Despoesias:Alborghetti - Póstumo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Despoesias.png
Bocage-2bus.png

Este artigo é parte do Despoesias.

O seu Cancioneiro/Romanceiro livre de conteúdo.


Alborghetti - Póstumo

Eu fico desgraçado da minha cabeça quando penso
que pelas portas do inferno irei passar
No meu colo o capeta irá se sentar
E se ele não gostar
No meu peito terá de pular

Alborghetti em seus últimos momentos, ao recitar esta poesia.


De bom grado para o paredão
o bandido e o vagabundo eu mandava
e da família a bala eu cobrava
dessa forma o bandido para a muzenga peidava

Muitas mesas eu espanquei
quando desgraçado da minha cabeça fiquei
Mas espanador na bunda nunca enfiei
Nem de Carmem Miranda me fantasiei

Agora que Dalborgha morreu
os bandidos e vagabundos festa farão
mas o pior lhes espera
quando estiverem no caixão

Quando ao inferno chegarão
Comigo se encontrarão
e em minha mão sofrerão
Assim os pecados pagarão

No inferno Alborghetti te espera
mas enquanto a sua hora não chega
um beijo na sua alma ele deseja