Desnotícias:Portugal perde a Cisplatina de novo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

FIFA WORLD CUP 2018.png Esta desnotícia é parte do projeto DesCopa Russia. Na Rússia, a Copa se informa sobre VOCÊ!

Cquote1.png Sorte do caralho Cquote2.png
Cristiano Ronaldo sobre gols do Cavani

SUSHI, Terra da Vodka - Estádio de Fish

Portugal e Uruguai se encontraram numa partida imprevisível no primeiro dia de oitavas-de-final... Imprevisível porque são dois países que, historicamente, sempre decepcionam. Uruguai decidiu apostar só na sua tradição de saber vencer só times piores que eles, enquanto Portugal decidiu apostar no "toca no CR7 e vamos ver se ele resolve tudo sozinho". Sem pênaltis para Portugal, sobressaiu-se a raça uruguaia de sair fazendo gol de qualquer jeito. Ou seja, ninguém verá um confronto Messi x Cristiano Penaldo nessa Copa.

Primeiro tempo[editar]

Com duas equipes acostumadas a só decepcionar, o jogo começou bem estudado, mas logo aos 7 minutos o placar seria aberto com Cavani fazendo o segundo gol dele na Copa, explorando a principal característica do Uruguai que é a de fazer gols feios mas que valem como gols bonitos. Suárez fez um cruza-chute (um cruzamento em forma de bicuda potente) e Cavani não pegou nem de testa e nem de cabeça, fez gol de bolada na cara, seguindo o exemplo do belga Batshuayi no jogo contra Inglaterra.

Pelo menos descobrimos que Rui Patrício é melhor que Igor Akinfeev, já que Luís Suarez bateu uma falta idêntica à que abriu o placar no jogo contra a Rússia, explorando o furo na barreira para chutar mal e mesmo assim concluir o gol, mas o goleiro português defendeu bem a bola.

Se algo ficou bem nítido nesse primeiro tempo foi a falta de criatividade da torcida portuguesa. Ao invés de dançarem um A Festa Ainda Pode Ser Bonita Vira-Vira, que seria muito mais autêntico, os portugueses decidiram plagiar a torcida da Islândia na cara dura (e diga-se de passagem, de maneira bem porca e mal feita) batendo aquelas palmas. O time português decidiu corresponder em campo, e imitou o time islandês, sendo eliminado ridiculamente.

Segundo tempo[editar]

Cristiano Ronaldo acelera saída de Cavani de campo, que tentou fazer cera no final do jogo.

O segundo tempo começou com um claro gesto de homofobia e desrespeito por parte da FIFA que, uma vez anunciada da morte de Jailson Mendes, ignorou totalmente este fato trágico e ninguém fez 1 minuto de silêncio sequer (no caso, seria 1 minuto de gritos de macho virgem).

Portugal voltou com a formação 4-3-2-X, com uma linha defensiva de quatro jogadores, um meio com três jogadores, 2 atacantes e o Cristiano Ronaldo fazendo o que ele quisesse e ficando onde ele bem quisesse. Deu certo, porque os europeus tiveram ataques mais envolventes e reiniciaram a partida exercendo maior pressão. Com Cristiano Ronaldo jogando na "posição qualquer coisa", ele recusou-se a bater escanteio e mais ainda a posicionar-se dentro da área, aí coube ao português Guerreiro não-cocaineiro cruzar para Pepe marcar de cabeça e empatar o jogo.

Mas como Cristiano Roubaldo estava ocupado demais no arrastão tentando encontrar Cristiano Ronaldo no jogo, para dar assistência pro Cristiano Ronaldo fazer o gol, Cristiano Ronaldo não marcava nenhum adversário, e os uruguaios atacavam sempre com perigo, livres de marcação. Aí após um contra-ataque ficou fácil para Cavani fazer o tipo de gol bonito que o Neymar fominha não deixa ele fazer no PSG, com Suarez ajeitando para ele bater de primeira.

Cristiano Ronaldo tentou reverter a situação fazendo discursos motivacionais para seus companheiros, sabendo que todos eles são ruins, pouco campeões, desmotivados e precisando de ânimo, mas não adiantou muito. Ninguém aprende a jogar futebol só ouvindo frases motivacionais, e Portugal pouco fez pra tentar um empate.

Apesar da vitória sul-americana, ainda houve preocupação dos uruguaios no final; eles viram o único craque do time, Cavani, sair contundido do jogo. E não apenas isso: Cavani saiu amparado por Cristiano Ronaldo, que estava tão pilhado exercendo todas funções no campo, de atacante à zagueiro, que decidiu também atuar como maqueiro.


Fontes[editar]