A Divina Comédia - Purgatório - Canto XXIII

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Purgatório
Este deslivro pertence ao Purgatório de Dante.


O Canto XXIII narra o Sexto Círculo do Purgatório onde estão os glutões condenados a frequentarem um spa até conseguirem emagrecer e expiarem seus pecados da gula ao atingir um IMC de 21.

Análise do Canto[editar]

Os gulosos - vv. 1-36

Lá estavam andando Dante, Virgílio e a nova companhia, Estácio, quando chegam ao sítio dos comilões.

Todos ali cantavam, em prantos, "Abre-me os lábios, ó Senhor, e a minha boca te louvará." Note que até nos cânticos a letra é coisa de gordo, e Dante pergunta o óbvio: "Quem são essas tão penosas almas?" que é respondido mesmo assim: "São aqueles que em vida gordos foram, onde repousa ou repousará a mãe de Anônimo"

Lá estavam a exibir o corpo magérrimo, pele pálida, e de seus rostos não é possível ler "omo" mas sim "eme"[1], ali ficavam aqueles todos que se entregaram aos prazeres da bulimia.

Encontro com Obelix - vv. 37-60

Dante e Virgílio observam Obelix visivelmente mais magro no Círculo dos Gordos do Purgatório.

Dante pode reconhecer entre a multidão que o cercara Obelix, ligeiramente mais magro, o herói gaulês. Depois das apresentações, Obelix começa a descrever como é a vida naquele círculo, onde primeiramente mostra os habitantes dali:

"Observe por aqui toda a dinastia de Reis Momos, e acolá estão agrupados aqueles que eram tão gulosos que peidavam embaixo do cobertor apenas para cheirarem dele sozinhos."

Conversa com Obelix - vv. 61-133

Obelix prossegue a explicação sobre aquele círculo: "Aqui é como um spa divino, os glutões são condenados a nada comer e nada beber. E sob intensa fome e sede devemos ficar caminhando dando voltas no monte, representando o esforço que não fizemos em vida e o combate ao sedentarismo. Somos também obrigados a nunca sentar, pois as cadeiras daqui sempre quebrarão se servirem de assento, e tudo isso sem cirurgia de redução de estômago. E ascenderá aos Céus aqueles que conseguirem emagrecer."

E sobre aquela bizarra árvore: "Aquela árvore exala um cheiro que nos tenta a fome e o desejo pelo mer, e está de cabeça para baixo porque comida não fornece, lembre-se que o Purgatório faz qualquer conjectura de Lewis Carroll parecer algo corriqueiro"

Purgatório
<<Canto XXII Canto XXIII Canto XXIV>>

_____________

  1. omo: Dante se referiu aos místicos medievais que acreditavam poder se ler "omo" nos rostos das pessoas, atestando aos gordos tendências homossexuais.


A Divina Comédia
Sumário - Prefácio - Índice
Inferno
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII - XXXIV

Purgatório
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII

Paraíso
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII