Desnotícias:Ex-jogador Kaká anuncia sua aposentadoria

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desnoticias logo.png

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

SAN PAOLO, Brazil

Depois de mais de 16 anos de desserviços prestados ao futebol, Ricardo Izecson, o Kaká Bueno foi até a agência do INSS e agendou para hoje a retirada de sua tão sonhada aposentadoria. O ex-jogador, em entrevista ao Galvão Bueno — esse sim, não se aposenta nunca — disse que gostaria de distribuir coletes no Milan, clube italiano que já foi um dos maiores do mundo e que hoje abriga um misto formados por ex-jogadores de times de solteiros e de casados. Como treinador, o ex-jogador crente pretende inovar, podendo ser o primeiro treinador que não dará berros ao lado do campo ou xingar a mãe do árbitro após alguma falta mal marcada para o time adversário.

Cquote1.png Descer a tora Cquote2.png pro Kaká, só na construção. O jogador é conhecido por ter se irritado apenas uma vez no campo: quando seu companheiro de Seleção Brasileira disse o nome de Deus em vão.

Perguntado como pretende agir ao lado do campo para chamar a atenção de algum atleta com falha de marcação, o eterno são-paulino disse:

Cquote1.png Ei! Volte à marcar, irmão! Olha a marcação, obreiro! Irmão, tome cuidado com o homem vil por trás! Paz do Senhor naquele escarnecedor, irmão!
Kaká , sobre o que diria para seus comandados em campo.


O jogador também disse sobre uma possível volta ao São Paulo, clube que o revelou do armário para o mundo. Na entrevista, ele acabou deixando escapar que o principal motivo de ter pedido sua aposentadoria antes de voltar ao Brasil é que o único clube que fez uma oferta para tê-lo de volta era o São Paulo, e que ele não voltaria a passar tamanha humilhação novamente. Então decidiu se aposentar ao dizer não, já que com uma negativa cometeria o pecado da ingratidão.

Ao se despedir dos campos, Ricardo deixa uma Bola de Ouro, aquela mesma que disputou (e ganhou) com o Messi, Cristiano Ronaldo e Marta Sapatão.


Fontes[editar]