Deslivros:O último porquinho

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.

Este deslivro é parte do acervo de deslivrinhos Pedo seal.gif

Em um belo dia, o Lobo Mau estava com um péssimo humor. Há quem diga que tinha algo a ver com o machucado em sua pata esquerda, enquanto outros poderiam explicar que ele tinha brigado com sua namorada duas vezes na mesma semana, e outros ainda poderiam apontar para a eventual realização que chega a todas pessoas e animais que a vida é, em última análise, inútil e fugaz. Mas na verdade não tinha nada a ver com qualquer um destes, e sim, com a localização.

Especificamente, tinha a ver com sua vizinhança. Era um pouco quieta numa pacata rua no subúrbio. Após o canguru, que vive a poucos quarteirões de distância, ter flagrado um contrabando de drogas e imigrantes ilegais. Ele costumava ter dias terríveis. Mas, o Lobo supostamente, tinha um bom coração, porém sem muito controle.

A maldita casa... era assombrada em seus sonhos, em sua vida. Não havia como escapar.

Mas o canguru não era a única pessoa que o Lobo sabia que vivia nas proximidades. Bastava descer um pouco e do outro lado da rua havia uma casa de tijolos. Simples e visualmente bonita. Mas para o Lobo, representava fracasso. Derrota. O fim de sua carreira de Malvado. A casa dominou sua vida, ele poderia xingar, assoprar, espirrar e independentemente da estrutura, a casa viria a despencar no chão. Mas não. Aquela casa de tijolo, aquela maldita casa de tijolo, foi o que estragou tudo. Embora ele tentasse ignorá-la, sim, ele tentou empurrá-la para fora de sua vida, vendo um quadrado vermelho em uma terrível visão periférica anormal quando ele saiu para fazer compras ou quando foi jogar boliche.

Não havia sentido negá-lo, ele era obcecado. Ele até comprou alguns tijolos apenas para esmagá-los com um bastão quando estava com raiva. Fez modelos de tijolos LEGO fora de casa só para assoprá-los e sentir o prazer de vê-los cair. Alguns dias, ele passou na frente da casa onde vive o último porquinho, sentou e comeu presunto na frente dela. Talvez para o quinquagésimo tempo, ou talvez até o centésimo, mais uma vez ele atingiu sua inspiração. Ele agarrou uma folha-ventilador, plugou-o, e o arrastou para o fim da rua, extensão elétrica atraso. Depois gritou, como sempre: "PEQUENO PORQUINHO, PEQUENO PORQUINHO, Deixe-me entrar!"

Sem resposta.

Ele suspirou de frustração e raiva e quebrou o seu dedo indicador no botão de campainha: "pequeno porquinho, pequeno porquinho, deixe-me entrar!"

"Nunca," veio a resposta depois de alguns segundos, "não coloque um dedo nesta casa."

"Então eu vou HUFF", declarou o lobo como se a ideia tinha acabado de lhe bater, "e eu vou bufar, e eu vou ENTRAR EM SUA CASA!"

O Lobo ignorou a resposta, algo sobre sua mãe. E ficou sentado ali, à espera da inevitável queda do seu inimigo de habitação. Ele esperou por vinte minutos. Alguns dos curiosos vizinhos abriram as portas e espiando afora de suas janelas para ver o que estava acontecendo. Finalmente, quando o Lobo percebeu que não haviam progressos a serem feitos, ficou ereto e proclamou, "Algum dia eu vou tirar você daí, PEQUENO PORQUINHO!"

Sem resposta.

Ele pressionou a campainha e repetiu novamente.

"Sim, sim," o porco suspirou. "Escute, por que não arranja um hobby ou algo assim?”

O Lobo deu pouca atenção a esta sugestão e marchou direto para sua casa.

Mais tarde naquela noite, seu irmão Eugene lhe concedeu uma visita. Agora, Eugene era um professor de um colégio local, o mais bem sucedido de todos os irmãos Lobo Mau. Era um pouco deprimente vê-lo novamente, quando o Lobo tinha uma meta a fixar para si próprio que nunca foi alcançado. Ainda assim, o seu irmão, preocupado com a saúde mental do Lobo, perguntou: "Qual é o problema de sua mente, meu irmão? Que preocupação lhe perturba?"

O plano de Eugene era simples, mas o Lobo mau imaginou que poderia ser apenas o suficiente para levar a melhor sobre o excessivamente confiante, velho inimigo.

""É aquela maldita casa", o Lobo Mau admitiu sem hesitar. "Aquela maldita casa de tijolo, basta descer a rua... Raios, Eugene! Eu posso xingar e destruir alguma coisa que eu fico muito bem contente! Mas não, não, um deles tinha que ser inteligente." Ele suspirou. "Eu não sei o que fazer. “Se eu conseguisse destruir aquela maldita casa, eu teria uma vida melhor.”

Eugene divagou um pouco e disse: "Parece-me...", ele finalmente concluiu ", que está centrada sobre a destruição da estrutura impenetrável, em vez de fazer suas presas para desocupar o local."

O Lobo Mau considerou esta. "Portanto ... tudo o que tenho a fazer é tirar o porco fora da casa ... em vez de me preocupar em destruir a casa?"

"Perfeitamente!" Eugene declarou.

"Eugene, você é um gênio!" exclamou o Lobo contente.

"De acordo com as várias revistas científicas, sim."

"Eu te amo! Você é perfeito!"

"Oh, bem. Para que servem os irmãos, afinal?" Eugene sorriu.

Na manhã seguinte, o Lobo Mau despertou com um novo plano formado na sua cabeça. Ele saiu e comprou o terno mais deprimente e sombrio que poderia conseguir. Depois, ele encontrou um livro de sua estante negra, e o leu um pouco. Ele caminhava pela rua com seu novo disfarce, cheio de confiança em cada nervo do corpo dele.

Relativamente ao último momento, ele abordou a casa de tijolo e pressionou o botão da campainha. "Com licença, posso falar com você um instante?" , perguntou calmamente.

O Lobo Mau tinha uma péssima visão futurística

O pequeno porco, não reconhecendo o tom calmo do Lobo, concordou em abrir a porta. Cautelosamente, ele abriu a porta. Ele não conseguia ver quem estava por trás dela.

"Sim?" , perguntou o porco, um pouco chateado por esta interrupção.

"Prepare-se!" o homem negro exclamou. "Prepare-se!" ele repetiu. "O fim está próximo!"

Um medo se espalhou pelo pequeno corpo do porco, pulando para cima e para baixo de seu pé para sua testa e tremendo constantemente. Seu pior medo - o pior medo de todos - foi finalmente realizado. Ele quase não podia acreditar no que estava acontecendo. Ele quis correr, mas ficou congelado, em choque, ao ouvir o homem de preto da próxima proclamação:

"Arrependa-se! Com medo de que os incêndios fogo do inferno ... ... chova sobre vós e transforme-o em bacon!" a terrível voz continuou.

"Não… não ..." o pequeno porco literalmente gritou. Finalmente, o medo quebrou seu domínio sobre o pobre proprietário de casa, e ele saiu correndo para a porta da casa do cavalo, gritando, "SOCORRO! Testemunhas de Jeová!"

Pelo menos uma vez, o Lobo abandonou seu disfarce ridículo e, em todos os cômodos, correu por toda a parte da casa atrás do porco.

Como ele estava prestes a comemorar sua vitória, Deus, em sua infinita sabedoria e justiça, atingiu-o no chão para comer carne na Quarta-Feira de Cinzas.

FIM


Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas