Deslivros:Etumbenia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deslivros4.png
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.


O reino de Etumbenia era mágico. O avanço tecnológico se encontrava com o classicismo. Graças a isto era possível andar com carros voadores dentro de castelos. Etumbenia ficava perto do Reino de Velana, a nação das fadas, e do Reino de Anelana, nação dos elfos, magos, gnomos e duendes. Saber disso não vai influenciar no conto, foi só uma curiosidade.

Em Etumbenia havia uma estrada verde, construída pelo rei Notun. A estrada havia sido construída 3 anos atrás, toda feita de biscoitos. Hoje, 3 anos após a construção, a estrada ficou verde graças ao apodrecimento dos biscoitos. O rei Notun tinha boas ideias mas não era muito inteligente. A estrada de biscoitos liga o Vale da Saudade à Cidadela Raitequia.

O Vale da Saudade é um cemitério, onde as almas repousam. É um cemitério diferente. Em vez de tumbas, são redes, idênticas às redes de praia, porém feitas de um material parecido com borracha, de cor preta. As almas ficam se balançando na rede, tomando água de coco. Para ir em qualquer lugar do norte de Etumbenia, era preciso cruzar o Vale da Saudade.

A Cidadela Raitequia é o lugar mais avançado de Etumbenia. Para mostrar este avanço, o antigo rei Jotunje, pai de Notun, mandou construir uma ponte bem grande. Com cerca de 600 metros de altura e 30 quilômetros de comprimento, a obra era fascinante. Em cima desta ponte ele mandou construir outra ponte, com 400 metros de altura e 27 quilômetros de comprimento. Em cima da ponte construída foi colocada outra ponte, e outra ponte, e outra ponte... A ponte mais alta de todas fica a mais de 2 quilômetros de altura. Ela foi construída com nanotecnologia e tem 1 milímetro de altura e 1 centímetro de comprimento. A ponte demorou muito tempo para ser finalizada, porém não serve pra nada já que não existe rio na região.

O protagonista do conto é Fuyod, um meio-elfo, morador do vilarejo de Enronia. Ele percorria a estrada de biscoitos (aquela verde) e foi parado por 3 macacos. Em cima da cabeça de cada macaco havia mais um macaco. Sobre a cabeça do macaco em cima da cabeça do macaco havia outro macaco. e em cima da cabeça do terceiro macaco havia um mico. E sobre a cabeça do mico existia um sagui. Os macacos avisaram Fuyod sobre um possível ataque dos gamelanos. Estes macacos eram videntes, primos daqueles macacos trigêmeos japoneses (mão no olho, mão na boca e mão na orelha). Os gamelanos iriam atacar Raitequia e invadir Etumbenia.

Fuyod era o guerreiro mais poderoso de Etumbenia. Ele se reuniu com outros guerreiros do vilarejo. Trakk era um humanoide gigante, com 3 metros de altura e carregava um bastão de madeira com bolinhas de ferro. Urubau era um anão com 1 metro de altura e sua arma preferida era um machado com 2 metros. Orco era um ser esverdeado e carregava uma lança. Os outros guerreiros não são importantes.

Fuyod e sua gangue marcharam para Raitequia. Era tarde demais. A cidade já havia sido dominada. Aqueles macacos não eram videntes merda nenhuma. Os soldados gamelanos destruíram a cidade, saquearam as mulheres e estupraram as casas. Fuyod ainda tentou fazer alguma coisa, como qualquer herói bobo. Foi eliminado. Os demais guerreiros fugiram e salvaram suas vidas. E este é o triste fim de Etumbenia.