A Divina Comédia - Paraíso - Canto XXII

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Paraíso
Este deslivro pertence ao Paraíso de Dante.


O Canto XXII continua narrando o Céu de Saturno onde Dante encontra o Seu Madruga, filósofo, teólogo e pugilista que levou uma vida de contemplação celestial.

Análise do Canto[editar]

Beatriz tranquiliza Dante - vv. 1-24

Dante assustado, tal qual um menino que se esconde nas saias da mãe, o mesmo fez com Beatriz (uma desculpa para dar uma pegada nela). A dama o tranquiliza "Não dás acordo de que te encontras no PARAÍSO!? Ignoras que tudo que aqui se encontra é santo? E ainda mais tão pertinho de Deus, por isso, largue minhas pernas seu tarado."

Beatriz que a Dante deixa babando termina o conforto dizendo "retira de mim (meus seios) os olhos e verás outros nobres espíritos."

Seu Madruga - vv. 25-99

Seu Madruga na escadaria de ouro.

Dentre as almas que ficavam subindo e descendo a escadaria de ouro, uma se aproxima de Dante dizendo "Chapéu, sapatos ou roupas usadas quem tem", era Tripa Seca Ramón Valdez Madruga[1] que ao notar o espanto de Dante indaga: "Que que foi, que que foi, que que há?" e Dante pede que ele narre um pouco de sua vida e como resposta, Madruga diz que a razão do Céu de Saturno é a lógica contida na frase de sua autoria "Não há nada mais trabalhoso do que viver sem trabalhar!", pois aqueles eremitas que vivem nos mosteiros na montanha na, teoricamente vida de vagabundo sem trabalhar, são aqueles que mais se sacrificam e por isso tem direito a este que é um dos mais altos Céus. Ele diz que Foi pobre, porém honrado, e por isso naquele Céu se encontra.

Seu Madruga também explica o por quê de, embora espíritos, todos no Céu sejam visíveis aos olhos de Dante, é porque a carne de burro não é transparente, ele explica. Se a tentação carnal bater à sua porta, cuidado, isso significa prerigo! PRE-RI-GO! Satanás

Mas e o chirrim-chirriom do Diabo? Foi só uma lição de moral, que apenas a astúcia é necessária para vencer o diabo.

Antes de Dante partir, Seu Madruga cede um valioso conselho ao dizer ao pé do ouvido do Poeta que: "São todas Iguais, primeiro ficam com o chapéu, depois acabam ficando com a carteira" e assim, sob a frase "Com licencinha que o Madruguinha vai tomar um cafezinho" aquela alma se mistura entre as demais.

Ascensão ao Céu das Estrelas Fixas - vv. 100-154

Dante inicia a subida daquelas escadarias, e pergunta por que não há elevadores, e Beatriz diz que na verdade ele está em manutenção e aquela é só a saída de incêndio do Céu das Estrelas Fixas, o qual eles acabaram de chegar.

Ao meio do caminho a dama pede que Dante olhe para baixo, a braguilha dele estava aberta para apreciar a vista de todos planetas. Ele estava entre as estrelas, e como sempre, de Beatriz não tira os olhos.

Paraíso
<<Canto XXI Canto XXII Canto XXIII>>

_____________

  1. Seu Madruga: Grande filósofo, teólogo e vendedor de churros apreciado por Dante: autor das frases "A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena."; "As pessoas boas devem amar seus inimigos."; e "Somente as pessoas ruins sentem prazer em ver o sofrimento alheio."


A Divina Comédia
Sumário - Prefácio - Índice
Inferno
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII - XXXIV

Purgatório
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII

Paraíso
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII