Desnotícias:Tunísia e Panamá se esforçam e conseguem entregar o pior jogo da Copa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

FIFA WORLD CUP 2018.png Esta desnotícia é parte do projeto DesCopa Russia. Na Rússia, a Copa se informa sobre VOCÊ!

SARRADA, Terra da Vodka - Arena de Mordor

Depois de sediar jogaços como Peru x Dinamarca e Colômbia x Japão, a Arena Mordor de Saransk teve a honra de receber mais um péssimo jogo sem graça, disparadamente o jogo mais merda da Copa do Mundo Perdigão FIFA de 2018. A FIFA não esclareceu bem os motivos da realização deste jogo, visto que esta partida não era mesmo tão necessária assim a ponto de ocorrer e podia tranquilamente ser cancelada sem gerar nenhum prejuízo, na verdade, gerando a gentileza de devolver o dinheiro de quem comprou o ingresso para uma porcaria dessas. Embora totalmente desnecessário, o jogo foi realizado mesmo assim, mesmo que uma terceira colocação numa chave não valesse vaga nem numa Copa Sul-Americana. Então jogar isso para que?

Primeiro tempo[editar]

Panamá e Tunísia trouxeram para campo as suas principais características que marcaram a passagem meteórica dessas seleções na Copa: o terrivelmente péssimo futebol mal jogado. Em 1 minuto de jogo já teve um panamenho furando um passe e um tunisiano errando um passe de 1,5 metros, já anunciando que ambos estavam dispostos a entregar um péssimo jogo de futebol.

Fica claro que não existe futebol nem no Panamá e nem na Tunísia quando a primeira chance de perigo do jogo é um cruzamento mal feito de um panamenho, onde a zaga afasta mal, mas é o atacante que não sabe aproveitar a oportunidade (e só bate mascado na bola) e mesmo assim o goleiro quase toma um frango. E sempre dá para piorar o que já está ruim, tanto que o segundo lance de maior perigo foi quando o lateral tunisiano enganou a todos em campo, ao fingir que cruzaria uma bola, mas na verdade chutaria o próprio pé após dar uma "calcanhada" na bola, ajeitando-a para si mesmo a fim de errar solenemente o cruzamento.

Panamenhos comemoram como título a marcação de um golzinho contra bem chulé.

Claro que num jogo desses o único modo possível de sair um gol era contra, quando o Panamá abriu o placar do jogo. O meia panamenho fez o que sabe fazer de melhor: enfiou um chutão sem qualquer direção, sem precisão e sem qualquer chance de chegar ao gol. Ele só não contava com um desvio providencial do defensor tunisiano, que direcionou a bola para o gol e goleirão da Tunísia nem tentou pegar a bola. José Rodriguez saiu comemorando como se tivesse sido campeão do mundo, mas efusividade na comemoração do gol não vale na súmula, e o gol ficou para Mehid da Tunísia.

Segundo tempo[editar]

A Tunísia já estava mais do que eliminada, mas alguém decidiu convencê-los de que é válido jogar uma partida de futebol não por troféus, taças, títulos ou glórias, mas sim pela honra, e assim os africanos vieram com tudo em busca da virada. Sabiam que estavam jogando com um time ruim que só foi capaz de fazer 1 gol contra a Inglaterra. A situação do jogo ficou ainda mais fácil para os tunisianos quando o Panamá, já aos 2 minutos, estava começando a fazer cera e catimba, mas sem saber fazer isso direito.

O Panamá foi punido pela sua ruindade; o time da Tunísia, que tem o único goleiro da copa inteira que defende chutes com narigadas, fez tabelinha na área adversária e Khazri marcou o gol. Um gol relativamente normal, sem ninguém tropeçando, sem ninguém furando a bola, sem ninguém errando o passe final, sem ninguém errando a conclusão ao gol, fato que pegou os panamenhos de surpresa. A Tunísia, percebendo que esse era o melhor método de fazer gols, repetiu a dose, e virou o placar, também fazendo um gol absolutamente normal, sem caneladas na bola nem boladas nas canelas.

A Tunísia podia fazer 10x1 se continuasse jogando assim, mas aí cansaram, e voltaram a errar passes de 1,5 metros. Por causa disso o Panamá até marcou o gol de empate aos 27 minutos, mas o tento foi prontamente e corretamente anulado por excesso de gols feios no jogo.

Frustrados estavam os panamenhos, após falhar em copiar a habilidade brasileira, falhar em copiar a dedicação tática europeia, falhar em copiar catimba uruguaia e falhar em tantas outras coisas. Decidiram recorrer a uma última inspiração e passaram a copiar o desespero argentino, e assim começaram a quebrar as pernas dos jogadores tunisianos, tomando todos os cartões amarelos possíveis sem medo de serem pendurados, pois sabem que nunca mais irão voltar para uma Copa do Mundo. Mas os panamenhos são tão ruins que nem causar confusão eles sabem fazer direito e foram incompetentes em começar uma porradaria generalizada. O técnico Hernán Gomez até que tentou ensinar como arrumar confusão com eficácia, batendo boca e empurrando o lateral tunisiano Naguez, mas de nada adiantou, nenhuma porrada comeu, só umas faltas e mais cartões amarelos.

A Tunísia venceu. Mas quem se importa?


Fontes[editar]