Desnotícias:Temer sanciona Último Suspiro da Segurança Pública; "Trabalhadores" agradecem

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desnoticias logo.png

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

CANAÃ, Bananal

Michel Temer ao anunciar a medida. Ao fundo, seu slogan de governo.

Agora é pra valer, na manhã tarde noite sei lá que momento do dia de hoje, Michel Elias Lula Lulia Nosferatu Temer, um senhor de 193 anos que preside o país e que não sabemos como foi parar lá, aprovou o PAC, Programa de Aceleração da Criminalidade, informalmente conhecido nos anais prolapsados de Brasília pelo nome Suspiro Último da Segurança Pública (SUSP), que promete ser uma versão do SUS. Só que ao invés açougueiros, o programa visa as polícias Militar, Civil, Federal, dos Impostos, Rodoviária, Ferroviária, além de Guardas Municipais, Estaduais e Federais, agentes penitenciários e de penitência, Tua mãe, vizinhas fofoqueiras que passam o dia vigiando a vida alheia e ocasionalmente, aqueles vigias noturnos que passam na sua rua tarde da noite fazendo um barulhinho chato que não ajuda em porra nenhuma, só atrapalha o sono.

Com a medida, Nosso Presidente pretende estabelecer o caos, antes de sair desfilando com seu presidencial pelas ruas de São Paulo

O presidente resolveu que era hora de repetir o grande cagaço feito pelos constituintes em 1988 e criou outro frankstein para burocratizar ainda mais a burocrática burocracia do burocrático Estado Brasileiro e tentar, por intermédio da confusão, diminuir a criminalidade: o marginal, ao roubar um pote de margarina Delícia e consequentemente acabar indo tomar Noku™, ele não saberia se iria parar na delegacia do bairro, na PF ou se na Polícia Ferroviária Federal antes de voltar pra casa, se ele teria de pegar 14h de fila para dar entrada no xilindró e ao entrar, acabar recebendo a notícia que faltam delegados e que ele teria de cometer outro crime mais tarde [...].

Especialistas defendem ainda que a medida poder ter efeito contrário, já que começaria a faltar agentes públicos pra tudo. Muitos deles poderiam fazer iguais aos médicos e abrirem batalhões privados no centro, criando uma concorrência sadia no mercado criminal brasileiro.

Assim que o presidente assinou o nome dele no espaço destinado a sua rubrica na folha da lei, a ONU o parabenizou. Finalmente, com a implementação desta medida, seu projeto de acabar com a Polícia Militar nos países subdesenvolvidos começa a sair do papel.


Fontes[editar]