Deslistas:Brasil no Competitivo de League of Legends

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deslistas.gif

Este artigo é parte do Deslistas, o sumário livre de conteúdo.

Barrichello Criyng.jpg Brasil no Competitivo de League of Legends é um(a) PERDEDOR(A)

E não adianta chorar, sempre vai se foder bonito.

Clique aqui para ver outros azarões.

2012 ou antes[editar]

  • A doença que transforma alguns jogadores em certas pessoas de sexualidade suspeita começa a infectar alguns brasileiros metidos a ricos que moram nos EUA ou Europa, trazendo popularidade e viadagem para o Brasil.
  • Enquanto isso, vários BRs estão cagando e andando para isso e ficam trollando em vários jogos, além de deixar vários gringos putassos, levando até mesmo a tirar férias em determinados jogos, ou até raramente o rangeblock de jogadores brasileiros.
  • A Rito Gomes observa isso e convida alguns jogadores brasileiros ricos a se juntar ao lado rosa da força a jogar o jogo em servidores americanos, para azar deles.
  • Mordekaiser é considerado o campeão mais brasileiro do jogo, virando o número uno HUEHUEHUEHUEHUE, além de um meme até nos Estados Unidos.
  • Esse jogo atrai vários noobs que fazem um amistoso (hoje considerado parte pequena do CBLOL) valendo o toba alguns reais e a desconhecida VTi Ignis é a vencedora.

2013[editar]

  • A Rito Gomes cria o primeiro servidor totalmente brasileiro de League of Legends na cidade de Campinas, São Paulo, onde depois de horas é feita uma das várias paradas gays na cidade.
  • Vários jogadores se convertem ao lado rosa da força, tendo jogadores de Counter Strike: Global Offensive como rivais, além de levarem bullying destes mesmos sujeitos.
  • É criado o primeiro campeonato brasileiro composto por virgens com um bolão de prêmio insignificantemente maior que o outro, a PaiN Gaming é dada como vencedora deste torneio.
  • Com várias negações de outras regiões dizendo que o torneio mais importante do jogo ficaria uma bosta com brasileiros ou até mesmo que achariam que os próprios brasileiros iriam trollar geral, mesmo assim a região brasileira é inclusa do Mundial do jogo, mas nas categorias subdesenvolvidas de baixo porte, os Wildcards.
  • A equipe brasileira PaiN Gaming participa dos Wildcards na Alemanha e mesmo assim consegue vencer 3 dos 4 jogos contra os outros times noobs das outras regiões, vence a turca Dark Passage nas semi-finais na pura cagada, mas na final, pipoca para os lituanos falidos da GamingGear.EU, fazendo a primeira vergonha brasileira de nível internacional.

2014[editar]

Kawaê Moura, o inventor da ofensa utilizada até hoje a seres totalmente viciados no jogo.
  • League of Legends é declarada pelo doutor Cauê Moura como uma DHT, Doença Homossexualmente Transmissível.
  • Em um amistoso não reconhecido como parte do CBLOL, a Keyd Stars vence o campeonato. (por causa deste campeonato ser figurante, a equipe ainda possui piadas de vice)
  • O campeonato de Primavera do Pré-CBLOL começa e a KaBuM! e-Sports acaba saindo como vencedora.
  • A Rito Gomes alivia a barra brasileira para entrar no Mundial e coloca um grupo extremamente fácil jogando apenas contra a vencedora da América Latina Sul/Norte, a PEX Gaming, qual a Kabum vence facilmente por 3 a 0.
  • O Brasil entra na primeira vez ao Mundial, em um grupo fodido com a Cloud9, Alliance e a NaJin White Shield, como óbvio, esbanjando toda habilidade brasileira no jogo diante dos gringos, a Kabum é massacrada em seu grupo e em 5 partidas, já é eliminada do torneio.
  • Na sexta partida, a Kabum pegou a favorita europeia Alliance e misteriosamente conseguiu vencer os europeus, criando assim a primeira zebra oficial do torneio (apesar dos filipinos já terem vencidos certos times americanos e os lituanos saírem com uma vitória no ano passado), a EU LCS vira vítima de gozação das outras regiões, principalmente entre os brasileiros e os americanos.

2015[editar]

O caso famoso dos celulares.
  • O brasileiro após a vitória da Kabum começa a subir muito a bola achando que iria virar uma região maior, mas ainda continua no grupo das menores.
  • O primeiro CBLOL (Chacota Brasileira de League of Legends/CEBOLÃO) é criado e a INTZ sai pela primeira vez como vencedora.
  • Outra competição importante é criada, o Mid-Season Invitational e com isso, surgem mais regiões, mesmo uma que costuma ser fraca pra caralho, mas está quase sempre vencendo os times brasileiros e a INTZ, vencedora da edição fica em terceiro em seu grupo, dá uma pirocada nos russos e na final, houve o primeiro escândalo dos celulares da equipe turca, levando a INTZ a perder com muito choro, que se estende até hoje em jogos contra times da região turca.
  • O CBLOL tem o segundo split em 2015 e na final realizada no estádio Allianz Pasto, a PaiN Gaming novamente sai como vencedora do torneio.
  • A PaiN pega um grupo meia-boca, mas consegue estuprar facilmente os times russos e sul-americanos, a Hard Random e a Kaos Latin Gamers em solo chileno.
Doublelift antes de virar piada nacional.
  • Passando facilmente como o time mais forte brasileiro, a mesma pega um grupo meia-boca com Counter Logic Gaming, Flash Wolves e a KOO Tigers, onde perdeu facilmente contra os coreanos,conseguiu até vencer um jogo dos taiwaneses e quase ganhou o outro, perdeu a primeira para os americanos e já saiu eliminado. Em um jogo para decidir totalmente porra nenhuma, além de comer tempo do telespectador e fazer número na competição, a PaiN enfrenta a CLG e sem querer querendo, o jogador americano/chinês Doublelift fala tanta merda que seu time acaba perdendo para os brasileiros, fazendo que a NA LCS virasse zoação entre os brasileiros, criando termos como NA Artigo, NA Citação, NA Usuário/Vândalo, NA Sysop, entre outras bostas.
  • Após este jogo, o mesmo jogador teve seu chat de Twitch floodado por brasileiros trolls a cada jogo.
  • A região brasileira participa do primeiro All-Star (Invitacional) do jogo e fica em terceiro do grupo, mantendo a tradição de perder para jogadores oceânicos (sendo que o Brasil foi o único que perdeu para esta péssima seleção), além do famoso 1x1, onde os brasileiros novamente fizeram vergonha e todos perderam na segunda fase, sendo a pior região desta competição.

2016[editar]

Chineses com cara de poucos amigos depois de fazerem vergonha internacional.
  • O primeiro CBLOL de 2016 começa e termina com a INTZ como vencedora da competição.
  • A INTZ é convidada ao MSI de 2016 e novamente é terceira em grupos, mas dessa vez nas semi-finais, levaram uma pirocada do time russo, a Hard Random.
  • O segundo CBLOL do ano termina com a INTZ como vencedora para fazer alegria aos adversários ao povo.
  • O Mundial do ano começa com a INTZ passando em segundo do grupo, atrás da pipoqueira Lyon Gaming e pega os turcos da Dark Passage na semi-final, vence na cagada por 3 a 2 e se classifica.
  • Na fase de grupos, surpreendentemente a equipe brasileira vence a campeã chinesa EDward Gaming que estava com a bola toda para tentar dar uma surra nos coreanos da SKT T1 e vários brasileiros achariam que a equipe passaria de grupos, mas o resultado é que a equipe brasileira apanhou das equipes mais fracas do grupo e tomou 5 stomps seguidos, caindo fora da competição, além de olhar a Albus NoX Luna, o time russo sambar na cara do time brasileiro, já que realmente passou da fase de grupos para levar uma pirocada nas quartas.
  • A região brasileira é novamente convidada para a 2ª divisão do All-Star de LoL, mas em um critério confuso, os brasileiros foram último de seu grupo e caíram fora rapidamente da competição apenas com 3 vitórias.

2017[editar]

...E essa cara é vista novamente depois de mais um MSI.
  • O jogador Ronaldo, mesmo sem entender bulhufas desta porra de e-sport, mesmo assim gasta dinheiro e compra a tri-vice CNB e-Sports Club.
  • Em alguma decisão idiota, a Rito Gomes decide fazer um evento internacional no Brasil, o MSI 2017 no Rio de Janeiro, mas por incrível que pareça não foi nenhum jogador morto ou roubado.
  • A campeã de 2014 KaBuM! e-Sports é rebaixada, mas não recorre a nenhum tapetão como digno de times americanos ou europeus.
  • Em mais uma edição do CEBOLÃO, a novata RED Canids sai como vencedora, levando a vários brasileiros com um cérebro menor que uma noz comparar com o futebol e achar que já está diretamente na fase de grupos com as melhores regiões.
  • Keyd Stars ganha seu terceiro vice-campeonato consecutivo, sendo apelidada de Vice Stars.
  • Vários jogadores internacionais famosos aparecem em servidores brasileiros, mas apenas para quem não é um completo noob no jogo, levando a vários streamers/youtubers retardados ganharem instantaneamente novos otários vendo seus canais.
  • Vários streamers tentam desafiar o jogador coreano e mais famoso atualmente tiltado Faker a ganhar do time dele, onde 99,99999999999999% dos mesmos perderam, com exceção de um com o cu virado pra lua.
  • Em um grupo meia-boca com os rivais turcos e oceânicos, a RED Canids começa fazendo um bom trabalho, perde 2 e é eliminada do torneio.
  • A competição prossegue e como óbvio, a coreana SKT T1 é campeã novamente da competição.
Torcedor da CLS puto com o bi-vice no Rift Rivals.
  • Ronaldo aparece entregando os prêmios e um moleque com espírito de BR invade o palco na final para assaltar abraçar o jogador coreano Faker.
  • É realizado o amistoso do meio do ano, a Rift Rivals, contra as regiões da América Latina Norte e América Latina Sul, onde houve várias zebras durante a fase de grupos, como vencer da famosa Lyon Gaming e perder para a desconhecida Furious Gaming da Argentina, mas o Brasil passa na cagada devido a ajuda de um bug do jogo e a falta de um jogador importante contra a região Norte e na final, com um vacilo típico de uma equipe da CLS, o Brasil vence a primeira edição deste amistoso mixuruca com as equipes RED Canids e Keyd Stars.
  • Durante o meio e o final do ano, a segunda edição do CEBOLÃO acaba com o time que veio da segunda divisão, a Team One como vencedora.
  • Aproveitando a noobice dos jogadores brasileiros, a One é estuprada pela Cloud9 já no primeiro jogo e perde dois jogos seguidos, mas no segundo dia, é salva por um milagre de ganhar duas vezes do time oceânico Dire Wolves e na segunda fase pega o time turco 1907 Fenerbahçe, mas como não era a freguesa dos brasileiros Dark Passage, a One é eliminada em 4 jogos, sendo o segundo time brasileiro a fazer vergonha antes da fase de grupos.
  • Dessa vez, o Brasil é finalmente convidado a se juntar as 8 melhores regiões por grupo e pega um meia-boca com a NA LCS, a LPL e a GPL, mas no primeiro jogo, os brasileiros tem a tremenda burrice de não banir a campeã mais roubada na época e isso causa um estupro na parte dos americanos. Nos jogos de 1x1, o topo VVvert (não sei quantos V tem essa porra) é eliminado pela estrelinha coreana Faker e o atirador brTT vence o americano de aparência suspeita e atirador Sneaky (que os americanos tiveram medo de votar no Doublelift para não serem zoados novamente), sendo a única vitória brasileira nesta edição.
  • No segundo dia deste evento, os brasileiros esperavam uma vitória contra o time misto da GPL, apelidado de "Levi e amiguinhos", mas mesmo assim não venceram e os brasileiros começaram a trollar contra os donos da casa, os chineses e o resultado foi o mesmo do primeiro dia, outro estupro, saindo com um 0-3. No segundo dia dos xizum, o atirador brTT não teve chances contra a estrelinha chinesa e atirador Uzi, caindo fora deste torneio amistoso, apenas para zoar os turcos, que apenas vieram passear e não ganharam absolutamente nada.

2018[editar]

  • No primeiro split do ano, pela primeira vez, a equipe da PaiN Gaming é rebaixada após uma péssima campanha com 1 vitória e 7 stomps na competição.
  • No mesmo split, nos jogos de promoção e rebaixamento, a campeã do último split de 2017, a Team One em um péssimo jogo contra o Flamengo, se juntou a PaiN no Circuito Desafiante.
  • O primeiro split acaba com as zebras do campeonato, a KaBuM vencendo na final, e a Keyd com mais um vice. (que novidade)
  • No MSI, a equipe novamente faz uma campanha bosta (e ainda que foi o primeiro dia ainda) e como de costume, faz cosplay de cachorro de madame e é levado ao passeio contra times australianos e turcos, de cortesia sendo estuprado pelo time da SuperMassive.
  • No segundo dia até consegue recuperar um pouco da honra vencendo os mesmos dois times acima, mas de costume brasileiro, a equipe é eliminada novamente na primeira fase.
  • No começo do segundo split do CBLOL com o patch 8.11 anti-ADCs, por não ter nenhuma liga maior para o brasileiro copiar a meta e executar mal feita, no primeiro dia de jogos aparecem picks totalmente bizarros como Taliyah na selva (modinha pseudo-copiada da Coreia, porém usada atualmmente), Mordekaiser e Yasuo atiradores (picks de 2015)
  • Mais um """""gigante""""" do CBLOL cai no segundo split, dessa vez a RED Canids que não conseguiu escapar da zona de rebaixamento e caiu direto para a segundona.
  • Com a equipe do Flamengo eSports, que queria fazer cosplay do Flamengo do futebol, mostrou seu "cheirinho de título" e permitiu que a Kabum vencesse o título do CBLOL de 2018.
  • Pain é stompada pela INTZ no jogo de rebaixamento e fica mais um split amargurando no Circuito Deficiente, rumo ao triplo clássico Pain x Red x One x Kino, mas ninguém liga.
  • No primeiro dia do Mundial, a equipe com um jogo meia-boca, como óbvio, começou perdendo para a Cloud9 (pelo menos se orgulha de não ser um 14-0 como a Team One) e no segundo jogo da Kabum, com mais um cheirinho de vitória fácil contra a DetonatioN FocusMe, porém com um jogo ainda mais meia-boca achando que iria stompar o time japonês achando que fosse a PENTAGRAM que é geralmente um ponto extra para os adversários, conseguiu perder o jogo, realizando a primeira derrota contra um time da LJL em um torneio sério.
  • No segundo dia, para dar esperança para os 58 torcedores da Kabum (tirando os modinhas), a equipe deu um alívio e venceu a mesma DetonatioN FocusMe, porém fez um jogo ainda pior que o primeiro contra a Cloud9 e um jogo ainda mais vergonhoso de desempate contra o time japonês, mostrando um estilo de jogo como se estivesse jogando o CBLOL e apenas assiste os japoneses jogando, já que não conseguiu fazer porra nenhuma na partida, nem ao menos um abate.
  • No All Star de 2018, mais vergonha para o Brasil (se bem que All Star ninguém liga mesmo), nenhuma vitória sem ser carregado pelas outras regiões, em uma delas quase vencendo a Coreia em algo, porém deu a clássica pipocada brasileira e perdeu como sempre, alem do jogador BrTT, que conseguiu ser vingado pelo Doublelift em um xizum.

