A Divina Comédia - Purgatório - Canto XXX

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Purgatório
Este deslivro pertence ao Purgatório de Dante.


O Canto XXX continua narrando o Paraíso Terrestre onde Dante finalmente encontra Beatriz, a doce musa dos seus mais íntimos sonhos eróticos, aquela que é a mulher que fora a mais homenageada pelo poeteiro da Divina Comédia, fazendo deste o ápice da segunda parte, o Purgatório.

Análise do Canto[editar]

Aparição de Beatriz - vv. 1-39

Beatriz desce dos Céus carregada por modelos da Victoria's Secret.

Depois das bizarrices do capítulo anterior, eis que descende dos Céus cheia de pompa uma figura reluzente, carregada por anjos ao som de trombetas, com tapete vermelho estendido, raios e trovões, chuva de faíscas, chuva de pétalas de rosas, e até uma fumaça produzida por gelo-seco que São Lucas colocou no riacho por ali, tudo ao som de Manibus, o date, lilia plenis![1].

Tudo isso sem falar no monte de gente cantando sabe-se lá o que em latim, como se o mundo fosse feito só de humanos latinos... pode reparar, você nunca lerá na Divina Comédia alguém cantando em japonês, ou algum asteca cantando, ou algum africano dançando umba, e o Paraíso Terrestre não foge à regra dantesca.

Partida de Virgílio - vv. 40-54

Dante vira a sua esquerda pensando em dizer a Virgílio "Miguxooo, olha que lindooo, estou tão feliz!", mas quão prantosa é sua decepção ao reparar que seu amado guia havia partido, e nisso cai em prantos "Como pode me abandonar Virgílio! snif... Achei que éramos amiguinhos... snif..."

A verdade é que foi uma puta falta de educação de Virgílio ter partido sem nem mesmo ter dado um "tchau", não por menos seu lugar original é no Inferno.

Exprobrações de Beatriz - vv. 55-145

Aquela presença ilustre o chama "Dante, não te abandones ao desespero por Virgílio ter-te deixado. Você é gay por acaso, agora gozarás de minha companhia", fala a voz claramente com tom de ciúmes.

Dante espantado continua a escutar "Não te enganas: sim, sou eu, Beatriz. E tu, como ousaste subir até aqui ao Monte reservado apenas ao homem ditoso?" e assim ela ownou Dante muito bonito logo na sua segunda frase, e o poeta envergonhado nada pode fazer a não ser baixar a fronte de vergonha.

Até que um anjo pergunta "Senhora, por que tanto o reprovas?" e Beatriz com até certo prazer responde "Este n00b em vida seguia mau terreno. Quando eu ainda da vida gozava, notava que este pervertido ficava me espiando na minha janela todo dia que eu ia trocar de roupa. E quando da carne me desprendi, ele continuou pelo caminho torto, fazendo intrigas políticas, tentei por inúmeras vezes lhe contatar por sonhos, mas esse pervertido sonhava outras coisas comigo, que por decoro não me permito dizer aqui. Não havendo outro remédio lhe dar a não ser mostrar os danados que penam no Inferno e Purgatório, espero que ele tenha aprendido a lição e não venha a tornar cometer mais burradas."

Beatriz aplica um daqueles sermões cabulosos que só mulheres são capazes de fazer. Até ali foram 63 capítulos na maior mansidão com Virgílio, e Beatriz logo em sua primeira aparição aplica um monte de lição de moral e demonstra claramente que sua matraca é seu forte, mas como Dante era apaixonado por isso!

Purgatório
<<Canto XXIX Canto XXX Canto XXXI>>

_____________

  1. "Espalharei lírios às mancheias": Verso da Eneida, Fazê-lo cantar em tal circunstância foi a maior pagação de pau de Dante a Virgílio.


A Divina Comédia
Sumário - Prefácio - Índice
Inferno
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII - XXXIV

Purgatório
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII

Paraíso
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII