A Divina Comédia - Purgatório - Canto XXIX

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Purgatório
Este deslivro pertence ao Purgatório de Dante.


O Canto XXIX continua narrando o Paraíso Terrestre onde Dante sofre fortíssimas alucinações ao se deparar com um autêntico desfile de escola de samba.

Análise do Canto[editar]

Procissão de espíritos bem-aventurados - vv. 1-36

Ainda acompanhando Daniella Perez, Dante começa a reparar na rotina do Jardim do Éden, inicialmente nota um grupo de ninfas, e posteriormente um monte de gente reluzente cantando com Ray Charles como líder.

Dante ao observar tamanha bizarrice, em pensamentos reprova Eva pelo o que ela fez, pois foi por sua culpa que ele não pode desfrutar desse jardim de delícias inefáveis onde acontecem coisas mais inacreditáveis que qualquer trip de LSD possa oferecer.

O cheiro de maconha emanado pelo jardim e Gatinhos começa a fazer efeito e despertar as mais altas alucinações em Dante.

Sete candelabros - vv. 37-60

A primeira alucinação é a visão de sete árvores de ouro que representam os sete dons do Espírito Santo: Ignorância, malandragem, ciência, conselho, fortaleza, egoísmo e medo de Deus. Qualidades que unidas foram a fórmula de Deus ao criar o ser humano, e deixou essas árvores lá para simbolizar isso.

Vinte e quatro Michael Jacksons - vv. 61-87

A segunda alucinação é a visão de vinte e quatro Michael Jacksons, que seguindo emparelhados representam todas as 24 tipos diferentes de faces que este já exibiu.

Carro puxado por um grifo - vv. 88-120

A bad trip dantesca começa a ficar mais potente, e agora ele começa a ver quatro animais cada um com seis asas onde cada pena possuía cem olhos, cuja representação eram das Quatro Patas de uma Mula.

E cercado por estes bizarros animais advindos de algum conto perdido de Harry Potter havia um robusto grifo de ouro puxando uma carruagem de duas rodas representando respectivamente, a carruagem a Igreja, as duas rodas o macho e a fêmea, e o grifo a zoofilia.

Sete mulheres - vv. 121-154

Se já não era o bastante, três mulheres dançavam a direita da carruagem, uma de vermelha que representava o sexo, uma de verde que representava o vegetarianismo, e uma de branco que representava uma marca de sabão em pó que fazia merchandise ali.

E a esquerda havia quatro dançarinas de roupas roxas, pois foram ao mesmo estilista naquele dia, representavam respectivamente a justiça, a fortaleza, a temperança e o voyeurismo. A da frente que era a "Voyeurismo" tinha três olhos pois vigia, prevê e recorda. A segunda, a "temperança" tinha dois olhos pois é preciso ver os dois lados da vida para proteger tanto a frente quanto a retaguarda. A terceira, a "fortaleza" tinha apenas um olho, pois a força vem da cegueira. E a última, a "justiça" tinha nenhum olho, o que explica a sua ausência na humanidade.

Acha que acabou as bizarrices? Quase, São Lucas e São Paulo ainda fazem uma palhinha fechando todo aquele carnaval.

E assim aquela carruagem aproxima-se de Dante, e com o estrondo de um trovão, o carnaval acaba.

Purgatório
<<Canto XXVIII Canto XXIX Canto XXX>>




A Divina Comédia
Sumário - Prefácio - Índice
Inferno
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII - XXXIV

Purgatório
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII

Paraíso
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII