Desnotícias:Trump manda fazer o muro sob fiação do México

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desnoticias logo.png

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

CPDRE. WASHINGTON, USA

Trump, após assinar o decreto

Foi dada a largada para a construção de uma das maiores obras já feitas pelo homem. Sim, o gerente ficou louco e resolveu soltar um canhão de ban em qualquer um que habla castellano, assiste luta de mentirinha ou futebol, e adora uns tapas. A assinatura vem a menos de cinco dias do maluco tomar conta da cadeira da Casa Branca (que agora é branca de facto), mas não o primeiro a ter a ideia no continente a merrécano. Como seu vizinho chicano teve a idéia primeiro, Trump terá de pagar royalties e outras patentes aos hispânicos, bem como também aos judeus, pelo uso do material que será usado na construção (e porque são moedinhas mesmo).

A obra terá mais de 12753Kms de extensão e contará com o uso de tecnologia de última geração (já que latinos em geral costuma sempre dar um jeitinho). A obra será executado pela OAS e Camargo Corrêa, e será feita em no máximo 180 dias. A construção ainda terá 1m de espessura e 40 metros, sendo 27 deles abaixo da terra. Tudo isso para evitar a proliferação de mexicanos, brasileiros, venezuelanos e outras subespécies, em território norte-americano.

Segurança[editar]

Alguns soldados americanos deverão viajar até a Ucrânia e Berlim, na Alemanha, para treinarem artilharia com alguns ex-soviéticos que participaram da guarnição do antigo Muro de Berlim. O estágio deverá ter 45 dias e poderá contar a participação de Vladimir Puto que ainda não sabe se dará a uma palestra como ex-membro da KGB.

O governo americano ainda anunciou que alguns cubanos anistiados no governo Osama deverão oferecer treinamento de fuzilamento, aos soldados da US Army.

Pagamento[editar]

A obra será custeada pelos mexicanos, que poderão escolher entre pagamento à vista e com desconto de até 37% ou à prazo, com pagamento parcelado em cartão de crédito ou em carnê.

Os mexicanos contestam os valores divulgados pelo governo e diz que não vai arcar com os custos até uma auditoria final.


Fontes[editar]