A Divina Comédia - Purgatório - Canto XVI

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Purgatório
Este deslivro pertence ao Purgatório de Dante.


O Canto XVI narra o Terceiro Círculo do Purgatório onde estão os iracundos, os ex-administradores da Desciclopédia, e as mulheres que durante a TPM são capazes de bater no Maguila.

Análise do Canto[editar]

O círculo dos iracundos - vv. 1-24

Ao entrar naquele círculo, Dante e Virgílio se deparam com uma densa nuvem de fumaça, a qual representa as bombas de gás de efeito moral utilizadas pela polícia para dispersar corintianos e palmeirenses em dia de clássico, nada mais conveniente que essas fumaça.

Leônidas - vv. 25-51

Dante e Virgílio observam Leônidas ser chutado por um mensageiro persa ao fosso.

"E tu quem és que a névoa fende e anda como se vivo fosse? Fui espartano, e Leônidas foi meu nome" assim se apresentou um dos irados que ali habitava.

Comentou Virgílio: "Este que a muitos persas matou, aqui purga sua ira pagando com a própria pele." E antes que Dante pudesse se apresentar, um persa veio gritando, e com um belo chute lançou Leônidas num obscuro abismo ao bradar: "THIS IS PURGATÓRIOOOO!!! Na Divina Comédia são os mensageiros persas que chutam VOCÊ!!"

O livre-arbítrio - vv. 52-82

E assim dando continuidade à caminhada, é a vez de Dante encontrar Marco Lombardo, quem é tal figura? Não importa, é só mais um parente qualquer e uma das poucas figuras que não tem "Guido" no sobrenome. O fato é que ele e Dante conversam bastante mais diálogos de liçãozinha de moral.

Dessa vez o papo é de que muitos hão de culpar os céus pelo destino que tomam após a morte, mas esquecem que foi o livre-arbítrio que os levou até aquela perdição. É mais ou menos como se Deus, depois que criou você, lavasse as mãos para todas merdas que você fizer. Exatamente como diz a doutrina de São Tomás de Aquino.

A causa da corrupção humana - vv. 82-114

Essa é uma daquela típicas partes que os leitores do livro Divina Comédia pulam, Nela, Marco Lombardo continua seu papo filosófico com frases de efeito como [...]"O pastor rumina as palavras mas nega o bom exemplo"[...] ou [...]"Quem não se arrisca não entra mosca do que dois voando"[...].

E Marco continua seu falatório de lição de moral: "Ó Roma! Tu que unistes as leis terrenas e as regras divinas, mas ao invés de com esses dois sóis iluminar o mundo, juntaram-se o báculo e a espada e a única coisa que fizeram foi matar Jesus. OMG!"

E dessa forma, Dante dedica longas e enfadonhas páginas de lição de moralidade.

Esclarecimento de um Cearense que jogava Winning Eleven - vv. 115-145

Já na saída, eis que um molecote sofria injúrias, de todos os lados recebia nas canelas voadoras rasantes, e Dante aflito: "Mestre, o que é isso!?" e responde "Aquele foi um iracundo Cearense jogador de Winning Eleven!" ao passo que ele ao notar a presença dos poetas, lamenta: "Eu disse-lhe em alto e bom tom, Dá carrim não má, mas ele não me escutou, por ter ownado a sua face, aqui purgo o pecado da ira!"

Purgatório
<<Canto XV Canto XVI Canto XVII>>




A Divina Comédia
Sumário - Prefácio - Índice
Inferno
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII - XXXIV

Purgatório
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII

Paraíso
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII