos páreas. Dominado pelo BOPE.
  • Irajá: Sede do CEASA, que por um milagre ainda não faliu, já que é saqueado diariamente por seus nobres vizinhos das dezenas de favelas ao seu redor. Dominado pelo tráfico. Conhecida por ter sido o berço do Zeca, o do Pagodinho, que depois se refugiou em XERÉM. Também sinónimo de "Inferno é lá", onde o grupo Skank, afirma que iria ATÉ p/Irajá em seu sucesso "Vamos Fugir" [especula-se que se deve a concordância do público c/a coerência da letra].
  • Maracanã: É uma extensão da Mangueira, com favelas verticais chamadas por seus habitantes de prédios. Não há nada o que se fazer lá, a não ser que você goste de sacanear moleques vestidos de Yakult alunos do Colégio Militar, ou se for um dos maconheiros desocupados que estudam na UERJ ou até mesmo caras que gostam de cair na porrada no estádio do Maracanã, quem sabe um tarado que goste de colegiais (alunas do Colégio Pedro II e suas longas saias). Outra opção é se tornar um dos 30 moradores que correm em volta do estádio todo dia. Nos arredores da UERJ é que encontramos a aristocracia do bairro, composta de estudantes maconheiros, prostitutas e frequentadores de boteco. Dominado pelo tráfico.
  • São Cristóvão: Lugar feio, sujo e absolutamente caindo aos pedaços. Hoje se resume a estação de trem-metrô e a Quinta da Boa Vista, antiga residência do imperador e hoje residência de mendigos, putas e travestis, e, aos fins de semana lugar de férias, distração das criancinhas que vem do subúrbio, que não tem dinheiro para ir passear pelo menos no Jardim Botânico. Obviamente, é outro lugar dominado pelo tráfico e casa do corninho. Lá fica a Feira de São Cristóvão, um cópia do Patativa de São Paulo, a maior concentração de nordestinos por metro quadrado. Também é a localidade de colégios de gente nerd e estranha, como o Colégio Pedro II e o CEFET-RJ . Quem estuda no Pedro II adora jogar na cara dos seus amiguinhos que não estudam lá, mesmo que seja um vagabundo matador de aulas. Foi o melhor colégio do Brasil em 1899, hoje cai aos pedaços (embora seja o único que tenha piscina).
  • Tijuca: Disputa com o Méier e a Urca o título de melhor bairro do subúrbio (nooooooooooooossa!), sendo habitado por gente de classe média e cercada de favelas (inimigas entre si, imagina que divertido!) habitadas por gente miserável. Composto de pseudo-revolucionários,além de socialistas, comunistas e anarquistas. Os tijucanos podem ser facilmente reconhecidos por tentarem imitar as pessoas da alta sociedade da Zona Sul e Barra, dizendo serem parte da "Zona Sul da Zona Norte" quando na verdade fazem parte dos chamados "cariocas de trás dos montes". Os adolescentes do bairro tentam espelhar-se nos seus ídolos maiores, a banda Forfun, cujos integrantes habitam/habitavam o bairro, formando, assim, sua banda decadente que fala de garotinhas que esnobam praia, sol, zoação e algumas músicas acústicas para encantar as tais menininhas presunçosas. Há farta distribuição de balas e fogos todos os dias: não, não são doces ou fogos de artifício, mas projéteis de armas pesadas que cruzam o bairro a todo instante. Sua mais nova invenção está em chamar a praça Varnhagen (também chamada de "Praça do Buxixo", pelo tijucano) de Baixo Tijuca, alusão ao Baixo Gávea. Se consegue juntar algum dinheiro na vida tirando o pé da lama, o Tijucano inexoravelmente é expulso para a Barra da Tijuca. Dominado pelo tráfico.
  • Vila Isabel: É uma reta que só tem boteco, casa de vila, outro boteco, um prédio, outro boteco, e por aí vai... Favela generalizada, os prédios nem tem mas embolso pois já foi todo esburacado por balas. Os moradores afirmam que a CEDAE distribui cerveja neste bairro, ao invés de água potável.Totalmente dominado pelo Tráfico. Ler mais no artigo principal.
  • Lins de Vasconcelos: Habitado por falidos, pobretões, cachaceiros e velhos resmungões, que dizem morar no Méier para parecerem nobres, embora nem isso os moradores do Méier são (ou seja, imitam os moradores do Méier, que imitam os da Tijuca, que imitam os da Zona Sul!). É comum vermos neste bairro Policiais Militares furtando cargas já previamente furtadas de cerveja. Recheado de favelas ao longo do morro que o circunda, está dominado pelo tráfico.
  • Madureira: O segundo lugar mais quente e zoneado do mundo (só perde para Bangu - vide abaixo). O bairro, ou melhor, a favela, atrai macumbeiros e tias vendedoras de salgadinhos de toda cidade em busca dos produtos de excelente qualidade comercializados no Mercadão de Madureira(conhecido como o shopping da macumba), que após o incêndio tentou virar shopping mas mantém o cheiro de cocô de cabra, coelho e galinha. Também tem o decadente Polo I, único camelódromo vertical do mundo, que se finge de shopping, além do Madureira Shopping, famoso por seus encontros gays de Quarta-feira a noite. Dominado pelo tráfico.
  • Méier: (ver artigo principal) A capital do subúrbio carioca. O bairro é mais podre do que o Lixão de Duque de Caxias. Habitado por gente feia, metida a descolada, e moderninha. São facilmente reconhecidos por imitarem os moradores esnobes da Tijuca. Muitos deles reúnem-se em frente a uma rede fast-food chamada "Habib's", onde vão curtir chopp, Chevettes e Gols Bolinha envenenados e meninas de Quintino que tentam achar um rico de verdade no meio de tanto zé ruela que frequenta o "Habib's". Um bairro no qual existem pseudo-favelas (comunidades que não têm tamanho suficiente nem bandidos malvados o suficiente para serem consideradas favelas). É um bairro da cidade em que os próprios moradores criaram um slogan próprio, o famoso "Quem é do Méier não Bobéier", para tentar trazer alguma originalidade para um bairro qualquer. Também tem o famoso Colégio ADN (onde passaram 12098210128 sub-celebridades, como o comedor drogado ator Maurício Mattar, o "ator" Alexandre Frota (comedor de Travecos, SEM CAMISINHA), Martinália (cover da Elza Soares do terceiro milênio) e o meia Gilberto do Vasco da Gama da seleção), o famoso "Baixo Méier" (point de todos os Playssons e Safadas que vem para o Méier só para badalar no Reza Forte), o Hospital Salgado Filho (hospital que cuida de 99% da população carente carioca) e a famosa "Rua Dias da Cruz" (com suas festas cheias de putaria e cachaça). Conhecido como "bairro do leão", devido a uma estátua de um leão eunuco no meio do bairro. É dividido ao meio pela linha do trem, criando a noção de possuir uma metade classe média e outra pobre ainda. Engarrafado diariamente, você nunca conseguirá chegar nele na hora do rush.
  • Olaria: Um bairro dividido por 2 lados pela linha de trem, o lado pobre é uma favela, o lado ainda mais pobre é uma favela também, e tem o Olaria Aidetico Clube, além de um favelado persistente que fica tentando mudar o texto daqui para aliviar a barra dessa favela-lixão, mas não vai conseguir porque sempre editaremos suas mentiras. No lado ainda mais pobre tem a famosa 5 Bocas de Fumo de Olaria (Polo de Fumo e Cheiração da Leopoldina). No lado pobre que é uma favela existe as ruínas de um antigo cinema e o xexelento Choppinho de Olaria, que concentra fodidos naquele muquifo que chamam de praça. Nessa praça encontram-se vários quiosques e tendas. Em dia de sexta-feira confunde-se com a vila mimosa, tamanha barulheira e sujeira. Lá reúnem-se elementos das mais variadas espécies que bebem cerveja quente de isopor em copos de plastico em mesa de "prástico" emprestada pela AMBEV.Andando um pouco mais pra sua direita você chega na Vila Cruzeiro, trecho onde membros dessa tribo atravessam a linha do trem para adquirir objetos de valor de pessoas com igualmente paupérrimas que habitam o lado oposto. Na Vila Cruzeiro sempre se pode observar o crack Adriano treinando...
  • Parada de Lucas, Cordovil, Vista Alegre e Vigário Geral: Desculpem, estamos falando de favelas e não de bairros. Dominadas pelo tráfico, por favelados e por comandantes de chacinas, fora as 'casas' que tiveram a sorte de serem pintadas que já não é possível identificar a cor da tinta, por causa das pichações. Não precisando citar, mas citando... completamente dominados pelo tráfico.
  • Pavuna, Anchieta, Ricardo de Albuquerque e adjacências: A decadência máxima da cidade. Fazem fronteira com nobres municípios da Baixada Fluminense como Duque de Caxias, São João de Meriti e Nilópolis. Pavuna consegue ser menos pior que os outros por ter duas estações de metrô no bairro, e todos os dias serve de passagem pra pobres moradores da baixada que fazem sua viagem de 3 horas até o centro do RJ. Lugares medonhos, completamente favelizados e violentos. A principal atividade econômica dos bairros é a indústria funerária, a exploração de serviços públicos como a gatonet e a gato-velox e o jogo do bicho. Dominados pelo tráfico também...
P.S.: As adjacências referem-se a lugares como Guadalupe, Jardim América, Costa Barros, Barros Filho, Acari, Coelho Neto e Parque Colúmbia, lixos que nem mereciam ser listados, visto que você certamente só ouviu falar desses bairros ao ler a página policial de algum jornal.
  • Penha: Tem um belo ponto turístico, a Igreja da Penha, que é acessível pelo Parque Shangai. Caso você consiga passar por ele sem ser assaltado ou atingido por uma bala perdida, dá orgulho ver do alto da Igreja a imensa favela que a Penha é na verdade. No acesso a Igreja da penha durante a noite encontra-se o mercado de carnes duvidosas (Lê-se: travestis ou menores da vila cruzeiro), alguns pedófilos na tentativa de levar uma franguinha de 14 da vila cruzeiro, acabam sendo comidos por galos velhos. Na esquina do cartório de notas fica o famoso ponto do boquetão, um ponto de ônibus onde os travestis fazem seus boquetes a dez real. Atualmente ganhou fama nacional por abrigar na favela Vila Cruzeiro o crack (lê-se: traficante) adriano. Que orgulho! Dominado pelo Exército, Marinha e Polícias Militar e Civil.
  • Piedade (Não me mate): (vide 'Quintino Bocaiúva'). Era conhecido como Parada Gambá devido à famosa greve dos fabricantes de desodorante da antiga fábrica que havia no bairro. Após o incidente, uma moradora pediu Por Piedade aos governantes que mandassem ajuda humanitária. O governo, é claro, não ajudou, mas a fábrica foi vendida à União, que resolveu o problema com sua produção de açúcar, que é igualmente fedida, mas pelo o menos é um fedorzinho doce que espalha pelas fachadas das casas os restos da produção de açúcar liberados no ar pela chaminé da indústria. Também é famoso por abrigar o campus da falida Universidade Grana Filho. Com muita puta que se vende por uma cerveja e um pózinho (cocaína), também é uma ótima pedida para conseguir comprar drogas facilmente com moto-taxistas, o mais famosos é o do CM, amigos maconheiros que vivem de aviãozinho e mula para traficantes. Dominado pelo tráfico de drogas punga de bunda (aquele que só tem bandidinho de merda). Tem muito ladrão viciado que fica entocado o dia inteiro dentro de casa e só sai a noite para roubar. O resto é formado por policiais corruptos, baba-ovo de bicheiro.
  • Pilares: Conhecida por ser sede da escola de samba Caprichosos de Pilares, também conhecida por Gayprichosos, que de tanto sua comunidade, formada por, piriguetes, gays, lésbicas, gente que corta para os dois lados, travestis, prostitutas e maloqueiros, ser chegada numa cobra, faz questão de levar duas, e das grandes, em seu pavilhão, tamanha a fixação de seus componentes e diretores por esse animal, que se localiza embaixo de um viaduto. Resume-se apenas em um viaduto, camelódromo e favelas.Os moradores também tentam incluir o Norte shopping no bairro, mas na verdade fica no bairro vizinho, Cachambi.
  • Quintino: Famoso pela Igreja de São Jorge e por fazer divisa com o Morro do Cagão, é um bairro tão zoável que foi o primeiro a merecer artigo próprio na Desciclopédia. Dominado por milícias, pivetes, terroristas, pichadores e claro, pelo tráfico!
  • Ramos: Sede do Privadão, digo, Piscinão de Ramos, onde as magnatas famílias da região se encontram para confraternização e prática de esportes, como tiro ao alvo, arremesso de bosta e mergulho de cadáver. Dominado pelo tráfico.
  • Rocha Miranda: Lugar totalmente favelizado, a razão pra qualquer um odiar o rio, todos que moram lá são pobres, os que têm uma condição melhor se mudam para serem pobres em um lugar melhor! Além de morrer mais gente lá do que no Iraque nem o trem anda parando lá, os moradores costumam disser que moram em Madureira pra parecerem menos pobres! Bairro Dominado pelo tráfico, milícias e muita corrupção! E óbvio... dominado pelo tráfico.
  • Todos os Santos: É um microbairro vizinho ao Méier e por causa de seu tamanho, é engolido por ele. É aquele típico bairro que todo mundo conhece, mas ninguém sabe o nome. Os moradores desse bairro têm grande dificuldade de pegar táxis, já que nenhum taxista conhece o bairro de nome. Cada carta (ou conta) recebida em casa pelos correios vem com nome de outro bairro vizinho e toda vez que precisam explicar onde moram, falam que moram em outro bairro vizinho (Méier, Cachambi, Del Castilho e afins). É um bairro no qual 50% da população se conhece e os outros 50% apenas conhecem os outros. Tem a maior parte dos freqüentadores do Méier e que acham que é o maior barato morar a 500 metros do Norte Shopping. Apesar de ser o único bairro sem uma favela sequer, é dominado pelo tráfico e nem todos os santos juntos salvam essa pocilga.
Cquote1.pngExperimente também: Malfica Cquote2.png
Sugestão do Google para Benfica
Hahahaha, uma verdadeira piada de mal gosto. Impossível existir um lugar no Rio de Janeiro onde se Bem fica. É um bairro que não serve pra nada. Milhares de pessoas passam por ele todos os dias (pela Av. Brasil) mas ninguém sabe muito Bem onde Fica. Acredita-se que comece no final de São Cristóvão, no pé do morro do Tuiuti e Mangueira (Morros barra pesada do Rio) termine em Manguinhos, bem no inicio da Faixa de Gaza: O corredor da bala perdida. Tem também um presídio, que fica bem de frente a duas escolas. Lá as crianças provenientes da favela do arará podem interagir com os bandidos presos e fazer um intercâmbio cultural, já que as janelas ficam frente a frente. Seu único comércio era a rua dos lustres, onde se podia roubar comprar os mais variados lustres para se colocar no seu barraco e comemorar seu gato de luz. Local conhecido também por onde chegam (e nunca saem) as encomendas dos CORREIOS para todos os lugares da cidade. Atualmente a rede de supermercados Prejuízo se instalou lá. Tá tudo Dominado! (pelo tráfico).
  • Usina: Espécie de sub-bairro emancipado da Tijuca, possui o nome de usina quando na verdade deveria ser "refinaria", em virtude dos inúmeros laboratórios do tráfico. Abrigou a parte nobre da deslite carioca nos tempos em que nossas bisavós eram debutantes. Hoje só serve como abrigo dos foragidos do Borel, centro de refinaria de drogas, ponto final de ônibus e sede do antigo estúdio Herbert Richers. Dominado pelo tráfico.
  • Vila da Penha: Como a Tijuca, Bostafogo Botafogo e Méier é um bairro de pobre metido a classe média. É cheio de casas antigas e feias. O maior diversão dos moradores é fazer caminhada no valão, Ops! a rua Oliveira Belo. Ainda existe uns 10 moradores que acham que a Vila da Penha não possui favelas por perto. Junto com o Méier, Jacarepaguá, Botafogo e os terrenos no céu do Bispo Macedo, forma o grupo das maiores enganações imobiliárias cariocas de todos os tempos. Habitada por gente de quinta com automóveis de sexta. Dominado pelo tráfico. "Mas, é um bom bairro." Frase de algum favelado que colocou isso aqui pra amenizar a boa merda que esse bairro é, a única coisa boa nesse bairro do demônio para os bandidos, claro, é a facilidade de ser assaltado. Segundo uma pesquisa no DataFoda-se é a maior concentração de gente feia por metro quadrado.
  • Vicente de Carvalho: Dividido pelo metrô, tem o lado da favela(favela sem shopping) e o lado do shopping (favela com shopping). tem como cidadão ilustre o falecido Escadinha, traficante famoso, que já foi passado. Assim como o binômio Tijuca-Rio Comprido, os seres viventes nessa área juram que moram na Vila da Penha, bairro "nobre"(??) das adjacências. Dominado pelo tráfico.

Cquote1.pngVocê quis dizer: InfernoCquote2.png
Google sobre Complexo do Alemão

É um "bairro" que junta inúmeras favelas, lá acontecem coisas que até Deus e o próprio diabo duvidam, faz parte de Inhaúma, Ramos, Olaria, Penha e Bonsucesso. Disputadíssimo por tais bairros, quem mora em um diz que faz parte dos outros. É conhecido no mundo inteiro por seus constantes tiroteios, e agora parece a Lua com as obras do PAC. E claro... é conhecido internacionalmente como micro-ondas. E não precisa nem citar... Dominado pelo ESTADO (paralelo, é claro).
Cquote1.pngVocê quis dizer: AcreCquote2.png
Google sobre Bairro do Rocha
É um bairro miserável e minúsculo, você não sabe se está nele ou não, está para o Rio de Janeiro como uma cidadezinha do interior do Acre está para o Brasil. Sua origem foi numa pedrinha em que portugueses decidiram chamar de rocha. Dominado pelo tráfico!
