Deslivros:Como fazer amizades em Curitiba

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deslivros4.png
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.

Este deslivro é parte do acervo de desmanuais Nuclear-explosion.jpg

A diferença entre o sucesso e o fracasso com as mulheres curitibanas, segundo alguns paulistas que não sabem chegar numa garota na terra do leiTE quenTE...

Prefácio[editar]

Após anos de observação e estudos, e devido às inúmeras reclamações das pessoas vindas de outras cidades e estados, sendo que podemos destacar como os maiores reclamadores os PAULISTAS. Alguns pesquisadores resolveram fazer um tutorial de Como fazer amigos em Curitiba, nessa capital de povo gélido e nada assertivo. Claro que isso se você quiser interagir com os Curitibanos (sempre com letra maiúscula) da Gema, pois esses frequentam o que tem de melhor em Curitiba, melhores festas, restaurantes, boates, etc, segundo os próprios curitibanos, mesmo que seja apenas um boteco ou pastelaria imunda de beira de estrada...

Princípios básicos[editar]

Primeira coisa que você deve ter ciência é que para o Curitibano você não faz diferença alguma, não queira sua simpatia simplesmente por você existir. Falas e cumprimentos vagos como "bom dia", "boa tarde", "oi", "olá", "como vai", etc, é retórica inútil e não servem nesta cidade.

Nunca, jamais, em hipótese alguma diga que você é natural de outra cidade. Se tiver sotaque carregado (que não seja o "caipirês" Curitibano), procure uma fonoaudióloga, pois nesta cidade é considerado uma deformidade, pois para o Curtibano médio ele não tem sotaque.


POSTURA[editar]

Como se vestir[editar]

É até compreensível em regiões tropicais e litorâneas a exibição de corpos, mas aqui não use roupas curtas (para mulheres), isso para a visão das mulheres Curitibanas é vulgaridade (puta, vadia, piranha, etc.), não que as curitibanas não sintam vontade de liberar geral, mas o código moral aqui é rígido (aparentemente). Já os homens adorarão, você ganhará vários "amigos" usando roupas curtas, eles tentarão mostrar alguns pontos turísticos, a sua imagem vai se confundir com a herança maldita de carnaval, micareta e Carla Perez e companhia.

Não use modismos de sua região, para Curitibanos, isso é coisa de jacu, no máximo um detalhe regionalista, mais precisa ser só um detalhe e não o principal do visual.

Nunca, jamais, em hipótese alguma se vista como mano, pois isto é denominado de vileiro em Curitiba. Ao menos que você queira apanhar do punks, da PM, assim como despertar medo em mulheres e crianças com a sua vestimenta(pijama) de Power Ranger.

Visitando um vizinho ou conhecido[editar]

Um típico emigrante cheio de personalidade, na expectativa de fazer novas amizades no encontro dos skinheads no Largo da Ordem, após ler este deslivro...

Um hábito frequente na cidade é te atenderem no portão, mesmo que seja o vizinho de vinte anos de residência no mesmo lugar, ele tem tanto privilégio quanto um testemunha de Jeová para um curitibano comum, ou seja, você é um chato, pedante que tá incomodando. Se você for convidado a entrar, é uma conquista imensurável, pois isso é algo raro em Curitiba, mas todo o cuidado é pouco.

Entrar na casa de um curitibano é como andar em um campo minado, então nunca ande ou entre em um cômodo sem ser convidado, tampouco toque em qualquer objeto, animal, vegetal ou mineral sem permissão prévia, assinada e registrada em cartório, pois mesmo que você manuseie um simples quadrinho de foto ou faça um inocente cafuné em um cachorrinho pode ser interpretado como intromissão e falta de respeito e educação pelos outros, na visão de um Curitibano.

Afim de algum curitibano?[editar]

Se você for de alguma outra cidade e vier para Curitiba e caso se interesse por alguém daqui, para meninas que se interessam pelos garotos daqui (conhecidos como "piá") tentem ser legais com eles, puxem assuntos, porque eles mesmo que estejam interessados eles NÃO vão puxar assunto, e caso se interessem por garotas daqui tentem parecer os mais filhinhos do papai possível, assim elas irão curtir vocês.

No caso que você esteja interessado em alguma garota daqui (as "gurias"), desista e vá atrás de uma paulista ou carioca, ou até mesmo uma do interior do estado ou uma gaúcha. Porque afinal o prato principal de Curitiba é cu doce.

De muito irá ajudar se você estudar e/ou trabalhar com quem está gostando

AMBIENTES[editar]

Onde estudar[editar]

Se tiver condições, deve optar por com colégio particular, como Marista, Bom Jesus, Opet, Positivo, Dom Bosco, pois são lugares onde concentra um monte de cocotas soltinhas, assim como o Colégio Estadual do Paraná, onde os banheiros são bem movimentados. Caso contrário, um chevette rebaixado pode e ajudar.

O Couto Pereira é um bom lugar para desenvolver empatia e socialização...

Na universidade, dê preferência para cursos de ciências humanas, de preferência na UFPR. Lá se encontra o maior número pessoas esquerdistas (mais puxado para esquerdopatas) que gostam de "fumar um", os intelectualoides (ops!), intelectuais adoram a "cultura brasileira" (montar uma banda de forró é a coisa mais underground do mundo em Curitiba), ainda mais se for a cultura de estados mais pobres, lá todos são iguais como manda a cartilha socialista, você será bem recebido.

Outra opção são as instituições particulares, desde que sejam as instituições de rico, como PUCPR, Unifae e Universidade Positivo, desde que você tenha no mínimo um bom carro e vestimentas de marca, caso contrário a sua socialização será bem complicada se você tiver roupas da C&A onde saberão que você é bolsista do Prouni, ou se for de uma instituição mais pobrezinha (ambos considerado medíocres pela classe média por conta da condição financeira pobre). Lugares de pleybas débeis como MacDonald's, Liqüe, Graciosa Country Club, Clube Curitibano e Santa Mônica são boas indicações de lugares que você pode dizer que frequenta, para conseguir falar com alguém que estuda nesses lugares (o mesmo vale para os cursos mais concorridos das universidades públicas da capital, normalmente ocupadas por alunos do Curso Positivo e Dom Bosco).

Onde comer[editar]

Uma boa pedida para uma refeição com os amigos são as redes de fest-food nos grandes shoppings, mesmo que você pague o custo de um almoço completo numa churrascaria de espeto corrido, é mais cool pagar uma nota por aquele pão mucho com sola de sapato e alface velha, que servem em lindas caixinhas multicoloridas com desenhos emo, seja ela do Bob's, McDonald's ou Burger King. Nunca, jamais, em hipótese alguma cite alguma lanchonete de china, mesmo que isso seja o máximo que você possa pagar, tampouco o restaurante popular da prefeitura com refeições a R$1,00, pois isso é considerado uma heresia para a classe mérdia, e significará a perda de muitos pontos com uma garota, exceto se ela for dona de um circo, aí se alegrará muito com o palhação com estômago de avestruz que você representa.

Onde morar[editar]

Sempre diga que mora em um bairro nobre, como Água Verde, Jardim Social, Mercês, Batel, Champagnat ou Ecoville, que mesmo que estes dois últimos não sejam bairro, são excelentes pontos de referência para pagar de fodão nas baladinha, mesmo que você calcule mentalmente o custo de cada caipirinha que consome na balada para não gastar a passagem do ônibus. Bairros como Boqueirão, Tatuquara, CIC e Sítio Cercado, ou qualquer cidade da região metropolitana, só devem ser mencionados(as) se você quer tirar onda de traficante fodão.

No elevador[editar]

Não tente fazer amizades por lá. Ninguém está interessado na sua vida e no que você tem a dizer, no máximo vão te dar um sorriso amarelo e pensar: Cquote1.png Por que esse carioca falastrão não para de encher o saco? Cquote2.png ou Cquote1.png Parece abobado esse nordestino risonho, eu não quero intimidade! Cquote2.png.

Não cumprimente ninguém em elevadores de Curitiba, pois ninguém vai te responder...e evite comentar caso esteja acompanhado como são mal educados pois eles logo vão te responder..sou mal educado por que eu posso..sou curitiboca...

Quando a carência bater[editar]

Muito comum, alguns forasteiros ficam meses sem conversar com ninguém, nem com seu próprio vizinho, portanto não apele para os prestadores de serviço, por exemplo, não queira um beijo, um abraço ou uma palavra amiga do motorista do ônibus, na cabeça dele está bem claro, a obrigação dele é simplesmente ter deixar no destino, e a sua é de pagar a passagem.

Uma alternativa em casos de extremo desespero é ir no BVGP, denominado para os íntimos de Bom e Velho Gato Preto, onde o cidadão pode saborear uma gorda gostosa (costela/puta gorda), não necessariamente nesta ordem.

E é claro, caso fique muito desesperado(a), procure um paulista, carioca ou nordestino mais próximo e puxe papo, diferente do curitibano, ele vai conversar com você, mesmo se ele esteja cagando pra o que você esta falando.