2019[editar]

  • No primeiro split do Cebolão, a equipe da ProGaming não conseguiu dibrar o rebaixamento após vários split servindo para nada na competição e acaba rebaixada com dias de antecedência
  • A equipe do Flamengo eSports, após fazer uma campanha avassaladora na fase de grupos, mostrou mais uma vez que era o time do cheirinho e pediu música pelo terceiro vice seguido.
  • No Circuito Decifiente, a equipe da PaiN Gaming stompa na final a Team One, se vingando da final de 2017 e até que enfim de volta para o segundo split com o propósito de encher o saco dos outros torcedores.
  • Com a maravilhosa campanha da Kabum no Mundial de 2018, a Rito Gomes resolve realmente rebaixar a região brasileira para o segundo seed. (apesar do Sudeste Asiático estar na primeira sem ter feito porra nenhuma sem ajuda de vietnamitas)
  • A Vivo Keyd, cansada de inúmeros vices na competição e depender apenas de um amistoso sul-americano e uma edição do CBLOL que apenas eles contram como título, joga o duelo contra o rebaixamento contra a Team One e perde por 3 a 1, sendo rebaixada pela primeira vez, em busca de mais um vice um título pelo menos no Circuito Deficiente.
  • Na estreia do Mid-Season Invitational 2019, a INTZ começa com duas derrotas, uma para os russos da Esquadrão de Velhas e outra para a MERDA, mostrando que o cenário brasileiro está em constante decadência desde 2017, além da missão de irritar ainda mais os torcedores do Cheirinho eSports, que queriam que os mesmos estivessem no MSI.
  • No próximo dia, a INTZ voltou apanhando mais ainda, saindo com um 1-3 na competição (que devia ser 0-4 se não fosse salvo a uma composição câncer) e ficando atrás até da MERDA, a INTZ conseguiu a única proeza no MSI, de ser o pior time entre todos na competição, mostrando a drástica decadência do Brasil em competições internacionais.

Comparação com outras regiões[editar]

Telespectador da OPL rindo da freguesia brasileira em competições.
  • Em algumas competições[1] [2]
Placar Liga
0-4 Bandeira da Coreia do Sul.png K-Pop
1-3 Eu!naz1.gif Nazis
1-7 Bandeira Canadá e Estados Unidos.png Hambúrgueres
1-3 Bandeira de Taiwan.png China Capitalista
1-1 Bandeira da República Popular da China.png Comedores de cachorro
13-11 Bandeira da Turquia.png Kebab
7-10 Bandeira da Russia.png Comunistas
2-0 Bandeira do Vietna.png Vietcongues
2-1 Bandeira da Tailandia.png Rejeitados
11-5 Flagge Mexiko.png Liga de um time só
17-7 Bandeira da Argentina.png/Bandeira do Chile.png Hermanos e Vinhos
8-4 Bandeira do Japao.png Japorongas
5-6 Bandeira da Australia.png Cangurus e Coalas

Referências

  1. League of Legends World Championship, IWCQ, Mid-Season Invitational, IWCI, Rift Rivals.
  2. All-Star, campeonatos amistosos mínimos e IEM não contados.

Ver também[editar]