A Divina Comédia - Paraíso - Canto XII

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Paraíso
Este deslivro pertence ao Paraíso de Dante.


O Canto XII continua narrando o Céu do Sol onde é a vez de falar mal da Ordem Franciscana (no capítulo anterior falou-se mal da Ordem Dominicana). Para ser bem comédia, Dante narra um franciscano criticando sua própria ordem.

Análise do Canto[editar]

A segunda coroa de espíritos resplendentes - vv. 1-30

Dante e Beatriz observam Bob Marley e Jimi Hendrix puxar a rodinha de espíritos para rodar o cachimbo da paz.

Dante já havia se ambientado ali no Céu do Sol quanto um bando de espíritos se disporam em roda para jogar cirandinha, o que deixou Dante mais maravilhado que a visão das Musas (das Playboys que ele tinha escondido sob o colchão do quarto).

Houve uma pequena viajada na erva com a citação de arco-íris, e a pederastia da mitologia grega com o caso da ninfa Eco que apaixonada por Narciso, rejeitada por este ser gay e ter apaixonado-se por um bonitão refletido na lagoa, Eco foi consumida por seu amor na siririca.

É citado também o pacto de Noé com Deus, onde o Segundo garantia que nunca mais haveria um outro dilúvio (Ele não especificou um meteoro gigante varrer a Terra do espaço, ou quatro cavaleiros trazer a fome, a peste, a guerra e a morte sob o som de trombetas).

São Domingos - vv. 31-105

São Boaventura tomou a palavra, foi padre franciscano, e tal qual Tomás de Aquino não tinha muito assunto e acabou falando sobre a vida de São Domingos.

Boaventura começa a pagar o maior pau para São Domingos, padre espanhol Santo atleta. Dante acredita na lorota histórica sobre a mãe de Domingos, que durante a gravidez deste disse ter avistado animal negro e branco com pentagrama na testa, simbolizando o chupa-cabras, animal cuja captura foi feita por Domingos.

Depois uma grande enrolação que nem o mais fervoroso franciscano entenderia.

Decadência dos franciscanos - vv. 106-126

No canto anterior o frei dominicano Tomás de Aquino fez elogio a Francisco de Assis e sua respectiva ordem, enquanto criticou a sua própria ordem. Agora é a vez do frei franciscano Boaventura elogiar São Domingos e criticar sua própria ordem.

A crítica aos franciscanos, que se desviaram do caminho do mestre sempre vivendo só na mordomia, e os poucos que ainda se dedicam à vida pobre e humilde acabam indo viver iguais uns eremitas ajudando ninguém e se masturbando todo dia falseando e desvirtuando a Regra Franciscana.

Outros espíritos da Segunda Coroa - vv. 127-145

Como o orçamento do livro estava sendo cortado, Dante teve que se apressar e listou rapidamente uns outro dez espíritos de nerds católicos só para dizer que não os esqueceu. Como Santo Agostinho, grande motorista de taxi. Ugo da San Vittore, Pedro Mangiadore e Pedro Hispano, todos nerds católicos que só Dante conhecia. Natã que teve a coragem de peitar Davi. E Miguel de Cervantes, o grande mestre de Tio1.jpg.

Paraíso
<<Canto XI Canto XII Canto XIII>>




A Divina Comédia
Sumário - Prefácio - Índice
Inferno
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII - XXXIV

Purgatório
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII

Paraíso
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII