Deslivros:Pinto, o amigo de (quase) todas as horas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deslivros4.png
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.
Esse é o tamanho do seu.

Embora, em pleno século XXI, muita gente ainda pense ao contrário, nós gostaríamos de utilizar esse espaço para defender a tese de que o pinto é, sempre foi, e sempre será, o melhor amigo do homem.

Eu sei que você, meu querido leitor ou leitora, pode ficar chocado ao ler essas palavras, pois desde pequeno, sempre foi acostumado a ouvir que o cachorro é o melhor amigo do homem… contudo (ou só com a cabecinha, se preferir), nós temos razões de sobra para afirmar que estamos falando a mais pura verdade.

Vamos começar nossa análise pelos nomes dos ditos-cujos. Diga um sinônimo de cachorro!? Cão? Pois bem, agora diga outro!… Não ouvi nada… hummm… Não consegue, né?

Agora me diga um sinônimo de pinto!? Caralho… rola… cacete… que mais?… Jeba… pau… estrovenga… pingolim… piu-piu… pica…

Puxa... você entende de pinto, hein?!

Tá vendo?! Mas isso é só o princípio do começo que está se iniciando. Me responda às seguintes perguntas:

  • Você já viu algum homem reclamar porque o seu cachorro não levanta mais?
  • Você já viu algum homem contar vantagem só porque tem um cachorro maior do que o do seu vizinho?
  • Você já viu algum homem se lamentar porque o seu cachorro não latiu na noite passada?
  • Você já viu algum homem sentir prazer quando alguém acaricia a cabeça do seu cachorro?

E tem mais…

  • Você já viu algum homem deixar o seu pinto preso na coleira o dia inteiro?
  • Você já viu algum homem bater no seu pinto porque ele não fez xixi em cima do jornal?
  • Você já viu algum homem deixar o seu pinto comer carne de segunda?

Pois então… queira-se ou não admitir, o pinto está para o homem, assim como o palhaço está para o circo: um espetáculo sem o palhaço pode até ser interessante, mas não tem a menor graça!

E pasmem, leitores, o pinto não só é o melhor amigo do homem, como também o melhor amigo de muitas mulheres. Eu conheço várias mulheres que se sentem infelizes porque nunca tiveram a oportunidade de conhecer um pinto. Segundo elas próprias declaram, só de pensar num pinto elas sentem que há um vazio dentro delas que precisa ser preenchido… com um bem grosso, de preferência!

Mas, como tudo na vida, o pinto também não é eterno. Ele nasce, cresce, se fortalece, enrijece, enlouquece e se oferece. Mas, depois de algum tempo, ele enfraquece, amolece e… esquece…

Esse fenômeno pode ser explicado dando-se um nome de acordo com a idade de seu dono:

  • 2 anos — Inácio Pinto
  • 4 anos — Inocêncio Pinto
  • 6 anos — Lucréscio Pinto
  • 10 anos — Jacinto Pinto
  • 16 anos — Armando Pinto
  • 20 anos — Gastão do Pinto
  • 30 anos — Valente Pinto
  • 40 anos — Amâncio Pinto
  • 50 anos — Modesto Pinto
  • 60 anos — Décio Pinto
  • 70 anos — Caio Pinto
  • Acima de 70 anos — Serafim do Pinto

Bem, para encerrar, vamos plagiar aquele slogan clássico dos anos 80 da Coca-Cola:

Pinto é isso aí!