Desnotícias:Nem o enredo do pior anime preveria essa virada da Bélgica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

FIFA WORLD CUP 2018.png Esta desnotícia é parte do projeto DesCopa Russia. Na Rússia, a Copa se informa sobre VOCÊ!

ROSTO DO DON, Terra da Vodka - Arena Rosquinha

E mais uma vez, o Japão é destruído por ataques aéreos.

Tal qual Ash Ketchum, que não venceu a Liga Johto e foi marcado por uma conclusão dramática por ter sido derrotado no final de uma temporada, a seleção do Captain Tsubasa (aparentemente desfalcada do mesmo) decepcionou a sua torcida; mesmo após estar milagrosamente vencendo, cedeu a virada ao time superestimado da Bélgica. A Bélgica, por sua vez, correspondeu bem.

Primeiro tempo[editar]

Os otakus tiveram medo de serem humilhados por uma superestimada Bélgica que dizem ser um dos melhores times do mundo, por isso o primeiro tempo foi bem travado. Já os belgas, como são superestimados, obviamente não puderam fazer muita coisa também; apostavam todas as jogadas em lançamentos para Lukaku (nome de perfeito de vilão de anime), que ia na trombada tentando marcar seus gols de canela. Mas tava difícil de finalizar estando dentro do bolso de Yoshida, que usou sua técnica da Parede de Fogo do Super Onze pra bloquear tudo que era chute do belga.

Segundo tempo[editar]

Foi então que os gols aconteceram pois, após se estudarem por 45 minutos, ambos os times perceberam que tinham chances reais de vencer. O problema é que o adversário na próxima fase é o Brasil, um time que nem Japão e nem Bélgica têm certeza se conseguem vencer por 7x1, então havia uma certa incerteza sobre quem realmente arriscaria vencer esse jogo.

Os primeiros a manifestarem interesse em vencer a partida foram os japoneses, que acharam dois gols. Primeiro com Haraguchi, utilizando a jogada mais clássica japonesa desde o Super Onze, que é pegar a bola e correr indefinidamente em linha reta, até meter uma bicuda na bola tão forte que a chega a bugar as três dimensões do plano físico e deformá-la até virar um ovo. Depois disso Inui aumentou o placar, após ficar uns 15 segundos com a bola sem nenhuma marcação justamente porque os belgas não acreditaram que um japonês seria capaz de acertar um chute de fora da área.

A partir daí, a ótima geração belga ficou desesperada, pois ser eliminado pelo Japão é de cair o cu da bunda. Aí os caras começaram a errar passes de 5 metros, e o pior, foram postos na roda pelo ataque japonês; os kamikazes tavam tabelando na área dos belgas com facilidade, só não fizeram uns 3 ou 4 porque não sabem chutar pro gol mesmo.

Mas como diria Putin Junior, "quando você enfia a faca no inimigo, tem que rodar a faca, senão corre o risco do inimigo sobreviver e aí querer te matar". Foi exatamente isso que aconteceu com os inimigos dos japas.

Nessa hora os superestimados resolveram jogar futebol. Se tava difícil pelo chão, eles fizeram o que qualquer time tem que fazer quando joga contra os gnomos do Japão: mandar balão pra área e esperar as falhas crassas da defesa e os frangos do goleiro. E assim, num desses balões pra área, Vertonghen fez um gol sem querer, numa daquelas cabeçadas cujo único objetivo era "mandar lá pro meio do bumba meu boi". Fellaini fez um gol mais ou menos sem querer, mandando pras redes com o cabelo. E no final da partida, no último segundo, o Japão teve um escanteio e mandou o time inteiro pra área dos belgas, mesmo não tendo jogada de bola aérea. E o que houve? Num contra-ataque simples, com nenhum japonês marcando, Chadli fez o favor de virar a partida e nos poupar de uma prorrogação de um joguinho tão foleiro.


Fontes[editar]