Cquote1.pngVocê quis dizer: LapaCquote2.png
Google sobre Riachuelo
É uma rua do Centro um bairro que é conhecido porque herdou a fama de uma rua da Lapa, por causa do nome. Cheio de tijucanos falidos, que falam que moram na Tijuca, e os não tijucanos que sonham ser imitam os moradores do Méier e Tijuca (que chique!). Pontos turísticos: SENAC e um supermercado. Dominado pelo tráfico!
Cquote1.pngVocê quis dizer: MuseuCquote2.png
Google sobre Sampaio
Outro bairro miserável e minúsculo, você não sabe se está nele ou não. Nela se encontram morros comunidades que é a continuação da continuação do Morro dos Macacos. Do outro lado da linha do trem divide favelas comunidades com Engenho Novo e Jacaré. Seu centro comercial possui 3/4 museus lojas do século XVIII. Dominado pelo tráfico!
Cquote1.pngVocê quis dizer: Engenho VelhoCquote2.png
Google sobre Engenho Novo
É um bairro entre Riachuelo, Sampaio, Lins de Vasconcelos, Méier e Grajaú. Não é necessário falar muita coisa. Nem tente imaginar o que vai dar misturando esses bairros. É a mistura dos falidos/bêbados de Riachuelo/Lins, Favelas/morros(o único é a continuação do Morro dos Macacos) dos 4 bairros, porcos e pobres nobres do Méier, é um cacareco museu igual o Sampaio, etc. Quer deter os direitos autorais de todas as favelonas comunidades desses bairros, para terem mais status favelal social que a Tijuca. Dominado pelo tráfico!
Cquote1.pngVocê quis dizer: Cemitério giganteCquote2.png
Google sobre Caju
Cquote1.pngExperimente também: Maracujá Cquote2.png
Sugestão do Google para Caju
É um bairro feio que dói onde é famoso por ter apenas cemitérios, e nada de bom. Sua rua principal é uma reta extença que você olha para aquilo e pensa que você não está no rio de tão feio que é. Não tem poha nenhuma de bom, só os gigantes cemitérios, mendigos, viciados em cracks, trailers nojentos e putas. E claro... Dominado pelo tráfico!

[editar] Zona Oeste

[editar] Parte Sul

Cquote1.pngVocê quis dizer: Fim de MundoCquote2.png
Google sobre Barra da Tijuca
Recentemente foi descoberto que o nome "Barra", na verdade é um sigla cujo significado é: Babacas digo, Burros digo, Burgueses Anônimos Reunidos numa Realidade Alternativa.
(do espanhol Baja - Baixada) Uma espécie de pantanal Brasília com praia. Habitado por pessoas metidas, exibidas, emergentes e pseudossocialites, a Barra da Tijuca é um bairro que adotou o “Paulista Way of Life”, onde as pessoas ficam presas em carros e shoppings a maior parte da sua vida. Pela sua distância do resto do Rio de Janeiro, é considerado por muitos como sendo uma outra cidade. O governo de São Paulo inclusive já entrou com um processo para anexar esta "cidade" ao seu território por ela ser mais próxima de São Paulo do que do Rio de Janeiro. Os habitantes da Barra, ex-suburbanos das zonas norte e sul que melhoraram de vida mas não a ponto de sair do Rio de Janeiro e Brasil, encaram uma prestação de oitocentos reais por mês que será paga por três gerações ao longo de curtos 125 anos para poderem morar lá, acreditam que moram em Miami, quando na verdade pagam tudo com cartão e cheque especial, desconhecem a existência de dinheiro, ou de saldo positivo no banco. Nos fins de semana todos os habitantes das Zonas Oeste, Norte, Sul do Rio e Baixada Fluminense formam um fluxo migratório rumo às praias, supermercados, cinemas e shoppings da Barra congestionando todo o caminho, para nos dias úteis falarem que odeiam a Barra e nunca pisam lá. Os jovens de classe média alta adoram praticar esportes, sendo rachas com atropelamentos, rinhas de pit bulls contra crianças, luta livre em boates, carruagens de fogo (dirigindo cheios de cachaça) e o Espanca Puta os preferidos da galera. Outra característica dos jovends da região é o costume de usar drogas apartir dos 12 anos de idade para se acharem os putões, quando na verdade não passam de playboys que recebem mesada da mamãe e não podem pegar um ônibus pelo alto risco. Além das meninas de 14 anos que já deram pra metade do condomínio de luxo enquanto os pais acham que elas estão no shopping com as amigas. Então se você quer comer uma menina dos olhos claros e cabelo liso, apenas passe na Barra um sábado a noite que você encontra alguma bêbada em uma esquina.
  • Recreio dos Traficantes Bandeirantes: Uma roça de luxo, esnobe e que tenta se equiparar ao Pantanal Matogrossense à Barra. Habitada por emergentes que acham que moram na Barra enquanto fogem de jacarés, capivaras, cachorros-do-mato, cobras, macacos, insetos e outros animais selvagens no meio das ruas e enquanto o mato invade suas casas. A padaria mais próxima está a 400 km de distância. São --Paulo a 500km de distância. O Rio de Janeiro a 900 km de distância. A civilização a 10000 km de distância. Disputa com Campo Grande para ver quem demora mais para chegar ao Centro. Se não tivesse praia seria mais uma Vargem. Dominado pelo tráfico.
  • Vargem Grande, Vargem Pequena e Vargem Média: São como o Acre é para o Brasil: Ninguém lembra que existe e só tem mato. Há rumores sobre a existência de um parque aquático falido ou sobre raras e mansões habitadas por Xuxa, Renato Aragão, etc. Apesar de não ter quase nenhum comércio(os moradores precisam ir ao Recreio. Há rumores que em um futuro próximo serão dominados pelo tráfico.
  • Itanhangá: Bairro escondidinho (do mundo!) que fica entre a Barra e Jacarepaguá, onde artistas, políticos e ricaços em geral se escondem da baderna do resto da cidade. Muita gente mora lá, colado no Rio das Pedras, Muzema e Tijuquinha e tira onda: EU MORO NA BARRA DA TIJUCA, MERMÃO!!! Esse esconderijozinhoinho foi descoberto e o que até então parecia um refúgio já virou mais um bairro dominado pelo tráfico.
  • Joá e Joatinga: Favela de rico. Onde se escondem os verdadeiros mais ricos do Rio de Janeiro sem ninguém saber. Tem um clube famoso, o CostaBrava, mas a maré também está brava e, como qualquer favela, será invadida por favelados pobres e miseráveis enquanto os ricos se distraem com cocaína, orgias e outros passatempos. Em breve estará totalmente dominada pelo tráfico.
  • Jacarepaguá: O bairro é na verdade uma colônia de figurantes da Rede Globo de televisão construída ao lado do "Projac". Os moradores deste simpático vilarejo também vivem da venda de souvenirs temáticos do filme de história extremamente fantasiosa "Cidade de Deus". Muitas pessoas que moram lá dizem e fingem que moram na Barra. Esse lugar só é habitado por que também dá acesso a Barra. Hoje é um bairro em extinção já que já foi em grande parte dividido em diversos bairros menores. Todos eles são dominados pelo tráfico.
  • Praça Seca: Na verdade, só tem o nome de seco, mas na verdade é bem molhada. Pelas enchentes causadas pela chuva mais fraca que cai e principalmente Molhada de sangue nos dias em que não chove. Se limita a favelas, casas antigas e a boate 1140, ponto de encontro do público GLBT. Dominado pelo tráfico.
  • Tanque: Discute-se se o nome se deve ao único passatempo de suas donas de casa ou ao único meio de transporte relativamente seguro para transitar por ali.
  • Freguesia: ' Foi há cerca de 10 anos atrás um bairro para aqueles que desejavam conviver com mosquitos, animais selvagens e não ter acesso a outra parte da cidade. Hoje foram preservados apenas os mosquitos. Porém, como todo bairro de Jacarepaguá é dominado pela milícia.
  • Pechincha: O nome já diz: compra-se tudo com os trocados do bolso. Castelo do Vinho: onde os moradores desse bairro na sua maioria alcoólatras e futuros perdidos na vida se reúnem para beber caninha da roça até vomitarem e cair. Dominado pela milícia.
  • Gardênia Azul: Onde fica o Barra Music, que deveria ser chamado de Gardênia Music é onde o crack Adriano e seus asseclas também podem ser vistos treinando.... Até hoje os moradores de Jacarepaguá se perguntam se é um bairro ou uma favela. Para evitar o constrangimento os moradores da Gardênia Azul quando questionados onde moram falam que moram em Jacarepaguá (assim como os moradores do Tanque, Pechincha, Curicica, Cidade de Deus e Rio das Pedras). Dominada pela milícia.
  • Curicica: O lugar onde mais cresce favela em Jacarepaguá, não há nada para se fazer nesse bairro. Reza a lenda que ali fica o Projac.
