Desnotícias:Após 5 meses desaparecido, o menino do Acre aparece montado num dinossauro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desnoticias logo.png

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

RIO PRETO, AIB (Acre Independente de Brasil)

O menino que desapareceu, como pode ver, ele está pensando em se matar.

Após 5 meses de tortura e busca por um menino Inexistente, O estudante de macumbaria e bruxaria, voltou são e salvo pra casa dele na sexta-feira (11). E com um dinossauro de estimação!

O Pai do menino relatou que filho Belo filho por sinal está fudido e a família aliviada com a volta do menino. No entanto, o jovem não pode ficar em casa que morava, pois alguns curiosos e fofoqueiros poderão vir para a casa dele atrás de mais detalhes, como nós.

"Nyob rau ntawm no point peb yuav tsis saib npaum li cas. Nws yuav tsis muaj nyob rau ntawm lub tsev, ib tug ntau ntawm cov neeg tuaj ntawm no. Nws mam li yuav sim lwm qhov, nws rov qab nyob ib leeg. Hais tias yog tag nrho peb muaj peev xwm tham "(Traduzido da língua acriana:“Nesse momento não vamos comentar muito. Ele já não vai ficar mais em casa, tem muita gente vindo aqui. Ele vai ficar em outro lugar, ele voltou sozinho. Isso é tudo que podemos falar”)Ressaltou

Ao gum, o delegado que investiga o bagulho todo, Alcino Baceta, informou que já entrou em contato com a família que o menino deve ser fudido sem camisinha nos próximos dias "Peb yuav tsis hnov ​​nws tam sim no, vim hais tias qhov no yog ib lub sij hawm rau nws yuav tsum tau rov qab sib koom nrog rau cov tsev neeg" (Traduzido da língua acriana:"Não vamos ouvi-lo hoje, pois esse é um momento de ele se reencontrar com a família") disse.

O primeiro dos primeiros primeiristimos livros do menino entrou para a lista "Vagabundos" dos mais fudidos da semana, entre 24 a 30 do mês passado. O ranking é o site TretaNews, construido com cimento e tijolo das somas de todas as boates pesquisadas

O Livro VQF (Vagabundos Que Fogem) tem 666 páginas no quais o autor tenta explicar porque tem gente que foge de casa


Fontes[editar]