  • Taquara: É o maior bairro de Jacarepagua, impossível transitar por ali, há jegues, carroças, burros sem rabo, moto-táxis, vans e ônibus para todos os lados! Resume-se principalmente a criadores de animais, principalmente cabras e porcos nas proximidades da Cidade de Deus, cujos moradores brigam com os do Pechincha dizendo que o Center Shopping ( o que é isso?) ficam em seu bairro. (Mas na verdade fica no Bairro Tanque)
  • Anil: Um bairro dividido entre classe muito baixa e baixa. Na verdade é um distrito das famosas Favela Canal do Anil e favela Araticum. Dominado pela milícia.
  • Rio das Pedras: Aglomerado de nordestinos que vieram ao Rio de Janeiro tentar a vida, é uma das maiores favelas do Rio de Janeiro. Conhecido pelo Castelo das Pedras, local onde putas e playboys metidos a bandidos se encontram para fazer todo tipo de coisa. Dominado pela milícia.
  • Cidade de Deus:Pertence a Jacarepaguá, que tenta desesperadamentep empurrá-la para a Barra. Graças ao filme de mesmo nome (e que não ganhou nenhum Oscar também) a Cidade de Deus agora é conhecida no mundo todo, principalmente por causa dos traficantes, dos tiroteios frequentes e das drogas, como maconha, cocaína e Tati Quebra-barraco. O bairro (hã?) fazia parte de Jacarepaguá, mas agora ganhou sua independência. Conhecida por alguns como CDD, é terra de um cantor de rap que detestava a Rede Globo e agora tá lá no Projac fazendo novelinha — o que ele tanto criticava. Será o primeiro passo para a mudança do nome da favela para Nova Barra. E adivinhe? É dominado pelo tráfico.

[editar] Parte Norte

  • Campo Grande: é um bairro da zona oeste onde mora um monte de pobre que pensam que moram bem pelo simples fato do lugar ter um mínimo de infraestrutura e ter muitos lançamentos de apartamentos do Minha Casa, Minha Vida. Quando alguém quer saber onde fica Campo Grande, eles dizem: Cquote1.png Depois do Recreio Cquote2.png. O bairro é o sonho de consumo de pobres que têm uma visão superlimitada da vida.
  • Bangu: O bairro possui basicamente quatro estações bem definidas: verão, Somália, inferno e Sol. Gosta de competir com Madureira e Campo Grande, como se fosse alguma coisa. 99% dos seus estacionamentos viram """""casas de show""""" durante a noite. Possui o Favela Shopping, que começou com um futuro promissor, mas até agora não tem livraria e brotam lojas como ACR, CBK e similares. Nos últimos anos as chopadas vem dando lugar a festinhas que tentam parecer superior, mas acaba sendo uma chopada mascarada. Essa mudança veio acompanhada com a Barralização dos seus habitantes. Como Zona Sul, Bangu conta com Parque Leopoldina e Rio da Prata, que só são grande coisa se comparar com o resto da favela/cortiço/presídio, ops, bairro.
  • Realengo: Realonge,o bairro do massacre, é um bairro que ninguém sabe onde começa e onde acaba. Se confunde com Padre Miguel, Magalhães Bastos, Deodoro e Sulacap. O bairro se resume basicamente a: escolas e nada além disso. Não há nada pra fazer neles, sério, a não ser que você curta uma pagofunk e um churrasquinho na Cohab. No bairro encontramos o Condomínio Parque Real, onde os moradores acreditam estarem morando na Zona Sul do bairro. Ultimamente, assim como em Bangu e Padre Miguel, vem ocorrendo a barralização dos seus moradores, o que consiste em roupas da Hollister, Aero, iPhone e outras merdas caras.
  • Padre Miguel: Padre Miguel é um bairro de classe média intermediária da Zona Oeste da cidade do Hell de Janeiro, entre os bairros de Bangu (oeste) e Realengo (leste). É lá que se situam as escolas de "secsu ou samba" Mocidade e Unidos de Padre Miguel. Nos finais de semana, outra atração é o Ponto Chic, lugar proibido pra maiores de 18 anos. Velhos não participam da festinha. É também em Padre Miguel que se localizam as Faculdades Integradas Simonsen & Castelo Branco.
Cquote1.png Ganho quinze de salário,Pago oito de aluguel.Vou pra casa do caralho:Vou morar em Padre Miguel! Cquote2.png
Musiquinha que homenageia este “bairro”.
  • Deodoro: (Sem comentários...) Mais um bairro que não serve pra nada. Sua estação de trem é popularmente conhecida como "cemitério", pois além de pessoas, alguns dos trens também são vitimados por balas perdidas nesse local (bala perdida em Deodoro é redundante, pois se você está em Deodoro é preciso estar perdido). Os traficantes sumiam com os corpos das pessoas, mas um cadáver ferroviário é bem mais difícil de se desovar, então os trens mortos eram deixados ali mesmo, e por isso que a estação de Deodoro possui este apelido. Perto da estação fica o Piscinão de Deodoro, que permite o cheiramento de gatinhos dentro da água "limpa" em plena luz do dia. Dominado à distância pelo tráfico.
  • Vila Valqueire: Um bairro que antes pertencia a região de Madureira e hoje faz parte de Jacarepaguá para tentar mudar de status! como se Jacarepaguá fosse grande coisa...sonho de consumo dos suburbanos de Bento Ribeiro, Marechal Hermes, Guadalupe, Oswaldo Cruz, Campinho, Cascadura e Madureira que moram nos arredores do bairro, Não há nada o que se fazer ali, a não ser que algum amiguinho seu, provavelmente alcoólatra, cisme em dar um churrasco em sua casa, ensinando aos demais amigos que moram bem e ele não como chegar lá. Muito mato, insetos, homens tarados e crianças que já demonstram futuramente entrar para o tráfico. Seus moradores se orgulham em dizer que ali não há favelas, provavelmente precisam fazer exame de vista, pois depois do cruzamento da Rua das Rosas com Luiz Beltrão é só favela: Chacrinha, Urucuia, Quiririm, entre outras. Por ser um bairro tão distante, nem a luz chegou ali. Quando os moradores do bairro de Vila Valqueire descobrem que na Taquara e na Freguesia existem condomínios de casas iguais ou melhores que os do Valqueire inexoravelmente são expulsos pra lá ou para um apartamento apertado no Recreio ou na Barra. Dominado pela milícia, pois os traficantes estão em fase de crescimento.
  • Sulacap: Bairro onde surgiu a sociedade secreta que fundou a Sul América Capitalização. É um bairro mitológico do Rio que ninguém sabe onde fica. Acreditam que se localiza em alguma zona morta, e até existem teorias vagas que dizem que o Sulacap fica, na verdade, no Acre. Não é dominada pelo tráfico porque nem os traficantes a acharam. Será mais fácil acharem o Triângulo das Bermudas.
(P.S.: Os que conseguiram se perder nesse triângulo dizem que lá existe o cemitério “Jardim Sulacap", onde jogam tudo que é policia que morre.)
No fim de mundo não ha nada a se fazer, e os desocupados saem a noite para o play dos seus condomínios (nossa, que animador!) para papear até altas horas ou saem para as praças. Definitivamente, lá não ha nada a se fazer, a não ser a existência de um Ravi's – coisa mais perto que eles tem de um McDonald's que as pessoas veem como a Grande atração da noite. (FAÇA ME O FAVOR!), ops agora tem Mc Donalds lá no famoso Carrefour, que também tem cinema. Reza a lenda que em breve terá um shopping (onde? onde? do lado do Carrefour).

[editar] Zona Leste

Na verdade não existe essa região oficialmente, mas para os loucos com muita imaginação pode se dizer que é onde fica a Baía de Guanabara. Se você for um peixe pode até morar lá, ou não, pois com tanta sujeira não existe mais peixes. Apesar de não ter o tráfico, tem poluição de montão: esgoto, lixo, o cocô da sua casa inteira, e mais outras merdas que se pode encontrar por lá.

Há quem diga que a zona Leste do Rio, na verdade, se chama Niterói. A alegação é simples: embora alguns acreditem que se trata de uma cidade, Niterói nada mais seria do que a extensão das favelas cariocas do outro lado da baía, sendo dominada inclusive pelo mesmo Comando. Em tempos remotos, quando He-Man de Sá expulsou os afeminados franceses (que queriam tornar o Rio mais fashion), obteve a ajuda dos índios sob comando do cacique Araribóia – sob a promessa de se tornar senhor de terras do Rio de Janeiro. Após uma acachapante vitória, He-man de Sá deu um pé na bunda do trouxa do índio e deu-lhe terras do outro lado da Baía: Niterói. O índio olhou pro outro lado e, se vendo sem o serviço das barcas, pensou: Cquote1.png Que filho da puta, vou ter que contornar a baía e passar pelo cú do mundo Magé! Cquote2.png

Muito recentemente o governo construiu uma pinguela chamada Ponte Rio-Niterói que os papa-goiabas insistem em dizer que é uma das maiores do mundo. Hoje, se você quiser ir a Niterói, precisa pagar ingresso. Então nem perca seu tempo em atravessá-la. A única coisa decente que tem do lado de lá é uma vista maravilhosa para os principais picas picos do Rio de Janeiro, e só. Ah, tem também uma nave espacial que trouxe Oscar Niemeyer do planeta Pam-pu-lhah, da galáxia de Beloryzont, mas é bem sem gracinha.

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas